Bispos católicos e líderes religiosos apelam por alívio da dívida para ajudar países africanos

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Agosto 2023

Às vésperas de importantes reuniões de líderes mundiais em setembro, como a Cúpula do Clima da África, a Cúpula de Nova Deli do G20 e a 78ª sessão da Assembleia Geral da ONU, bispos católicos e líderes religiosos na África estão pedindo o alívio da dívida para o continente, a fim de oferecer à África uma "linha de vida" para escapar das múltiplas crises que afligem sua população.

A reportagem é de Fredrick Nzwil, publicada por National Catholic Reporter, 24-08-2023. 

Em meio ao descontentamento ligado ao aumento do custo de alimentos e vida bem como à crescente inflação na África, os ônus econômicos têm frustrado o desenvolvimento, aumentado a pobreza e desencadeado conflitos e protestos em alguns dos países, de acordo com os líderes.

A palavra-chave para eles solucionarem muitas das urgentes necessidades do povo africano é a dívida, ou melhor, sua redução.

A dívida externa na África totaliza US$ 1,1 trilhão, com 25 dos países duramente afetados por sérias crises de dívida. "Dívida externa" é a porção da dívida de um país emprestada de credores estrangeiros, incluindo bancos comerciais, governos ou instituições financeiras internacionais.

Os países africanos têm se endividado para financiar seus orçamentos nacionais (financiamento por dívida), mas têm incorrido em uma taxa de juros exorbitante no processo de pagamento, frustrando seus esforços para alcançar as metas globais de desenvolvimento sustentável e metas climáticas, de acordo com os líderes religiosos.

Os líderes têm a confiança de que a redução da dívida traria alívio e beneficiaria milhões de pessoas.

"Reafirmamos que a voz unificada dos líderes religiosos africanos surge com clareza e determinação inabaláveis", disse Dom John Obala Owaa de Ngong, ao ler a declaração dos líderes em 8 de agosto, um documento que apontou "como a África pode emergir de maneira melhor das múltiplas crises atuais".

"Nossas respectivas Escrituras Sagradas enfatizam a busca da justiça, orientando-nos em nossas ações e decisões", disse o prelado em nome de cristãos, muçulmanos e membros das religiões tradicionais africanas que participaram da reunião em Nairóbi.

"Instamos o estabelecimento de um processo de redução da dívida que permita aos mutuários reduzir rapidamente os pagamentos da dívida para proteger investimentos cruciais em desenvolvimento e clima", afirmaram os líderes.

Hospedados pela Caritas Africa, Rede de Justiça e Ecologia dos Jesuítas e Jubilee USA Network, os líderes inter-religiosos se reuniram no Elysian Resort em Nairóbi de 6 a 9 de agosto para debater a realização do desenvolvimento sustentável e apoiar a recuperação da África.

Os líderes enfatizaram que, neste momento, a maioria dos países africanos está emergindo do impacto devastador da pandemia de Covid-19. Seus sistemas alimentares foram perturbados por secas relacionadas às mudanças climáticas, conflitos armados e, mais recentemente, a guerra na Ucrânia, que desestabilizou as cadeias de suprimento de importações de alimentos.

"Dado que mais de 45% da dívida da África está nas mãos de credores privados, os centros financeiros que regem esses contratos devem aprovar leis que garantam a participação desses credores no alívio da dívida", afirmou Owaa.

Na década de 1990, líderes religiosos estavam entre aqueles que se juntaram ao Movimento Jubileu para pressionar pela "quebra das correntes da dívida" nos países em desenvolvimento, lembraram os líderes, mas eles também estão preocupados que, após mais de 30 anos, a crise da dívida tenha apenas se intensificado.

Em 2005, um esforço do Jubileu 2000, um movimento em mais de 40 países que clamava pelo cancelamento da dívida em países pobres, resultou em um acordo de cancelamento de dívida feito em Londres pelos ministros das finanças do Grupo dos 7 para cancelar 130 bilhões de dólares de dívida para 36 países, sendo o Chade o mais recente em maio de 2015. Os países do G7 são Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos; adicionalmente, a União Europeia é um membro "não enumerado".

O cancelamento foi recebido com festa e resultou na redução da pobreza nos países africanos, mas os líderes religiosos argumentam que o "fardo paralisante de dívidas insustentáveis persiste" nos países, uma vez que os desafios dos sistemas financeiros internacionais e domésticos não foram abordados.

"À medida que nos aproximamos de um novo ano do Jubileu em 2025, essa promessa permanece não cumprida", disse Owaa, acrescentando que "os riscos dessa crise da dívida são muito maiores do que antes do último ano do Jubileu. ... Precisamos de grandes investimentos para salvar o planeta que sustenta a vida na África e em outros lugares, durante uma janela que está se fechando rapidamente".

Segundo analistas, em 2020, quando a pandemia de Covid-19 atingiu, houve uma redução das atividades econômicas ao mesmo tempo em que aumentaram os gastos do governo. Isso também desacelerou os investimentos dos governos em áreas-chave como educação, saúde e infraestrutura, além de piorar o fardo da dívida.

"Uma maneira de apoiar os países africanos é fornecer alívio da dívida, doações e empréstimos concessionais. Isso ajudaria a aliviar o fardo da dívida e permitiria que os países africanos investissem em áreas críticas como saúde, educação e desenvolvimento de infraestrutura", disse o Pe. Charles Chilufya, um padre que trabalha com a Conferência Jesuíta da África e Madagascar como diretor do Escritório de Justiça e Ecologia, durante as reuniões anuais de primavera dos conselhos dos presidentes do Banco Mundial e do FMI em abril.

"Além disso, abordar as causas fundamentais da crise da dívida, como a injusta arquitetura financeira global, corrupção e governança fraca, será fundamental para evitar uma recorrência da crise", acrescentou Chilufya.

Ao mesmo tempo, os líderes religiosos alertam que a corrupção dentro dos governos dos países africanos, levando ao mau uso dos fundos, tem agravado a crise da dívida.

"Para evitar ciclos recorrentes de dívida, nós, líderes religiosos, instamos os países a adotar leis e práticas que defendam empréstimos e empréstimos responsáveis", disse Owaa.

Os líderes estão se preparando para pedir aos chefes de Estado e ministros das finanças que participarão de reuniões internacionais importantes em setembro, bem como nas reuniões anuais do Banco Mundial e do FMI em Marrakech, Marrocos, em outubro, que tomem medidas que possam ajudar a África a lidar com suas crises.

Mas eles também querem que os governos africanos ajam contra a corrupção e o desvio de fundos públicos, para que as finanças públicas possam ser usadas para atender às necessidades dos cidadãos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos católicos e líderes religiosos apelam por alívio da dívida para ajudar países africanos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU