Nicarágua. “Existem seminaristas simpatizantes da Frente Sandinista que denunciam nossas atividades aos Secretários Políticos”

Mais Lidos

  • “A humanidade abriu as portas do inferno”, alerta António Guterres, secretário-geral da ONU

    LER MAIS
  • Ucrânia: os EUA ameaçam com a guerra total

    LER MAIS
  • Papa Francisco eleva o nível de alarme: “O mundo está nas garras de uma terceira guerra mundial, com a ameaça de armas nucleares”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Março 2023

  • O seminário é atualmente o lugar mais decepcionante e medíocre que pode haver em Manágua. Há algum tempo somos forçados a um silêncio absoluto: falar sobre a realidade do país nas aulas, nas refeições, em nossas redes sociais, em a oração é proibido.

  • Quando ouço que a igreja é o último bastião da resistência, fica claro para mim que não dizem isso por causa dos padres, nem dos seminaristas, muito menos pelos formadores superficiais e limitados que temos, mas por o povo, o povo, os leigos, homens e mulheres cuja fé é maior que o medo.

  • Espero que a hierarquia esteja convencida de que eles não ganharam nada se escondendo como os cuzucos. Pelo contrário.

Esta carta é o testemunho anônimo de dois seminaristas ativos e um que saiu antes da publicação da nota, cujos nomes e locais de formação são omitidos por razões de segurança. 

A carta foi publicada por Religión Digital, 28-03-2023. 

Eis a carta.

Caro José Manuel:

Em meu trabalho pastoral, depois das 9 da noite, começaram a chegar as fotos de dom Rolando Álvarez, que o regime de Ortega-Murillo decidiu tornar públicas ontem. Eu os compartilhei com meus outros colegas seminaristas. O seminário em que estudou é uma pequena amostra do que é hoje o nosso país: alguns diziam "parece que o majestoso está a divertir-se, até lhe olham com desdém"; outros ficaram indignados com essa exibição falsa e manipulada. A maioria apenas fez um gesto de arrependimento e passou para o próximo tópico: flores da Páscoa, quem vai cantar o anúncio da Páscoa, onde levar a batina para ser passada, quais são as canções "antilitúrgicas" que devem ser evitadas.

 (Foto: Reprodução | Facebook - Arquidiocese de Manágua)

A alegria da libertação dos 222 presos políticos foi diminuindo e a realidade voltou a bater forte: estes dias vimos como a polícia chegou à paróquia de María Magdalena para prender o padre e o vigário estrangeiro, que tem uma “ligação” com a polícia e o governo, teve que intervir para evitar que ele fosse preso. Em Tipitapa, um jovem leigo foi preso após a Via Sacra. Uma médica da oposição foi sequestrada, sua casa revistada e depois expulsa, banida de seu país. Eles não vão demorar em tirar sua nacionalidade também. As Estações da Via Sacra e qualquer expressão pública de fé continuam proibidas e vários leigos e padres já me disseram que a polícia chega nos bairros (em Altagracia, Batahola, El Schick, Reparto San Juan, Villa Fontana, Bello Horizonte, Linda Vista) para tirar fotos, lembre-se que não pode haver procissões, peça informações aos padres, anote os horários das atividades.

Dom Rolando Álvarez, com seus irmãos na prisão Modelo (Foto: Religión Digital)

E o seminário é atualmente o lugar mais decepcionante e medíocre de Manágua. Já há algum tempo fomos obrigados ao silêncio absoluto: falar da realidade do país nas aulas, nas refeições, nas nossas redes sociais, na oração é proibido. O que eles conseguiram é uma total apatia dos seminaristas e também transmitida por alguns formadores que estão mais preocupados com os babados de suas batinas e o uso de chapéus ridículos do que em formar nossa consciência crítica.

É como se tivessem nos injetado anestesia depois de 2018. Quando dom Silvio Báez saiu, não nos foi permitido falar nada. Quando começaram a prender os líderes da sociedade civil, não foi permitida uma única oração em nenhuma das muitas liturgias das horas que fazemos. Quando Matagalpa foi tomada e dom Rolando Álvarez foi preso em poucas ocasiões, ele foi mencionado na Eucaristia. Sua Eminência, como tantos seminaristas de fala doce gostam de chamá-lo, nunca se pronunciou sobre a realidade do país e da Igreja, ou de dom Rolando.

Você acreditaria em mim se eu lhe dissesse que enquanto as palavras do Papa Francisco chamando de desequilibrados os dois criminosos que nos governam corriam pelo mundo, apenas uma dúzia de seminaristas descobriram? Que a Evangelii gaudium, a Laudato si' ou a Fratelli tutti não são lidas aqui? Por outro lado, você pode ouvir citações de Escrivá de Balaguer e Pio IX até o tédio.

No dia 24 de março, quando foi celebrada a memória de São Óscar Romero, não poucos seminaristas se recusaram a celebrar a memória chamando-o de velho comunista, teólogo da libertação, herege, negador da sã doutrina, político de esquerda. Mas se lhes perguntassem, José Manuel, se leram um só livro da teologia da libertação ou uma biografia de dom Romero, o máximo que leram e sem compreender é o Tratado da verdadeira devoção a Maria e dois artigos maus escritos da ACI Prensa sobre dom Romero.

Lembrando dom Óscar Romero (Foto: Harry Mattison | revista America)

Escrevo esta carta a você porque vejo minha saída deste seminário cada vez mais cedo. Não suporto ver como a Igreja resolveu nos tratar como os cavalos que carregam as carroças em Manágua: com duas tachas nos olhos para não olharem para os lados. Os treinadores ficam aborrecidos por vermos e falarmos das notícias do país. Os professores de teologia, de filosofia, de propedêutica, nem se atrevem a refletir sobre o que aconteceu nos últimos anos. Eu pessoalmente, nos protestos de 2018, vi como os jovens da nossa pastoral de juventude, nossos coroinhas, nossos catequistas, nossos ministros da comunhão, as freiras, saíram às ruas. E nós? A que eles nos limitaram? Para não dizer uma única palavra, nem então e muito menos agora.

Que tipo de padres eles esperam que sejamos? Daquela nova geração de jovens padres que gostam de usar toucas e paramentos pré-conciliares? Daqueles padres que em suas homilias falam de dogmas que respondem a perguntas que ninguém fez? Que repetimos aquela obsessão doentia que eles têm aqui contra a ideologia de gênero inventada, homossexuais, feministas, enquanto ignoram todos os papéis que estão aqui sobre relações homossexuais entre seminaristas? Eles querem que olhemos para o outro lado quando enfrentamos problemas?

José Manuel, minha crise neste lugar me levou a ouvir o que você não pode imaginar contra o Papa Francisco. Mais um motivo para não querer continuar com uma vocação que jamais poderá florescer em um lugar autoritário, misógino, tradicionalista e isolado da realidade nacional.

A realidade da Igreja na Nicarágua, depois do rompimento das relações com o Vaticano, piorou. Vivemos em uma grande prisão. Ninguém se atreve a falar. Ontem li um escrito anônimo feito por religiosos na clandestinidade. Aqueles de nós que querem ser fiéis ao Evangelho pagam um preço alto. Essa é a minha maior lição. O meu compromisso com os pobres e as vítimas é muito mais importante do que ficar neste lugar parado no tempo e que, em vez de nos fazer pensar, nos aliena. Se eu pudesse confessar, o faria por todo o silêncio que guardei, apesar do que minha consciência me disse, por não dizer uma palavra de solidariedade para com os presos políticos, por levar os jovens com quem trabalho à indiferença perante a realidade, por rir das piadas vazias dos formadores e colegas que denigrem a dignidade das mulheres, dos gays, dos outros políticos perspectivas. Esse é o meu maior pecado: o meu silêncio.

Cardeal Brenes (Foto: Vatican Media)

Oxalá a Conferência Episcopal, oxalá o cardeal Brenes, vejam que o que a nossa Igreja está a viver é da sua responsabilidade, que quanto mais silêncio fizerem, mais duros serão os golpes, que o clima de repressão se viva também dentro da Igreja e dos seminários, que também há seminaristas simpatizantes da Frente Sandinista que relatam nossas atividades aos secretários políticos, que aqueles que acreditam estar seguros dentro das portas do que chamam de "o coração da diocese" não estão seguros, por mais que se escondam. E ninguém diz nada.

A Nicarágua está desmoronando, muitos parentes de meus colegas também viveram o drama da migração em massa, a perda de empregos por ser azul e branco, a vigilância contínua, o medo de serem presos. Quando ouço que a Igreja é o último bastião da resistência, fica claro para mim que não dizem isso para os padres, nem para os seminaristas, muito menos para os formadores superficiais e limitados que temos, mas para o povo, o povo, os leigos, homens e mulheres cuja fé é maior que o medo.

Esperemos que a hierarquia se convença de que nada ganharam escondendo-se como os cuzucos. Pelo contrário. Oxalá o casal de ditadores, cujas mãos têm o sangue de tantos inocentes, também estejam convencidos de que não conseguirão acabar com a fé do povo. Espero recuperar alguma paz na consciência depois de tanto silêncio imposto e aceite, fora deste seminário. É hora de acordar, de todos nós acordarmos e lutarmos para recuperar nossa Nicarágua. Não importa quão densa seja esta longa noite que nós, nicaraguenses, vivemos. Como um amigo me disse, um dia será dia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nicarágua. “Existem seminaristas simpatizantes da Frente Sandinista que denunciam nossas atividades aos Secretários Políticos” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU