A destruição total de Gaza deve acabar. Editorial do National Catholic Reporter

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

12 Janeiro 2024

De acordo com o Instituto de Paz dos EUA, "as estatísticas são quase inimagináveis: 70.000 mortes de militares e policiais afegãos, 46.319 civis afegãos (embora isso seja provavelmente uma subestimativa significativa) e cerca de 53.000 combatentes da oposição mortos. Quase 67.000 outras pessoas foram mortas no Paquistão em relação à guerra afegã. Os custos no Iraque desde a invasão de 2003 são piores. Os números são menos precisos para civis iraquianos que morreram como resultado da invasão e das hostilidades em curso, mas as estimativas começam em mais de 280.000 e sobem, em pelo menos uma estimativa, para mais de 1 milhão.

A seguir, reproduzimos o editorial do National Catholic Reporter, 11-01-2024.

Eis o editorial.

A destruição total de Gaza e o assassinato indiscriminado de civis - jovens e velhos, mulheres e crianças - em número tão grande que as valas comuns se tornaram a norma, têm de acabar. A morte e destruição é uma resposta desproporcional ao ataque de 7 de outubro do Hamas; juntamo-nos ao coro crescente, incluindo o Papa Francisco, daqueles que pedem o fim da violência.

Qualquer declaração que conteste as táticas de Israel no conflito atual abre a porta para acusações de antissemitismo. Isso é compreensível, especialmente tendo em conta o atual clima altamente carregado, onde a complexidade da relação israelo-palestina é demasiadas vezes e demasiado rapidamente reduzida a um dualismo simplista que nada faz para esclarecer. Essa abordagem simplista é rapidamente subsumida nos rios de ódios que definem o problema.

Se alguém tem uma consideração genuína por Israel e amor pelo povo judeu, então o silêncio diante do que estamos testemunhando no dia a dia não é lealdade. Em vez disso, ignora o ideal central do próprio Israel e o que pretende representar para o resto do mundo.

Sabemos que qualquer consideração sobre a guerra Israel/Hamas não pode ter lugar isoladamente das realidades políticas e militares. O ataque imediato, a matança de cerca de 1.200 pessoas em Israel, além de estupros, esquartejamentos e corpos queimados, foram hediondos. A situação histórica, que alterna entre as preocupações com a segurança israelense e as severas restrições à população palestina, escapa à resolução há décadas.

Também entendemos que, como americanos, não podemos levantar objeções sem reconhecer que nossa própria resposta aos ataques terroristas de 11 de Setembro foi seguida por duas invasões que ficaram conhecidas como "guerras sem fim", resultando em carnificina impensável.

De acordo com o Instituto de Paz dos EUA, "as estatísticas são quase inimagináveis: 70.000 mortes de militares e policiais afegãos, 46.319 civis afegãos (embora isso seja provavelmente uma subestimação significativa) e cerca de 53.000 combatentes da oposição mortos. Quase 67.000 outras pessoas foram mortas no Paquistão em relação à guerra afegã.

Os custos no Iraque desde a invasão de 2003 são piores. Os números são menos precisos para civis iraquianos que morreram como resultado da invasão e das hostilidades em curso, mas as estimativas começam em mais de 280.000 e sobem, em pelo menos uma estimativa, para mais de 1 milhão.

Sabemos o custo da carnificina e do tesouro para a vingança desenfreada. A National Catholic Reporter se opôs fortemente a essas operações militares dos EUA por algumas das mesmas razões pelas quais agora nos opomos à devastação contínua e esmagadora de Gaza.

Como católicos, também sabemos que carregamos o fardo, ao levantar questões morais sobre a resposta de Israel ao ataque, do silêncio e, em alguns casos, da cumplicidade no horror inquantificável do Holocausto. Só podemos esperar que as repetidas declarações de nossos líderes de que somos todos irmãos (e irmãs) em Abraão sejam levadas a sério. Às vezes, os irmãos são forçados a ter conversas difíceis.

O que não sabemos – e admitimos isso plenamente – é como lidar com atacantes com intenção de aniquilação que estão do outro lado de uma fronteira invisível ou de um muro improvisado. Essa circunstância para alguns justifica a abordagem do "o que for preciso para eliminar" agora em curso. Essa mesma circunstância, no entanto, torna um argumento igualmente se não mais convincente para encontrar uma solução que não seja a destruição em massa de Gaza.

Tais fins são impossibilidades que só irão alimentar ainda mais o ódio e preencher as fileiras dos legalistas do Hamas. Eles também exigem um desrespeito intencional de certas partes da história de Israel ao longo de décadas em sua relação com os palestinos.

Em um sermão impressionante feito à sua congregação antes de 7 de outubro, o rabino Sharon Brous, de Los Angeles, fez esta advertência presciente sobre o tratamento dado por Israel aos palestinos: "Todos os diagnosticadores devem fazer um esforço sério para deixar de lado nossos vieses cognitivos e ver o que está verdadeiramente diante de nós, em vez do que nosso preconceito implícito nos orienta".

Para isso, o que ele viu foi: "56 anos de muitas pessoas permitindo que nosso próprio trauma e medo justificassem a negação de direitos básicos, dignidades e sonhos para milhões de palestinos que vivem sob o domínio israelense. Décadas justificando um status quo injustificável como a única resposta razoável aos fracassos e erros da liderança palestina e à violência dos extremistas palestinos".

Essa parte de seu sermão foi parte de uma conversa muitas vezes agonizante entre Brous e Ezra Klein, colunista e podcaster do New York Times e colega judeu americano que decidiu, em um podcast de 17 de novembro, puxar a cortina para trás e discutir essas coisas que "são difíceis de falar".

Por sua vez, Klein identificou três categorias de americanos e como eles pensam sobre Israel. Os americanos mais velhos, disse ele, veem Israel "como o refúgio para os judeus" que já foram pequenos e fracos, mas que resistiram em guerra contra vizinhos muito mais fortes.

A geração seguinte, onde ele se coloca, "só conheceu um Israel forte, um Israel que era sem dúvida o país mais forte da região, um Israel nuclear, um Israel apoiado pelo apoio militar e político inabalável dos Estados Unidos". Essa geração, disse ele, também conhecia Israel como "uma força de ocupação" que "impôs sua vontade aos palestinos". Esse conhecimento foi equilibrado, disse ele, por conhecer "um Israel que tinha um forte movimento de paz, onde o horror moral daquela ocupação era amplamente reconhecido". Houve um processo de paz que continuou, uma esperança que perseverou apesar de uma série de contratempos.

Essa visão está desatualizada, observa ele, com os americanos entre 18 e 29 anos. Uma pesquisa recente do Pew mostra que 56% dessa faixa etária tem uma visão desfavorável de Israel.

A posição especial de Israel no mundo está sob pressão crescente quanto mais a destruição durar. Sua estatura moral, a moeda mais preciosa da nação na arena internacional, é agora frequentemente questionada. As preocupações com o "o que vem a seguir?" precisarão considerar a enorme e persistente demonstração de oposição ao governo de direita de Netanyahu antes de 7 de outubro. Essa oposição, moderada durante este período de guerra, não desaparecerá.

Os EUA já recuaram em seu firme apoio a seu aliado mais próximo e mais ajudado no Oriente Médio. O secretário de Estado, Antony Blinken, está tentando evitar que a guerra se espalhe pela região, um pesadelo potencial com consequências impensáveis.

Abordamos este momento com cautela e prudência, porque o antissemitismo é real e perigoso. Mas o momento exige que não olhemos mais para o lado. Ecoando as palavras de Rabi Brous, não podemos mais ignorar "um status quo injustificável".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A destruição total de Gaza deve acabar. Editorial do National Catholic Reporter - Instituto Humanitas Unisinos - IHU