Chamamos-lhe paz. Os planos de Sant'Egidio para pôr fim à guerra na Ucrânia, com o aplauso de Moscou. Artigo de Sergio Belardinelli

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Wim Wenders, Dias Perfeitos – 2023. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Julho 2023

"Se alguém tem muito a perder nessa guerra, somos nós, europeus: é uma guerra em nossa casa, ameaça nosso bem-estar, abala nossas economias, divide nossas opiniões públicas", escreve Sergio Belardinelli em artigo publicado por Revista L’Espresso, simultaneamente no Settimo Cielo e no jornal Il Foglio, 04-07-2023.

Sergio Belardinelli é professor titular de Sociologia da Cultura. Sua pesquisa se concentra em questões ético-políticas relacionadas ao desenvolvimento de sociedades complexas contemporâneas.

Eis o artigo.

A foto abaixo foi tirada em 15 de junho, em Roma, no jardim do antigo convento de Sant'Egidio, hoje sede da comunidade que leva seu nome. No centro, o metropolita Antonij de Volokolamsk, o segundo no Patriarcado de Moscou e presidente do Departamento de Relações Eclesiásticas Externas, com Andrea Riccardi e Adriano Roccucci ao seu lado, fundador e vice-presidente da Comunidade de Sant'Egidio, respectivamente.

Foto no jardim do antigo convento de Sant'Egidio. No centro, o metropolita Antonij de Volokolamsk, com Andrea Riccardi e Adriano Roccucci ao seu lado, fundador e vice-presidente da Comunidade, respectivamente | Foto: Divulgação L'Espresso

Poucos dias depois, Roccucci, professor de História Contemporânea na Universidade de Roma Tre e especialista em Rússia, acompanharia o cardeal Matteo Maria Zuppi, também ex-membro da Sant'Egidio, em sua missão a Moscou como enviado do Papa. E ambos participaram, em 29 de junho, do encontro com Cirilo, o patriarca de Moscou, ao lado do qual sentou-se o metropolita Antonij.

Não é surpreendente, portanto, que em um comunicado abrangente divulgado pelo patriarcado de Moscou ao término da reunião, tenham sido destacados não apenas os nomes de todos os participantes - até então mantidos em segredo pelas autoridades vaticanas -, mas também o elogio explícito de Cirilo ao "papel positivo da Comunidade de Sant'Egidio", não apenas "nas circunstâncias muito difíceis relacionadas à Guerra Fria", quando "manteve laços ativos com a Igreja Ortodoxa Russa", mas também "nas condições atuais", para que "as igrejas possam, com esforços conjuntos, impedir o desenvolvimento negativo das circunstâncias políticas e servir à causa da paz e da justiça".

Vindo de alguém que, como Cirilo, "ousou legitimar repetidamente a guerra brutal e absurda na Ucrânia com razões pseudorreligiosas" - nas palavras do cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Unidade dos Cristãos - esse apelo à paz deixa alguém desconcertado.

Qual paz, na realidade, tem em mente o Patriarca de Moscou? E qual é a paz pela qual a Comunidade de Sant'Egidio, com o aplauso de Moscou, está defendendo?

De volta à Itália, Zuppi disse que "ainda não temos um plano que possa contribuir para a abertura de negociações".

Enquanto isso, no entanto, ele sempre foi vago sobre o apoio armado prestado pelo Ocidente à Ucrânia.

No entanto, desde o início, não apenas o jornal Avvenire, propriedade da Conferência Episcopal Italiana, presidida por Zuppi, mas também todos os principais expoentes da Comunidade de Sant'Egidio, desde o fundador Andrea Riccardi - que até invocou o status de "cidade aberta" para Kiev nos primeiros dias da agressão, ou seja, a tomada do controle da capital ucraniana pelos russos sem resistência - até Agostino Giovagnoli e Mario Giro, foram decididamente contrários a tal apoio.

De Mario Giro, responsável pelas Relações Internacionais da Comunidade de Sant'Egidio e que foi subsecretário e depois vice-ministro das Relações Exteriores da Itália de 2013 a 2018, foi publicado em 1º de julho um editorial no jornal Domani que é a "soma" da posição de Sant'Egidio sobre a guerra na Ucrânia.

Na missão do cardeal Zuppi a Moscou, Giro vê um louvável "ir contra a corrente, ou seja, contra os únicos discursos belicosos" dos quais o Ocidente é prisioneiro, mas que o resto do mundo não suporta mais. E ele se refere ao "Sul Global", na África, Ásia e América Latina. Esse Sul Global, cuja aversão aos Estados Unidos e à Europa também está bem presente nas raízes argentinas do Papa Jorge Mario Bergoglio, como revelou Sviatoslav Shevchuk, arcebispo maior da Igreja Greco-Católica Ucraniana, em uma entrevista memorável publicada pelo Settimo Cielo.

Essa visão, que não é apenas de Giro, mas também da Comunidade de San Egidio, do cardeal Zuppi e, em grande parte, da Igreja de Roma, é respondida aqui por Sergio Belardinelli, professor de Sociologia dos Processos Culturais na Universidade de Bolonha e coordenador científico da Comissão para o Projeto Cultural" presidido pelo cardeal Camillo Ruini de 2008 a 2012.

Um pretexto para dividir entre pacifistas e belicistas

Por Sergio Belardinelli

Essa guerra está nos esgotando. Não apenas porque não é nada certo que os ucranianos continuem resistindo ou consigam expulsar os russos das fronteiras de sua terra. Mas principalmente porque, em nome das negociações de paz que a Europa deveria estabelecer em vez de fornecer ajuda militar à Ucrânia, estamos nos autoflagelando inutilmente, perdendo de vista a realidade.

Em um artigo publicado em 1º de julho no Domani, Mario Giro escreveu que nos acostumamos com a guerra, que não conseguimos ir além da retórica belicosa, enquanto o mundo agora nos observa com crescente desgosto. Mas o que isso significa? Se alguém tem muito a perder nessa guerra, somos nós, europeus: é uma guerra em nossa casa, ameaça nosso bem-estar, abala nossas economias, divide nossas opiniões públicas. E seríamos tão distraídos a ponto de continuar fornecendo ajuda militar à Ucrânia se houvesse outra maneira? Seríamos tão criminosos a ponto de preferir a guerra à paz?

Essas perguntas me parecem surreais. Estamos nessa situação porque um senhor chamado Vladimir Putin decidiu invadir outro país soberano muito próximo de nós, chamado Ucrânia. Estamos nessa situação porque, contra o que muitos esperavam, os ucranianos decidiram lutar, ser massacrados, para não ceder aos invasores russos. Devemos culpá-los por isso? Devemos aconselhá-los a se render? Preferiríamos que eles tivessem se rendido rapidamente? Ou, uma vez que afinal de contas eles também estão lutando por nós, o mínimo que podemos fazer é continuar ajudando-os?

Segundo Giro, dessa forma, a Europa e o Ocidente correm o risco de se isolar do resto do mundo, que deseja algo diferente. Mas o que é que se quer? Dar a Putin o que ele quer? Ou talvez fosse mais sensato, até mesmo para o resto do mundo, desejar que Putin não vença? Além disso, repito, são principalmente os ucranianos que estão morrendo nessa guerra. Seria mais digno abandoná-los à sua sorte?

Aqui não se trata de uma questão geopolítica liderada por esta ou aquela grande potência, de unipolarismo, multipolarismo ou qualquer outra coisa. O que está em jogo é uma tragédia para a qual não se consegue encontrar uma solução porque aquele que a desencadeou não quer saber de nada. Houve alguma iniciativa de paz real e concreta por parte de alguém à qual a Europa e os Estados Unidos tenham dito não? Alguém em Moscou deu algum sinal de estar ouvindo as preces do Papa?

O problema, repito, é que os ucranianos, pelo menos até agora, preferem se deixar matar a ceder à prepotência russa. Se Putin decidisse cessar o fogo amanhã, as negociações se abririam imediatamente. Ele começou isso e ele pode pôr fim a essa guerra. Nós só podemos sofrê-la, opor-nos com as armas que temos (poucas), esperando sofrer o menor dano possível. Significa isso, como escreveu Mario Giro, querer permanecer "enraizados em nossas próprias razões"? De maneira alguma, pois isso não depende absolutamente da nossa vontade.

Só podemos nos consolar com o fato de que são boas razões e esperar que alguns (especialmente os ucranianos) continuem defendendo-as sem sucumbir. Também não acredito que os países do chamado Sul Global estejam fazendo um bom trabalho ao não tomar partido simplesmente porque, ao fazê-lo, estão dando um tapa na cara dos Estados Unidos. Eles estão dando um tapa nada menos que nos ucranianos! Para quem tudo isso não passa de palavras vazias, animadas talvez por boas intenções, mas palavras vazias.

Dito isso, espero que o cardeal Matteo Zuppi tenha ido a Moscou, não para se fazer de "inconformista", mas para pedir ao Patriarca Cirilo que pressione Putin a devolver as crianças sequestradas por seus soldados às mães ucranianas e retirar suas tropas da Ucrânia. O que mais ele poderia pedir, além de criar as condições para que russos e ucranianos se sentem à mesa para negociar a paz?

Mas isso é exatamente o que todos os europeus querem; não pode se tornar uma desculpa para dividir entre pacifistas e belicistas. Caso contrário, algumas pessoas, especialmente na Ucrânia, poderiam suspeitar que muitos daqueles que dizem querer a paz na verdade esperam que a guerra termine o mais rápido possível com a derrota da Ucrânia e mal podem esperar para serem aclamados por Moscou, Pequim e todo aquele belo mundo que gira em torno deles como os verdadeiros pacificadores.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chamamos-lhe paz. Os planos de Sant'Egidio para pôr fim à guerra na Ucrânia, com o aplauso de Moscou. Artigo de Sergio Belardinelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU