Gaza não complica apenas a Ucrânia. Artigo de Rafael Poch

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Novembro 2023

"O cenário de uma grande guerra regional com consequências imprevisíveis está montado."

O artigo é de Rafael Poch, jornalista espanhol, autor de livros sobre o fim da URSS, Rússia de Putin e China, publicado por CTXT, 10-11-2023.

Eis o artigo.

As coisas não iam bem no mundo com a Ucrânia e é aí que aparece Gaza. A famosa “contra-ofensiva” ucraniana, em condições de artilharia, ar e inferioridade numérica, já é reconhecida como um desastre até nos meios de comunicação ocidentais. O seu resultado prático, uma grande carnificina: dezenas de milhares de mortos, mutilados, órfãos e viúvas. 90.000 vítimas entre 4 de junho e setembro, segundo o presidente Putin. Mas o aparecimento do ainda mais terrível e ignominioso massacre israelense em Gaza complica tudo ainda mais para Kiev.

As dúvidas sobre a “rentabilidade” da ajuda dos EUA à Ucrânia em armas e dinheiro aumentaram em Washington. Pelo menos metade dos congressistas republicanos opõe-se à continuação do financiamento de um poço sem fundo, cuja motivação reconhecida, “esgotar a Rússia” com vista à mudança de regime em Moscou, revela-se ilusória. O regime russo não enfraqueceu, como nós próprios previmos erradamente em Fevereiro de 2022, mas, pelo contrário, fortaleceu-se. A Rússia é mais forte hoje do que naquela época. As sanções encorajaram uma grande reconversão industrial e geopolítica que parece estar a funcionar a todo vapor. As baixas russas, muito inferiores às ucranianas, mas também grandes, estão distribuídas geograficamente. Têm pouco impacto nas grandes cidades como Moscou e São Petersburgo, onde se concentram os setores mais pró-ocidentais da elite, e muito mais nas regiões pobres do país, a principal fonte de voluntários bem remunerados. O sistema de compensação por ferimentos de guerra ou morte parece funcionar e amortecer as consequências para a sociedade. A indústria da guerra funciona como uma locomotiva económica que impulsiona uma certa viragem keynesiana, e o próprio conflito torna irreversível a ruptura com o Ocidente e a abordagem “eurasiana” de Moscou em relação ao Leste e ao Sul Global. É verdade que também não há ofensiva russa na frente, mas apenas uma pressão lenta, sem expor demasiado as próprias tropas, mas avançando muito lentamente. Isto poderia ser considerado uma situação de impasse militar que desgasta ambos os lados, se não fosse o fato de o tempo estar a trabalhar para Moscou e a corroer a vontade ucraniana.

Na ausência de uma perspectiva mínima de que as coisas possam melhorar, a resistência numantina não tem sentido e, seja qual for a forma como a encaramos, a Ucrânia carece dessas perspectivas.

Em Washington está se espalhando a ideia de que não se pode fazer tudo. Ajudem a Ucrânia na Europa, ajudem Israel no Oriente Médio e preparem-se para uma possível guerra com a China no Leste Asiático. Se tivermos de escolher entre a Ucrânia e Israel, é claro que Israel vence, pelo que haverá menos munições e menos dinheiro para Kiev. É esse o quadro em que o governo ucraniano está a corroer-se.

Com o seu discurso Numantino, o Presidente Zelensky passou de superestrela a ator coadjuvante no entretenimento ocidental. Há maior realismo entre os comandantes do seu exército, com uma tensão e rivalidade crescentes e de longa data entre o presidente e o general Valery Zaluzhny, chefe das forças armadas e possível rival político. Desde a presidência, as entrevistas e artigos de Zaluzhny no The Economist sobre a situação real no campo de batalha foram desfigurados. Zelensky demitiu o chefe das forças especiais, general Viktor Jorenko, sem consultar Zaluzhny ou dar qualquer razão. Outro colaborador do chefe militar morreu esta semana enquanto abria, ou manuseava, um explosivo presente de aniversário, no que poderia ser um atentado. E outro ex-assessor presidencial, Aleksei (agora Oleksi) Arestovich, fixou residência na Suíça por razões de segurança, depois de aumentar o tom das suas críticas ao presidente. Ninguém se lembra quando, em junho, o conhecido e agora realista Arestovich previu a vitória da contra-ofensiva fracassada “em duas ou três semanas”. Agora esse personagem, um falante de russo com reputação entre os ucranianos de língua russa, insinua a sua possível candidatura presidencial numa eleição que Zelensky descarta... Em Kiev, chegou a hora das conspirações, e quem sabe se dos golpes de État? État que fazem algum tipo de acordo com dolorosas cessões territoriais à Rússia. Do jeito que está, só poderia ser um acordo extremamente desfavorável e sem Zelensky, porque o presidente da “vitória até que as fronteiras de 2014 sejam recuperadas” não poderia assumi-lo…

Além de tudo isso, Gaza aumenta enormemente a temperatura global. O ataque do Hamas em 7 de Outubro foi um desastre completo para Israel. A chave para a sua preparação longa e discreta foi o regresso à era pré-digital, com linhas de comunicação fechadas e sem que amigos no Líbano ou em Teerã tivessem conhecimento. Ninguém duvida que houve crueldade, vítimas civis e crimes de guerra. Mais um elo sangrento e indigno numa cadeia histórica de resistência justa e legítima, como as atrocidades contra civis da FLN na Argélia ou as dos índios no Extremo Oeste. Mas, a menos que sigamos a versão do exército israelense, o que aconteceu exatamente continua por esclarecer. As próprias vítimas israelenses e os edifícios queimados falam da intensidade do “fogo amigo” com armas pesadas que falta aos palestinos. Os atacantes disseram que não esperavam conseguir tanto. Parece que agiram “espontaneamente” e escaparam pela fresta da cerca. De que outra forma explicar que fizeram reféns tailandeses sem valor de troca para os trocar com os milhares de reféns que Israel mantém nas suas prisões? Tudo será conhecido, mas a humilhação do quarto ou quinto exército do mundo, dos seus sofisticados sistemas de escuta e informação, e dos seus políticos racistas e de extrema-direita para quem a Palestina era uma questão resolvida, tem sido enorme e é o ponto central fato.

Agora o que se trata é restaurar o medo dos árabes relativamente a Israel militarmente humilhado. O atual massacre cumpre essa função: restaurar o medo, devastando tudo e aproveitando a situação para acelerar a limpeza étnica mantida com intensidade variável desde 1948. No início de Novembro já tinham matado mais crianças palestinianas do que desde 1967. Na Cisjordânia, desde 7 de Outubro, o exército e os colonos armados, aos quais o Governo distribuiu 150 mil armas de fogo, mataram 136 palestinos, 43 dos quais crianças. O resultado para os palestinos é mais do que ambíguo, porque militarmente não podem vencer, como aconteceu com os rebeldes do gueto de Varsóvia. São decisões que, com certeza, só quem não tem mais nada a perder pode entender...

O tão aguardado discurso do líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, em 3 de Novembro, deixou claro que não abrirão uma segunda frente contra Israel na fronteira do Líbano motu proprio. A situação no Líbano é crítica e atrair a aviação israelense seria desastroso. Por enquanto, o Hezbollah está limitado a manter a tensão que obriga Israel a posicionar um terço do seu exército naquela fronteira, uma forma modesta de ajudar Gaza. Mas Nasrallah, que é um homem que mede as suas palavras, também disse “não vamos deixá-los aniquilar o Hamas”. Ele disse aos Estados Unidos, que enviou a sua frota para a região, para pensarem duas vezes antes de abençoarem a aniquilação de Gaza. O Irã, que beneficia da distensão com a Arábia Saudita e do apoio recebido da China, também enviou sinais claros de não querer uma guerra regional, o que também não é do interesse dos Estados Unidos. Mas depende muito de Israel. As suas autoridades estão mais libertas do que nunca na sua corrida louca. As coisas podem sair do controle. A um ano das eleições presidenciais e em meio a ameaças judiciais aos seus rivais políticos, Biden não pode ser exposto, ainda mais depois do desastre no Afeganistão.

Na Síria há ataques diários de aeronaves israelenses e combates envolvendo tropas norte-americanas. O Egito e a Jordânia rejeitam o plano israelense de transferir para eles os palestinos deportados. Mais preocupante para Israel poderá ser a atitude da Turquia... Toda a região está em brasa. Em qualquer caso, se uma segunda frente não for aberta na fronteira libanesa, Gaza e o Hamas podem ser literalmente aniquilados pelo rolo compressor militar israelense. Por outro lado, se essa frente se abrisse e eclodisse uma guerra regional, as suas consequências seriam imprevisíveis. O Irã e o Hezbollah têm capacidades de mísseis para responder com ataques à frota dos Estados Unidos, destruir as suas bases militares na região, perturbar o tráfego de petróleo no Estreito de Ormuz e causar grande destruição em cidades israelenses. Nesse caso, Israel poderia usar as suas armas nucleares contra o Irã. O menos importante é a ordem dos acontecimentos. O que conta é a cadeia potencial para a catástrofe. O assunto é sério.

Há pouco tempo não havia nada pior do que os perigos decorrentes da guerra na Ucrânia. Hoje, isso existe. Nunca, nem mesmo durante a Guerra Fria, vivemos tão perigosamente como vivemos agora.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Gaza não complica apenas a Ucrânia. Artigo de Rafael Poch - Instituto Humanitas Unisinos - IHU