“Cada vida é um mundo a salvar”. A homilia do cardeal Matteo Zuppi na oração “Morrer de esperança” em memória dos migrantes que morreram tentando chegar à Europa e aos EUA - veja o vídeo

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Junho 2023

Nunca devemos aceitar que a tão humana e responsável lei do mar, uma regra de humanidade pela qual qualquer pessoa em perigo é salva e protegida, nunca seja questionada. Ele está em perigo: ele está salvo.

A vigília de oração "Morrer de esperança" foi celebrada na Basílica de Santa Maria in Trastevere em memória dos muitos migrantes que morreram tentando chegar à Europa e aos Estados Unidos.

Centenas de mulheres e homens, juntamente com migrantes e refugiados de muitas terras, recordaram as vítimas dos caminhos da esperança. Nomes e histórias foram lembrados. O cardeal Matteo Zuppi presidiu a cerimônia ecumênica da qual participaram associações, comunidades religiosas e muitas pessoas de boa vontade que não querem esquecer, mas construir juntos um mundo humano e acolhedor para todos.

Reproduzimos a seguir a homilia do cardeal Mateus Maria Zuppi feita na Basílica de Santa Maria in Trastevere, 23-06-2023.

Homilia do cardeal Mateus Maria Zuppi

Mt 24,4-14

O esquecimento é uma dupla traição à vida, que pede sempre que todos sejam defendidos e lembrados. Para os pagãos, o esquecimento era a verdadeira morte. É atroz ser "esquecido" em vida, o que significa não ser visitado, esperado, investido de importância. O esquecimento tira o valor daquele livro que cada um de nós é, sempre único e digno de todos. Os cristãos confiam-se a um Pai que conta até os cabelos da nossa cabeça, que conhece o nome do estrangeiro que se põe à porta do rico e o alivia da sua miséria cobrindo-o com o seu bem. Pelo contrário: dá-nos a entender que assim o estranho se torna o próximo de que precisamos.

O nosso é um Deus que ouve o clamor de seus eleitos que buscam justiça dia e noite. Deus se fez vítima. Identifica-se com eles, com o seu corpo e com a sua alma, confia-os tanto a nós que somos julgados precisamente se fizermos o que a sua condição exige. Deus é o guardião e nos ensina a nunca responder que não somos o guardião, acusando Deus de nos pedir algo excessivo. "Sou eu?" Quando a vida não é guardada, ela está condenada. Deus responde aos pedidos: não espera para ver como termina, se alguém pode pensar nisso, para estabelecer de quem é a competência. Deus conhece e protege a fragilidade das pessoas. Cada um é dele e é precioso. Cada um é um mundo, um mundo a ser salvo.

A celebração de hoje é para os salvos que não podem esquecer os afogados. Nós somos salvos. Não esqueçamos e não deixemos de agradecer por termos sobrevivido. Alguns de nós estão fisicamente porque estavam exatamente nas mesmas condições daqueles que não conseguiram e alguém carrega consigo a mesma dor porque alguns amigos, alguns irmãos, algumas mães nunca chegaram. Que dor. Na realidade, todos nós somos salvos da tempestade do mar, das ondas da guerra, que quando se erguem, arrebatam cada pessoa e a todos engolem nas suas ondas de morte. Salvos queremos salvar, para que ninguém fique sobrecarregado, para restituir a graça e porque compreendemos que a segurança, a paz, o bem-estar não se perdem se os acolhemos, mas quando os guardamos para nós, não o fazemos. aos outros o que os outros fizeram a nós.

Portanto, esta é uma festa bonita, porque cheia de sofrimento e memória, mas também de beleza, porque hoje o mosaico da vida se recompõe, com traços humanos e divinos, todos resplandecentes de luz, mesmo aqueles que já não estão e para os quais, como Rachel, não queremos ser consolados porque eles não existem mais. Aqui as histórias, as origens, as diversidades, as cores, as línguas se compõem, se combinam sem se confundir, reunindo todas as pessoas que não falam a mesma língua mas que todas compreendem a do amor e assim aprendem a falá-la, compreendendo-se mutuamente e não ignorando-se ou opondo-se mutuamente. Nunca devemos aceitar que a tão humana e responsável lei do mar, uma regra de humanidade pela qual qualquer pessoa em perigo é salva e protegida, nunca seja questionada. Ele está em perigo. Você salva. Nós nos lembraremos de muitos nomes daqueles que não foram salvos. Eles são queridos para nós, eles se tornam queridos para nós.

Nas próximas. Também sentimos a humilhação de não poder lembrar os nomes de todos aqueles santos inocentes que não encontraram quem os protegesse de Herodes. No Evangelho Jesus ajuda-nos a olhar para o que está a acontecer, e dá-nos a conhecer que pode acontecer, que vai acontecer! O Evangelho nos fala de pessoas se levantando contra outras pessoas e reino contra reino. Quantas guerras inaceitáveis. Devemos ter esperança, mesmo contra toda a esperança. Quantos refugiados são uma das consequências! Jesus nos lembra que também há fomes e terremotos em vários lugares. Ele nos adverte contra os falsos profetas que nos enganam fazendo-nos acreditar que estamos seguros quando estamos apenas mais expostos e menos humanos. Os falsos ídolos enchem nossos dias de fúria e esvaziam nossos corações de amor. Vemos tanta iniquidade e amor congelados, como sempre acontece quando não amamos o próximo como a nós mesmos, na verdade pensamos que é o amor tirado de nós! Fica, pois, o convite a ser perseverantes, ou seja, a não deixar de amar.

A procissão de entrada da cerimônia n a Basílica de Santa Maria in Trastevere, em Roma. (Foto: Reprodução | Vatican Media)

Perseverança é para nos lembrar da história de Osama, de 25 anos, e Shawq Muhammad, de 22, sírios, que se afogaram junto com Moshin, Abdul e Sami, paquistaneses, na noite de 13 para 14 de junho de 2023 em frente de Kalamata, na Grécia, devido ao naufrágio do barco após uma viagem de 5 dias que começou em Tobruk, na Líbia. Recordamos os 700 passageiros, muitos dos quais são mulheres e crianças, principalmente da Síria, Egito e Paquistão. Apenas 108 foram salvos. A perseverança é um amor que sente escândalo e vergonha por tanto sofrimento, não se acostuma e faz disso motivo e urgência para escolher, para finalmente escolher um sistema de proteção e acolhimento seguro para todos, um sistema legal porque só com legalidade se combate a ilegalidade, ou seja, o aproveitamento criminoso de pessoas.

E a Europa, filha dos que sobreviveram à guerra e que não param de ouvir aquelas vozes longínquas de nomes humildes e daqueles que nos deram esta liberdade e esta justiça, deve garantir os direitos que detém, garantindo fluxos que são corredores humanitários e corredores de trabalho, corredores universitários, reagrupamentos familiares que garantam o futuro e a estabilidade, a adoção de pessoas que apenas procuram alguém que lhes dê confiança e oportunidades. E doá-lo nos faz encontrá-los!

Você não pode morrer de esperança! Quem morre de esperança pede-nos que olhemos depressa para que não aconteça o mesmo aos outros, para encontrarmos respostas possíveis, dignas de tanto da nossa história, conscientes do futuro, da grandeza do nosso continente e da nossa pátria. É por isso que esta celebração nos faz sofrer, mas também acende tanta luz. Como gostaríamos que corações iluminassem na noite escura no meio do mar que acolhem, aguardam, orientam. É verdadeiramente a grande oportunidade a não perder e a não perder, de ser quem somos. Porque é mesmo verdade que existe a banalidade do mal, mas também a do bem. E esta celebração no-lo mostra de uma forma comovente e extraordinariamente humana.

Itália, a Europa reencontra-se graças à hospitalidade. Há sessenta anos o Bom Papa escrevia: (PT 12): “Todo o ser humano tem o direito, quando os legítimos interesses assim o aconselharem, de emigrar e instalar-se noutras comunidades políticas. Por ser cidadão de uma determinada comunidade política, a pertença, como membros, à mesma família humana não perde o seu conteúdo; e, portanto, pertencer, como cidadãos, à comunidade mundial”. Na 109ª Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado (quão longa é a história dos migrantes, tão longa quanto a história!) o Papa Francisco nos confia a preocupação de garantir a liberdade de escolher migrar ou ficar. “É necessário um esforço conjunto de cada país e da comunidade internacional para garantir que todos tenham o direito de não emigrar, ou seja, a possibilidade de viver em paz e dignidade em sua própria terra”. Eis uma visão pela qual vale a pena viver, investindo energias, recursos, que nos ajudem a buscar o futuro, que é como a casa do mundo, um só.

“Deus, Pai todo poderoso, dai-nos a graça de trabalhar arduamente em favor da justiça, da solidariedade e da paz, para que todos os seus filhos tenham a liberdade de escolher se querem migrar ou ficar. Dai-nos a coragem de denunciar todos os horrores do nosso mundo, de lutar contra todas as injustiças que desfiguram a beleza das vossas criaturas e a harmonia da nossa casa comum. Sustenta-nos com a força do teu Espírito, para que possamos mostrar a tua ternura a cada migrante que colocas no nosso caminho e difundir a cultura do encontro e do cuidado nos corações e em todos os ambientes”. 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Cada vida é um mundo a salvar”. A homilia do cardeal Matteo Zuppi na oração “Morrer de esperança” em memória dos migrantes que morreram tentando chegar à Europa e aos EUA - veja o vídeo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU