A destituição de Strickland paira sobre a assembleia anual dos bispos dos EUA, como deveria. Artigo de Michael Sean Winters

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Novembro 2023

"Os bispos católicos americanos só superarão as suas divisões quando deixarem Jesus sair e o seguirem na cultura de hoje", escreve o jornalista Michael Sean Winters em artigo publicado por National Catholic Reporter, 14-11-2023.

Eis o artigo.

Todos os anos, quando se faz um relatório da assembleia plenária da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA, em Baltimore, veem-se alguns rostos familiares e alguns novos. Uma pessoa que eu não esperava ver aqui era Dom Joseph Strickland, que foi retirado da administração pastoral de sua diocese no sábado, 11 de novembro. Imaginei que um evento tão importante e trágico o faria ir a um mosteiro e contemplar, ou retornar para sua família para se centrar.

Mas domingo à noite, sentado com amigos no James Joyce Pub, na esquina do hotel Marriott onde se reúne a conferência dos bispos, lá estava Strickland. Ele estava sentado com três pessoas que não reconheci.

O poeta que dá nome ao pub disse que ser católico significa: “Lá vem todo mundo”, o que reflete uma eclesiologia bastante diferente daquela do bispo neojansenista, então achei estranho ele ter escolhido aquele local para um drink com amigos.

Não perturbei Strickland. Outros já fizeram o suficiente.

A destituição de Strickland paira sobre os procedimentos desta semana. Os bispos com quem falei estão quase universalmente entristecidos pelos seus ataques imprudentes ao Santo Padre. Nenhum expressou quaisquer reservas sobre a decisão de remover Strickland. Tinha que ser feito.

Eles reconhecem, no entanto, que embora um novo bispo em Tyler, no Texas, possa ser capaz de reparar os danos dentro da diocese, a influência perniciosa causada pela presença de Strickland nas redes sociais pode continuar. Os limites de uma diocese não existem em X.

X, anteriormente conhecido como Twitter, afastou muitas pessoas das normas que regem sua guilda. As pessoas envolvem-se nas redes sociais e isso pode ser viciante. Oferece gratificação quase imediata na forma de respostas instantâneas a qualquer postagem.

Se esquecermos que os algoritmos que o governam recompensam a indignação e não a sabedoria, facilmente poderemos nos ver envolvidos em um turbilhão de teóricos da conspiração e ideias malucas. Especialmente durante o isolamento necessário para combater a pandemia, foi uma tábua de salvação para muitos – mas perigosa.

As mídias sociais oferecem muita informação com tão poucos filtros. Ainda assim, seria de pensar que um bispo católico desconfiaria de qualquer meio de comunicação que carece de toda mediação: a Igreja existe para mediar a revelação divina. Seus ministros precisam mediar suas doutrinas. Seus professores medeiam seus ensinamentos.

Já nos Atos dos Apóstolos, vemos que o todo governa as partes, que os apóstolos agem de forma colegiada e se submetem às decisões do grupo, embora mantenham as suas qualidades distintivas. Este equilíbrio entre o indivíduo e a cultura e a comunhão do todo na Igreja Católica persistiu mesmo quando a Igreja se tornou uma comunhão global.

Como observei ontem, Strickland não é o único bispo com reservas sobre a direção em que o Papa Francisco está conduzindo a Igreja. Eu chamo isso de "Síndrome de Perturbação de Francisco".

Está enraizado, antes de mais nada, num grave mal-entendido dos dois pontificados anteriores de João Paulo II e Bento XVI. O importante livro de Massimo Borghesi, Catholic Discordance: Neoconservatism vs. the Field Hospital Church of Pope Francis, conta a história de como muitos americanos aceitaram uma interpretação do ensino papal recente que visava forçar aqueles dois pontífices complexos a um molde neoconservador, e então reivindicar que particular o molde era o eterno ensinamento católico. 

A solução para as divisões dentro da hierarquia não será encontrada principalmente através de discussões internas. Os bispos devem encontrar as respostas fora da sacristia – ou do salão onde ocorre a assembleia em Baltimore, onde se reunirão esta semana. Como disse o então cardeal Jorge Bergoglio aos seus irmãos cardeais em 2013, pouco antes de o elegerem papa:

Os males que, ao longo do tempo, acontecem nas instituições eclesiais têm a sua raiz na autorreferencialidade e numa espécie de narcisismo teológico. No Apocalipse, Jesus diz que está à porta e bate. Obviamente, o texto refere-se à sua batida de fora para entrar, mas penso nas vezes em que Jesus bate de dentro para que o deixemos sair. A igreja autorreferencial mantém Jesus Cristo dentro de si e não o deixa sair.

Os bispos dos EUA só superarão as suas divisões quando deixarem Jesus sair e o seguirem na cultura de hoje.

O Cardeal Blase Cupich, de Chicago, apontou um caminho a seguir em comentários na recente celebração do prêmio Rerum Novarum, realizada no seminário em Mundelein, Illinois. O prêmio homenageia aqueles que aplicam os ensinamentos sociais católicos hoje.

Cupich destacou alguns dos desafios do nosso tempo: “a ascensão da inteligência artificial, a globalização, a necessidade de integrar uma população migrante na nossa força de trabalho e permanecer atento aos desafios ambientais que ameaçam a nossa própria sobrevivência”.

Abordar estes enormes problemas, disse ele, exige que "consideremos as questões laborais e sociais no mesmo contexto e nos afastemos de uma abordagem anterior que as via como não relacionadas e como tópicos a serem tratados isoladamente. Uma abordagem mais holística e abrangente ao trabalho, a educação, a formação de novos trabalhadores e de toda a vida refletem melhor os princípios da doutrina social católica e o seu quadro moral sobre os direitos dos trabalhadores, a dignidade do trabalho humano e o bem comum”.

Este diálogo holístico entre os “princípios intemporais” do magistério católico e a situação vivida pelas pessoas do nosso tempo é análogo ao que os bispos devem iniciar esta semana se quiserem superar as suas divisões. Princípios atemporais não se evangelizam. E tornam-se peça de museu se forem deixadas no manto, imóveis e imutáveis.

“Viver é mudar, e ser perfeito é ter mudado muitas vezes”, escreveu o grande São John Henry Newman. Os bispos podem encontrar a unidade na medida em que deixam Jesus sair da sacristia e de salão plenário e o seguem até às fábricas, aos refeitórios e aos edifícios de escritórios. Eles encontrarão unidade quando seguirem a eclesiologia do poeta irlandês – “Lá vem todo mundo” – e não a eclesiologia do bispo deposto do Texas.

Nossos princípios católicos são atemporais. Nós não estamos. Se a Igreja não sair de si mesma, ela se tornará, como advertiu Francisco, autorreferencial e teologicamente narcisista. Torna-se propenso aos teóricos da conspiração malucos e seus semelhantes. Ele morre.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A destituição de Strickland paira sobre a assembleia anual dos bispos dos EUA, como deveria. Artigo de Michael Sean Winters - Instituto Humanitas Unisinos - IHU