Papa Francisco em Marselha: no meio de uma crise migratória, uma visita muito política

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Setembro 2023

O soberano pontífice insistiu no fato de vir “não para França”, mas para a cidade de Marselha, onde chega esta sexta-feira.

A reportagem é de Jean-Marie Guénois, publicada por Le Figaro, 23-09-2023.

Francisco é esperado nesta sexta-feira em Marselha para o que parece ser uma visita “verdadeiramente falsa” do papa à França. Esta viagem de ida e volta à Provença – mas “não à França”, insistiu Francisco – será a mais atípica das 44 viagens do seu pontificado. Pois nenhuma outra nação o Papa se envolveu em tal contorção para justificar o fato de passar por uma metrópole francesa sem vir “para França”. No entanto, visitou 59 países... O nosso, para onde se desloca pela segunda vez após a sua visita expressa ao Parlamento Europeu, em Estrasburgo, em novembro de 2014, não está incluído na contagem das suas visitas oficiais de Estado. A sua rápida viagem à Alsácia foi uma viagem de ida e volta de menos de oito horas, relógio na mão: tendo partido de manhã cedo, Francisco já estava em Roma ao início da tarde, depois de almoçar… no avião.

Na véspera da sua partida para Marselha, uma fonte interna, com longa experiência e muito informada nos bastidores do Vaticano, afirmou que Francisco “odeia a França”, em particular pelo seu passado “como nação colonizadora”. Como a política papal não pode ser baseada em humores e muito menos em rumores, Le Figaro fez a pergunta a Francisco diretamente no avião que regressava da Jornada Mundial da Juventude de Lisboa para Portugal, em 6 de agosto. Ao recusar-se a visitá-la oficialmente, o papa tinha “algo contra a França?” “Não!”, Francisco respondeu imediatamente com um grande sorriso, antes de explicar a sua “política” de viagens: “Visito pequenos países europeus. Os países grandes, deixo para depois, no fim”. Francisco, que fará 87 anos em dezembro, nunca escondeu a sua devoção pessoal a Santa Teresinha do Menino Jesus. Quem sabe se ele pensa em vir um dia para Lisieux? Em 15-08-2004, oito meses antes de sua morte, João Paulo II rezou em frente à gruta de Lourdes. Foi a sua 104ª e última viagem, a sétima à França.

“O Mediterrâneo é um cemitério, mas não é o maior cemitério” – Francisco justificou a sua viagem à cidade com a sua participação num congresso eclesial sobre o Mediterrâneo: “O problema do Mediterrâneo é um problema que me preocupa. É por isso que estou indo para a França. É criminoso explorar migrantes. Não na Europa porque somos mais civilizados, mas nos acampamentos do Norte de África onde os migrantes são mantidos. Concluiu: “Os bispos do Mediterrâneo estão se reunindo com os políticos para refletir seriamente sobre esta tragédia dos migrantes. O Mediterrâneo é um cemitério, mas não é o maior cemitério. O maior cemitério fica no Norte da África. Vou para Marselha para isso”.

Francisco chega a Marselha num contexto de crise na ilha de Lampedusa, exposta a uma chegada massiva de migrantes. Através do seu ministro do Interior, Gérald Darmanin, a França anunciou na terça-feira que não acolheria “nenhum migrante de Lampedusa”. Esta ilha italiana, localizada entre a Tunísia e a Sicília, está perto do coração do Papa Francisco. Foi o destino da sua primeira viagem papal em julho de 2013. Ali denunciou a “globalização da indiferença” face às mortes de migrantes no Mediterrâneo. Ele deverá proferir espiritualmente este mesmo grito esta sexta-feira, ao final da tarde, em frente ao Monumento aos Heróis e Vítimas do Mar, em Marselha, na companhia de líderes de outras religiões e de associações de ajuda aos migrantes. Francisco deveria expressar este apelo à consciência de uma forma política e geopolítica na manhã de sábado, durante os “Encontros Mediterrânicos” no Palais du Pharo. Ele falará diante de cerca de 60 bispos e 70 jovens de países do Mediterrâneo. Ao início da manhã também terá encontrado pessoas da periferia, perto da estação de Saint-Charles, um passo acrescentado de última hora.

Na verdade, a primeira versão do programa desta visita, revelada na primavera, deveria limitar-se à questão da migração. Inicialmente, esta viagem decorreu nos moldes da de Estrasburgo: chegando na manhã de sábado a Marselha, o Sumo Pontífice proferiria o seu discurso nos “Encontros do Mediterrâneo” antes de partir ao início da tarde para Roma. Foi necessária toda a persuasão do cardeal Jean-Marc Aveline para que Francisco finalmente concordasse em presidir uma missa no Stade-Vélodrome, na tarde de sábado, onde são esperados cerca de 60 mil fiéis. Da mesma forma, não teria se encontrado com os padres e religiosos de Marselha, como fez assim que descer do avião, na sexta-feira, em Notre-Dame-de-la-Garde. A introdução do aspecto religioso na segunda versão do programa dá a esta visita papal “real-falsa” à França semelhanças com o padrão habitual de viagens pontifícias. A polêmica visita do casal Macron à missa papal tem como objetivo final um caráter político, que aproxima esta visita atípica de uma visita oficial, sem o ser. Este último desenvolvimento no programa papal não partiu do cardeal Aveline, mas de Emmanuel Macron.

Se não conseguisse tudo o que queria – haveria um plano para um jantar em homenagem a Francisco na sexta-feira à noite em Marselha, o que nunca se faz para um papa – o presidente da República conseguiu marcar uma curta hora de reunião, cara a cara, no fim da manhã de sábado, com fotos, câmeras e troca formal de presentes como se fosse uma visita oficial. Um encontro que virou tudo de cabeça para baixo, obrigando o Papa a chegar a Marselha na véspera. Ele aceitou isto de boa vontade, mesmo que o Vaticano esteja cauteloso, por experiência e por princípio, relativamente à possível recuperação, por parte dos chefes de Estado, da presença de um papa no seu país. Francisco, como homem livre, odeia acima de tudo ser explorado, na Santa Sé como em qualquer outro lugar. Esta é uma das razões da sua recusa em visitar, por enquanto, a França.

Por outro lado, a surpresa, vista de Roma, foi saber – sem julgamento do Vaticano porque esta é uma prática comum durante as viagens – que o casal presidencial assistiria à missa papal. O anúncio muito tardio criou obviamente uma controvérsia secular na França. Ela também colocou uma questão para a maioria dos católicos: muitos, como Francisco, se opõem à legislação que abriria o direito de decidir sobre a própria morte. Esta visita oficial “real-falsa” do Papa à França revive assim dois debates políticos cruciais em França: imigração e eutanásia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco em Marselha: no meio de uma crise migratória, uma visita muito política - Instituto Humanitas Unisinos - IHU