Os críticos conservadores do Sínodo e de Francisco estão se envergonhando

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Setembro 2023

"A lista demonstra algo que tem sido óbvio há algum tempo: a oposição a Francisco está localizada principalmente na Anglosfera e evidencia toda a atitude defensiva que surgiu entre alguns católicos que cresceram numa cultura não-católica. Há outros, como Sandro Magister, mas a maior parte das citações a opiniões e críticas são de falantes de inglês", escreve Michael Sean Winters, jornalista e escritor, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 18-09-2023.

Eis o artigo.

Nas chancelarias e reitorias de todo o país, O Processo Sinodal é uma Caixa de Pandora: 100 Perguntas e Respostas, está chegando com o objetivo óbvio de tentar minar o processo sinodal iniciado pelo Papa Francisco. Fiquei surpreso que eles não pararam no número 95 e pregaram o texto nas portas da Basílica de São Pedro.

Meu colega Christopher White, correspondente do NCR no Vaticano, explicou a origem do volume na segunda-feira. O livro é publicado pela Tradição, Família e Propriedade, grupo reacionário que começou no Brasil em 1960, e se destacou pela oposição ao Vaticano II e afinidade com juntas de direita.

Não é de surpreender que os autores tenham conseguido avançar com uma pérola para o volume do cardeal americano Raymond Burke, uma figura tragicômica na igreja de hoje, envolto em seda aguada e com nostalgia melancólica por uma igreja que nunca existiu fora de sua imaginação.

Embora dois membros da Tradição, Família e Propriedade sejam listados como autores, a maior parte do livro consiste em grande parte em citações de outros:

  • Pe. Michael Nazir-Ali, ex-bispo anglicano de Rochester, Inglaterra, e agora padre católico.

  • Gavin Ashenden, também ex-clérigo anglicano.

  • Edward Pentin, correspondente do Vaticano para o National Catholic Register da EWTN.

  • Pe. Gerald Murray, sacerdote da Arquidiocese de Nova York que é convidado regular no programa “The World Over with Raymond Arroyo” da EWTN.

  • Jayd Henricks, ex-lobista de topo da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA e agora diretor do grupo Clérigos Católicos e Leigos pela Renovação, que explora dados de telefonia móvel para enganar padres que utilizam websites moralmente problemáticos.

  • Carl Olson, editor do Catholic World Report, publicado pela conservadora Ignatius Press.

  • Dom Robert Mutsaerts, auxiliar da diocese holandesa de 's-Hertogenbosch' que já renunciou à maior parte das suas funções administrativas devido a divergências com o seu Ordinário.

A lista demonstra algo que tem sido óbvio há algum tempo: a oposição a Francisco está localizada principalmente na Anglosfera e evidencia toda a atitude defensiva que surgiu entre alguns católicos que cresceram numa cultura não católica. Há outros, como Sandro Magister, mas a maior parte das citações a opiniões e críticas são de falantes de inglês.

Não sou um estudioso, e não pretendo sê-lo, mas também vale a pena notar que nenhum dos homens citados se destacou por qualquer especialização em teologia católica.

Amo os convertidos tanto quanto qualquer pessoa, mas admito que acho estranho que Nazir-Ali e Ashenden pudessem viver a maior parte de suas vidas adultas fora da comunhão com o bispo de Roma, aceitando promoções e preferencias em comunhão com uma eclesiologia muito diferente, depois nadarão no Tibre e se declararão mais católicos que o papa.

Pentin e Murray são típicos cúmplices da EWTN para um tipo peculiar de cristianismo conservador, e o jornal online de Olson é seguramente reacionário. Não sei nada sobre Mutsaerts, exceto que a sua devoção aos ritos litúrgicos tridentinos parece tê-lo colocado em oposição a Francisco.

O que o livro diz? Em uma palavra, um absurdo. Em uma frase, bobagem datada.

Pergunta: “Pode um Papa ou Sínodo dos Bispos mudar a doutrina ou as estruturas da Igreja Católica?” E a resposta poderia ter sido escrita em 1870. "Não. Nem o Papa, o Sínodo dos Bispos, nem qualquer outro órgão eclesiástico ou secular tem autoridade para mudar a doutrina ou as estruturas da Igreja, estabelecidas e confiadas em depósito por sua divina Fundador". A citação que se segue é do Concílio Vaticano I.

Agora, eu amo o Concílio Vaticano I tanto quanto qualquer outro católico, e gostei especialmente de revisar o livro magistral do falecido John Quinn, Reverenciado e Injuriado: Um Reexame do Concílio Vaticano I. Mas, a menos que estejamos familiarizados com o fermento ideológico da época, é difícil recortar, copiar e colar uma citação do Vaticano I e inseri-la numa discussão sobre a Igreja no século XXI sem violentar a história e a teologia.

Às vezes, o problema não é uma perturbação histórica, mas uma incapacidade de assumir a boa fé do papa, combinada com uma necessidade bizarra de expor os próprios receios do autor. Por exemplo, coloca-se a questão: "O que está por trás da proposta de 'inclusão'?" O texto cita Ashenden:

O truque das palavras é facilmente explicado. A associação com ser excluído é não ser amado. Visto que Deus é amor, ele obviamente não quer que ninguém se sinta mal amado e, portanto, excluído; logo, Deus, que é Amor, deve ser a favor da inclusão radical. Consequentemente, a linguagem do inferno e do julgamento no Novo Testamento deve ser alguma forma de hipérbole aberrante que não deve ser levada a sério, porque a ideia de Deus como amor inclusivo tem precedência. E como esses dois conceitos são mutuamente contraditórios, um deles tem que ser eliminado. A inclusão fica, o julgamento e o inferno vão. O que é outra maneira de dizer: “Jesus vai e Marx fica”.

Isto é então aplicado para derrubar todo o ensinamento dogmático e ético da Igreja.

Uau. Suponho que esta seja uma forma de interpretar os documentos preparatórios. Para mim, o apelo à inclusão significava apenas que não deveríamos colocar obstáculos desnecessários à porta da igreja.

Algumas perguntas são tão indutoras, até mesmo passivo-agressivas, que você não precisa esperar pela resposta. Por exemplo: "24. Os promotores sinodais distinguem entre o papel ativo do Magistério e o papel passivo dos fiéis no desenvolvimento orgânico do depósito da fé?" e "59. Existem segundas intenções por trás do Synodaler Weg?" Estes são o equivalente eclesial de um pai ofendido perguntando a um filho adolescente: “Então, é isso que estamos vestindo hoje?”

Existe a preocupação de que os prelados que levantam questões difíceis de boa fé sejam punidos por perturbarem as consciências gentis dos trogloditas.

“Por exemplo, é impressionante a ausência de qualquer reprimenda das autoridades do Vaticano ao Cardeal Robert McElroy pelo seu escandaloso artigo na revista jesuíta America”, afirma o livro. “Por sua vez, o cardeal [Jean-Claude] Hollerich foi confirmado no papel decisivo de relator geral do Sínodo, mesmo depois de suas declarações escandalosas sobre a necessidade de mudar o magistério da Igreja sobre a homossexualidade”. Agora, discordei de partes do artigo de McElroy sobre a América e acho que Hollerich não reconhece quão difícil será mudar o ensinamento da Igreja sobre a homossexualidade. Mas "escandaloso"? Parece-me que estes oponentes do Sínodo se escandalizam facilmente. Não está claro por que a homossexualidade parece ser geralmente a fonte dos seus medos mais fervorosos.

É um pouco surpreendente que os autores tenham recorrido à mitologia grega para o título desta obra. Evidentemente, eles não conseguiram encontrar nada nas Sagradas Escrituras nem nos ensinamentos magisteriais que resumisse seus medos. É algo digno de nota.

Este ataque profilático e do tamanho de um livro ao Sínodo não está sozinho. Na Cultura Católica, Phil Lawler soou o alarme e de forma semelhante. Eis como ele introduz um experimento mental: “Imagine que de alguma forma um herege declarado ganhou a eleição para o papado”. Isto e o que se segue não têm nenhuma semelhança com nada que Francisco tenha feito ou planeje fazer.

A coluna de Lawler, assim como o livro Tradição, Família e Propriedade, pretende paralisar o Sínodo. Eles não têm vergonha de lançar calúnias sobre o Santo Padre e seu caráter para fazê-lo. Estes críticos deveriam lembrar-se do Cânon 1373: “Quem incitar publicamente o ódio ou a animosidade contra a Sé Apostólica ou o Ordinário por causa de algum ato de ofício ou dever eclesiástico, ou que provocar desobediência contra eles, será punido com interdito ou outras penas justas.”

O Sínodo poderia abortar? Espero que não. E eu não acho que isso acontecerá. Francisco não teve medo de recusar a recomendação do Sínodo da Amazónia de ordenar homens mais velhos de virtude comprovada, os viri probati, porque a proposta obteve a maioria, mas não refletiu um consenso sinodal. Não vejo nada em nenhum dos seus escritos que sugira que Francisco esteja a planear derrubar as nossas doutrinas fundamentais.

Se a Igreja se tornar mais evangélica e menos rígida, mais engajada e menos desligada, isso não será bom, não importa o que o processo sinodal determine sobre qualquer questão específica? Estas alegações preliminares, no entanto, não estão a ser divulgadas porque os autores pensam que a sinodalidade irá falhar. Eles estão com medo de que isso tenha sucesso. Estes extremistas de direita estão a reconhecer que a maioria dos católicos ama Francisco, mesmo na Anglosfera. Eles sabem, no fundo, que as pessoas não ficam confusas com a sua fixação na terna misericórdia de Deus. Eles sabem, no fundo, que nenhum de nós deve julgar os nossos irmãos e irmãs que lutam. Eles sabem que quando a liderança é menos remota, é menos provável que ocorram crimes horríveis, como o encobrimento de abusos sexuais do clero.

Eles estão chateados porque são o tipo de pessoa que só fica feliz quando está chateado, apenas contente quando despreza os outros, caçadores de heresia que perscrutaram o mundo durante tanto tempo com apenas um tipo de lente, que não conseguem mais distinguir a realidade dos seus óculos. Eles são Javert e se ressentem de qualquer um que atrapalhe sua busca por um senso distorcido de retribuição divina. Eles não devem ser ouvidos, mas sim dignos de pena.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os críticos conservadores do Sínodo e de Francisco estão se envergonhando - Instituto Humanitas Unisinos - IHU