Burke afirma que o Sínodo do Papa promoverá “confusão, erro e divisão”

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Agosto 2023

No prefácio para um novo livreto escrito por um grupo conservador crítico do iminente Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, o cardeal americano Raymond Burke rebateu o processo em torno do evento, chamando-o de profundamente prejudicial e potencialmente cismático.

A reportagem é de Elise Ann Allen, publicada por Crux, 23-08-2023.

Burke, um herói da ala tradicionalista da Igreja Católica, tem sido um crítico frequente de Francisco.

Em seu prefácio, Burke escreve que o livreto aborda “uma situação muito séria na Igreja hoje”, que, segundo ele, “corretamente diz respeito a todos os católicos atenciosos e pessoas de boa vontade que observam o dano evidente e grave que está infligindo” aos membros da Igreja.

“É-nos dito que a Igreja que professamos, em comunhão com os nossos antepassados ​​na fé desde o tempo dos Apóstolos, como Una, Santa, Católica e Apostólica, deve agora ser definida pela sinodalidade, um termo que não tem história na doutrina da Igreja e para o qual não existe uma definição razoável”, escreve o prelado. Tanto o termo sinodalidade quanto seu adjetivo sinodal, para ele, “tornaram-se slogans por trás dos quais uma revolução está em ação para mudar radicalmente a autocompreensão da Igreja, de acordo com uma ideologia contemporânea que nega muito do que a Igreja sempre ensinou e tem praticado”.

Intitulado “O processo sinodal é uma caixa de pandora: 100 perguntas e respostas”, de José Antonio Ureta e Julio Loredo de Izcue, o livreto é uma iniciativa da conservadora Sociedade Americana para a Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que também criticou repetidamente o Papa Francisco.

O livreto de 100 páginas foi publicado em vários idiomas, incluindo inglês, espanhol e italiano, na terça-feira, 22 de agosto, menos de dois meses antes do início do sínodo, e inclui respostas a perguntas que insistem em que a doutrina católica não pode ser alterada, sugerindo que o atual Sínodo da Sinodalidade está implementando em nível universal as mesmas ideias do recém-concluído processo sinodal nacional alemão, chamado “Caminho Sinodal”.

O Caminho Sinodal alemão foi lançado em 2019 como uma resposta à crise de abuso clerical na Alemanha com o objetivo declarado de dar aos leigos papéis mais proeminentes no comando da Igreja.

No entanto, o processo rapidamente se desviou e virou contencioso devido aos apelos diretos dos líderes no debate, incluindo leigos e bispos, para que as mulheres fossem ordenadas sacerdotes e para que os padres administrassem bênçãos a casais homossexuais. Também foram feitas propostas para acabar com o celibato sacerdotal obrigatório, permitindo que padres de rito latino se casem e aprovem o casamento entre pessoas do mesmo sexo, bem como para permitir que mulheres administrem batismos e que leigos participem da eleição de seus bispos. O processo também propôs a formação com novas estruturas sinodais formadas por leigos e bispos visando uma liderança colaborativa, o que atraiu críticas do Vaticano sobre o potencial do órgão para substituir a conferência nacional dos bispos.

Os bispos alemães aparentemente ignoraram as advertências vaticanas e, desde o verão passado, estão em contínua comunicação com o Vaticano sobre o Caminho Sinodal e suas propostas. O Vaticano anunciou recentemente que este processo de diálogo com os bispos alemães continuará através de reuniões regulares em Roma.

No prefácio, Burke ecoa preocupações de que o Sínodo da Sinodalidade está seguindo o mesmo caminho que os alemães, dizendo que a preocupação em torno do sínodo “não é uma questão puramente teórica, pois a ideologia já foi, por alguns anos, colocada em prática na Igreja na Alemanha”. Ele afirma que esse processo “descontroladamente” espalhou “confusão e erro e seus frutos, divisão – na verdade cisma – para o grave dano de muitas almas. (...) Com o iminente Sínodo sobre a Sinodalidade, é de se temer com razão que a mesma confusão, erro e divisão se abaterá sobre a Igreja universal. Na verdade, já começou a acontecer através da preparação do Sínodo em nível local”, lê-se no texto publicado.

Burke insiste ainda que somente a verdade de Cristo, conforme transmitida “na doutrina e disciplina imutáveis ​​da Igreja, pode resolver eficazmente a situação, descobrindo a ideologia em ação, corrigindo a confusão, o erro e a divisão mortais que ela está propagando, e inspirando os membros da Igreja a empreender a verdadeira reforma”. Esta reforma, segundo ele, vem da conversão diária à Cristo, que ele disse estar “vivo para nós no ensinamento da Igreja, na sua oração e adoração”, bem como na prática da virtude e da disciplina.

Formalmente inaugurado pelo Papa Francisco em outubro de 2021, o Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade é oficialmente intitulado “Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação, Missão” e é um processo de várias etapas que culminará em dois encontros sediados em Roma em outubro de 2023 e outubro de 2024.

Após uma consulta inicial com leigos em nível diocesano, relatórios resumindo as conclusões foram enviados às conferências episcopais nacionais. Esses relatórios serviram de base para discussão na segunda fase continental do processo. A etapa continental foi concluída no início deste ano, e os relatórios de cada uma das sete assembleias continentais foram usados ​​como base para redigir o documento de trabalho oficial, chamado Instrumentum Laboris, para a discussão em outubro em Roma a nível universal. De 4 a 29 de outubro, bispos e delegados selecionados, incluindo leigos, se reunirão em Roma para a primeira de uma discussão em duas partes, que será encerrada com um encontro semelhante em outubro de 2024.

Espera-se que os encontros abordem várias questões polêmicas, incluindo o papel das mulheres e a possibilidade de reinstituir o diaconato feminino, bem como os apelos à ordenação sacerdotal delas. Outras questões como o tratamento e acolhimento de católicos LGBTQ e católicos divorciados e recasados, ​​e a crise dos abusos sexuais clericais, também serão discutidas.

No prefácio, Burke declara que o livreto “lança a luz de Cristo, a verdade de Cristo, sobre a atual situação mais preocupante da Igreja. O estudo das perguntas e respostas ajudará os católicos sinceros a serem 'colaboradores na verdade' de Cristo, como todos os membros da Igreja são chamados a ser, e assim agentes da renovação da Igreja em nosso tempo, fiéis a a Tradição Apostólica”, diz.

Ele agradeceu aos que trabalharam para formular as perguntas e respostas, chamando as perguntas de “apropriadas” e as respostas de “portadoras de autoridade”.

“É minha esperança que o fruto deste trabalho esteja disponível aos católicos do mundo todo para a edificação da Igreja”, conclui Burke, pedindo que a Virgem Maria interceda para que “o grave dano que atualmente ameaça a Igreja seja evitado”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Burke afirma que o Sínodo do Papa promoverá “confusão, erro e divisão” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU