Antes da viagem a Marselha, a mensagem pró-migrantes do Papa Francisco acende o debate

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Setembro 2023

Em 2013, o Papa Francisco fez a sua primeira viagem fora de Roma, à pequena ilha italiana de Lampedusa, para destacar o que chamou de “indiferença globalizada” para com os migrantes. Dez anos depois, enquanto viaja para Marselha, França, neste fim de semana – naquela que será a sua 44ª visita ao estrangeiro – Lampedusa provavelmente ainda estará na sua mente.

A reportagem é de Christopher White, publicada por National Catholic Reporter, 21-09-2023.

No início deste mês, cerca de 8.500 migrantes do Norte de África chegaram às costas de Lampedusa – mais do que toda a população da ilha – em apenas três dias. Em resposta, a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, apelou a uma “mudança de paradigma” na forma como a Europa aborda a migração. E a vizinha França disse que não acolheria nenhum dos recém-chegados.

Parte do problema, segundo políticos de extrema direita: Papa Francisco. Francisco, que é considerado um defensor global dos migrantes, fará uma breve visita noturna à cidade portuária francesa de Marselha, de 22 a 23 de setembro, para participar de um encontro de jovens e bispos católicos de mais de 30 países da região do Mediterrâneo.

Espera-se que um apelo para acolher e integrar os recém-chegados esteja no topo da agenda do papa – e no contexto dos acontecimentos recentes, tanto a mensagem como o mensageiro já estão a desencadear um debate acirrado.

Marion Maréchal-Le Pen, uma política francesa que é neta do fundador da Frente Nacional anti-imigrante, Jean-Marie Le Pen, e sobrinha da sua atual líder, Marine Le Pen, já emitiu um aviso contundente: o papa “não tem nada a ver com política” e ser da América do Sul significa que ele “não entende completamente o que estamos enfrentando”.

Segundo Céline Béraud, diretora de estudos do Centro de Estudos em Ciências Sociais da Religião, “a imigração é uma questão muito delicada na França”.

“A mensagem pró-imigração de Francisco corre o risco de dividir a opinião pública francesa em geral, e a opinião pública católica em particular”, disse ela ao NCR antes da chegada do papa ao país.

Béraud disse que desde o início da década de 2010, tem havido uma "aproximação crescente" entre muitos católicos conservadores e a extrema direita, como a dinastia política Le Pen e Éric Zemmour, outro importante político nacionalista e ex-candidato presidencial.

Em contraste, observou ela, alguns dos principais grupos do país que prestam ajuda aos migrantes são agências geridas por católicos.

“Esses católicos estão totalmente alinhados com Francisco”, acrescentou ela.

O Bispo Matthieu Rougé, de Nanterre, França, fez uma avaliação semelhante, dizendo que a questão da migração dividiu a opinião francesa – suscitando receios de ser sobrecarregado por estrangeiros e de não ter as capacidades económicas e sociais para integrar os migrantes na sociedade francesa.

“Mas também há muita generosidade trabalhando no terreno, graças em particular às associações cristãs”, disse ele ao NCR. “As palavras fortes do Papa Francisco sobre este assunto são essenciais para garantir que as necessidades humanitárias nunca sejam sacrificadas apenas ao pragmatismo económico”. Desde que a visita a Marselha foi anunciada pela primeira vez, o Papa enquadrou a viagem de uma forma particular, declarando: “Irei a Marselha, mas não a França” – um aceno ao seu desejo geral de evitar visitar grandes nações europeias e, em vez disso, concentrando sua atenção em países menores ou em lugares nunca antes visitados pelos papas.

Mas o encontro mediterrânico sobre a migração, o terceiro do gênero e o primeiro a ter lugar em França, sempre esteve no coração do papa e o cardeal de Marselha, Jean-Marc Aveline, desempenhou um papel crucial ao convencer o papa a fazer a viagem. Aveline, que nasceu na Argélia e se mudou para Marselha ainda criança, tem andado na linha tênue ao expressar o seu apoio aos recém-chegados e fornecer recursos para apoiar a sua retórica, ao mesmo tempo que evita politizar a questão e sublinha que os países de ambos os lados da o Mediterrâneo, tanto na Europa como em África, deve assumir a responsabilidade pelos migrantes. Marselha, disse ele numa entrevista recente, oferece um “microcosmo altamente cosmopolita” para uma série de questões relacionadas com a migração, incluindo a pobreza, a educação, as alterações climáticas e o diálogo inter-religioso.

O objetivo da reunião desta semana – e da visita do Papa – disse ele, é abordar todas as questões em conjunto.

Além de oferecer os comentários finais para a cimeira do Mediterrâneo, Francisco participará num serviço de oração com o clero local, reunir-se-á com organizações que prestam apoio na linha da frente aos migrantes e refugiados, realizará uma reunião privada com o presidente francês Emmanuel Macron e celebrará uma missa no estádio popular Vélodrome de Marselha.

Durante uma coletiva de imprensa em 19 de setembro, o porta-voz do Vaticano, Matteo Bruno, enfatizou o caráter histórico da cidade como um "caldeirão cultural", que remonta a ser uma colônia grega em 600 a.C., que desde então foi colonizada por romanos, bárbaros e árabes, entre eles. outros.

A França é historicamente considerada “a filha mais velha da Igreja”, mas nas últimas décadas tem vivido uma tremenda secularização. Rougé disse que a chegada do papa a Marselha é particularmente oportuna, dado que a cidade tem sido a “porta histórica para o cristianismo no nosso país desde o século III”.

Embora possa haver tensões dentro do país e da Igreja, o bispo disse que é importante lembrar que mais de 45 mil jovens franceses viajaram para Portugal no mês passado para estar com o papa na Jornada Mundial da Juventude – tornando-se a terceira maior delegação lá – e que as dioceses francesas têm estado ativamente envolvidas na colaboração sinodal e empenhadas em outras formas de criatividade pastoral.

“Tudo isto nos torna abertos às palavras do Papa Francisco”, disse ele, “que esperamos que nos encorajem a dar maior testemunho da 'alegria do Evangelho'."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Antes da viagem a Marselha, a mensagem pró-migrantes do Papa Francisco acende o debate - Instituto Humanitas Unisinos - IHU