O Esmoleiro e a Comunidade de Santo Egídio levam ao Vaticano 43 refugiados de Lesbos

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Dezembro 2019

Os mestres que dão exemplo. E, mais uma vez, o papa Francisco tornou-se um deles, ao menos no que toca o cuidado dos refugiados, dos que menos têm. A Esmolaria Vaticana emitiu ao meio-dia, de segunda-feira, 02-12, horário de Roma, um comunicado em que anuncia que o cardeal esmoleiro, Konrad Krajewski, e a Comunidade de Santo Egídio levarão a Roma dois grupos de refugiados procedentes da ilha grega de Lesbos.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 02-12-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

No total, 43 pessoas. 33 deles regressarão nesta quarta-feira com Krajewski, enquanto outros dez dormirão em Roma antes que acabe o ano. A iniciativa surgiu depois da viagem do Papa a Lesbos, em abril de 2016. Nesse momento, Francisco subiu a seu avião três famílias solicitantes de asilo, as quais acolheu e apoiou em seu caminho de integração, com o apoio da Comunidade de Santo Egídio.

“No último mês de maio, três anos depois deste acontecimento – se lê no comunicado – o Papa pediu ao esmoleiro que voltasse à ilha para renovar a solidariedade com o povo grego e com os refugiados”. Nessa ocasião, para acolher um grupo de jovens refugiados e algumas famílias do Afeganistão, Camarões e Togo.

“Depois de um intenso período de negociações oficiais entre os organismos competentes para criar esse novo corredor humanitário, o Ministério do Interior da República Italiana deu seu consentimento final para levar a cabo a operação”, destaca a Esmolaria, que acrescenta que “a acolhida a esses refugiados será, também nesse caso, assumida pela Santa Sé, através da Esmolaria Apostólica e pela Comunidade de Santo Egídio”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Esmoleiro e a Comunidade de Santo Egídio levam ao Vaticano 43 refugiados de Lesbos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU