Por que o Sínodo sobre a Sinodalidade é confuso aos católicos americanos. Artigo de Thomas Reese

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Junho 2023

"Se um americano estivesse encarregado de dirigir o sínodo do papa, seria muito diferente", escreve Thomas Reese, ex-editor-chefe da revista America, dos jesuítas dos Estados Unidos, de 1998 a 2005, e autor de “O Vaticano por dentro” (Edusc, 1998), em artigo publicado por Religion News Service, 26-06-2023.

Eis o artigo.

Quase dois anos após o início do Sínodo da Sinodalidade, o esforço global do Papa Francisco para ouvir o que os católicos pensam sobre sua igreja, a maioria dos católicos americanos ainda a acha ininteligível, desde seu nome aparentemente circular até seus objetivos e metodologia. Se um americano estivesse encarregado de dirigir o sínodo do papa, seria muito diferente.

Os americanos começariam perguntando: “Quais são os principais problemas enfrentados pela Igreja Católica?” Para responder a essa pergunta, eles usariam pesquisas de opinião pública, grupos focais, consulta a especialistas e uma análise das mídias tradicionais e sociais.

Os resultados mostrariam quedas na frequência à igreja, na prática sacramental (batismos e casamentos), no respeito ao clero, no número de vocações religiosas e sacerdotais e no número de pessoas que se denominam católicas. Descobriria que os católicos estão zangados com o abuso sexual e seu encobrimento, e que as mulheres estão cansadas de serem cidadãs de segunda classe. Uma em cada 3 pessoas criadas como católicas deixou a Igreja, e o fazem ainda muito jovens.

Se os economistas estivessem estudando a Igreja, descobririam que os clientes estão ficando longe, a força de trabalho está envelhecendo e diminuindo, a marca foi manchada por escândalos e seus produtos não são mais procurados. Se a Igreja estivesse na bolsa de valores, seu valor teria despencado e ninguém investiria nela.

Depois de analisar os problemas, os americanos começariam a trabalhar tentando encontrar soluções. Forças-tarefa seriam formadas para lidar com cada problema; especialistas seriam consultados; e as soluções seriam testadas no mercado para ver o que funciona. Mas, para os americanos, o processo é menos importante do que as soluções. O sucesso é mais importante do que a teoria.

Não é assim que a Igreja Católica funciona. Muitos nela preferem culpar o mundo por seus problemas, em vez de passar por um autoexame completo. Secularismo, consumismo, liberalismo, anticlericalismo, capitalismo e outros “ismos” são explicações fáceis para as
falhas da Igreja. Os clérigos também veem o fracasso de maneira diferente dos cientistas. Se um cientista tem uma teoria que não se encaixa no mundo, ele revisará sua teoria. Se um clérigo tem uma teologia que não se ajusta ao mundo, então o mundo deve mudar.

Essa abordagem ideológica da realidade permite que os clérigos ignorem os dados para continuar fazendo as mesmas coisas de sempre. Como o reverendo Andrew Greeley, eminente sociólogo católico, apontou décadas atrás: os clérigos têm pouco treinamento ou respeito pelas ciências sociais. Todas as respostas serão encontradas na teologia; dados podem ser ignorados.

A abordagem sinodal de Francisco rompe com essa tradição ideológica. Talvez por ter sido treinado como cientista, ele abomina a ideologia tanto da direita quanto da esquerda.

Seu entusiasmo em consultar os fiéis confunde os tradicionalistas, que acreditam que a Igreja já tem todas as respostas. Eles não entendem como ele pode abrir para discussão questões que os papas João Paulo II e Bento XVI disseram estarem encerradas. Mas sua disposição de consultar os fiéis também confunde os progressistas, porque eles a equiparam à democracia, que estipula que vence quem tiver mais votos.

O que mais confunde os americanos é que, para Francisco, o processo pode ser mais importante do que os resultados. A viagem pode ser mais importante que o destino. Para Francisco, a sinodalidade é uma experiência espiritual. É uma maneira de experimentar o Espírito como uma comunidade de discernimento. É um modo de ser a comunidade dos discípulos de Cristo. É ser Igreja.

"Ao ouvirmos atentamente as experiências vividas uns dos outros", explica o documento de trabalho do sínodo, Instrumentum Laboris, divulgado na terça-feira (20 de junho), “crescemos no respeito mútuo e começamos a discernir os movimentos do Espírito de Deus na vida dos outros e na nossa. Desta forma, tornamo-nos uma Igreja cada vez mais capaz de tomar decisões proféticas que são fruto da orientação do Espírito”. 

Ser sínodo, fazer sínodo, ou seja, é mais importante do que as decisões que sairão do sínodo. Se o sínodo tomasse decisões (mesmo corretas), mas as tomasse de maneira errada, na cabeça de Francisco, o sínodo seria um fracasso. O destino foi alcançado, mas a viagem foi um fracasso. Isso é um absurdo absoluto para os americanos orientados para resultados. O que importa para nós são as decisões que o sínodo toma. As mulheres podem se tornar diáconas ou sacerdotes? Pessoas casadas podem se tornar padres? Os regulamentos sobre abuso sexual serão fortalecidos e aplicados? Os casais gays serão abençoados? A missa tradicional em latim será suprimida ou expandida? Os altos cargos do Vaticano (prefeitos e núncios) serão abertos a leigos e mulheres? Os leigos terão um papel de tomada de decisão na Igreja? O ensino católico sobre sexo e gênero será atualizado? Para Francisco, é mais importante que os envolvidos no processo sinodal experimentem o Espírito durante seu tempo juntos em oração, discussão e escuta. Eles estão modelando o que significa ser Igreja. 

Essa desconexão é especialmente problemática para os jornalistas que devem cobrir o sínodo. Não podemos entrevistar o Espírito que está atrás da cortina puxando os cordões. Qualquer um que conseguir essa entrevista ganhará um Pulitzer. Entrevistar aqueles que experimentaram o Espírito é um processo frustrante em que você luta para encontrar a liderança. Suas respostas muitas vezes soam como piedosos jargões. Tudo isso está refletido no Instrumentum Laboris. Para começar, o documento precisava de um bom editor, que o reduziria à metade. Mesmo um dedicado observador da Igreja como eu achou difícil manter meus olhos abertos ao lê-lo pela primeira vez. Tive que lê-lo várias vezes em pequenas doses durante vários dias.

O documento confundiu muitos porque levanta questões sem dar respostas. Como resultado, a maioria dos jornalistas se concentrou nos itens que tratavam de pessoas LGBTQ, diáconos, padres casados e leigos na tomada de decisões na igreja - coisas que o leitor comum poderia entender. Quando os delegados sinodais se reunirem em Roma em outubro, seu desafio será estar aberto ao Espírito em suas orações e conversas. Os egos devem ser postos de lado. Ideologias devem ser apresentadas.

Como os apóstolos reunidos no cenáculo com Maria, eles devem experimentar o chamado do Espírito à comunhão, à missão e à corresponsabilidade. Como os Apóstolos reunidos com Pedro e Paulo no primeiro sínodo da Igreja em Jerusalém, eles devem falar com ousadia, ouvir com caridade e não ter medo de ser revolucionários quando o Espírito assim os chama.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que o Sínodo sobre a Sinodalidade é confuso aos católicos americanos. Artigo de Thomas Reese - Instituto Humanitas Unisinos - IHU