Como a paz foi impedida na Ucrânia e na Europa. Artigo de Domenico Gallo

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Junho 2023

O acordo muito detalhado foi alcançado em Istambul alguns dias após o início da guerra. Foi destruído após a retirada das tropas russas de Kiev e Kharkiv.

O artigo é de Domenico Gallo, juiz italiano e conselheiro da Suprema Corte de Cassação da Itália, publicado por Fatto Quotidiano e reproduzido por Chiesa di tutti, Chiesa dei poveri, 28-06-2023. 

Eis o artigo.

Agora sabemos que em março-abril de 2022 as chancelarias dos principais países ocidentais agiram secretamente para impedir a paz, ou seja, para impedir que a guerra travada pela Rússia fosse rapidamente concluída com um acordo de paz, que lançaria as bases para a coexistência pacífica entre as duas nações.

Na era da comunicação, em que estamos interligados com o mundo todo e podemos receber qualquer notícia em tempo real, mais uma vez verifica-se que as chancelarias das grandes potências estão agindo da forma mais encoberta possível e mantendo suas escolhas de guerra estritamente escondidas, passam por cima das cabeças dos povos. Acreditávamos que a diplomacia secreta, tecida na pele dos povos, pertencia ao passado, como aconteceu durante a Primeira Guerra Mundial quando, através de um Tratado secreto estipulado em Londres em 26-04-1915, um pequeno rei concordou, sem o conhecimento do Parlamento e opinião pública, a entrada da Itália na guerra, sabendo muito bem que teria levado à morte centenas de milhares de seus súditos.

Em vez disso, verifica-se agora que as chancelarias dos principais países ocidentais agiram secretamente para impedir a paz, ou seja, para impedir que a infeliz empresa de guerra empreendida pela Rússia fosse rapidamente concluída com um acordo de paz, que lançaria as bases para uma paz pacífica, coexistência entre as duas nações. Na verdade, em 16-03-2022, o Financial Times divulgou um plano de paz de 15 pontos, baseado na reconciliação dos vários interesses no campo, que as partes haviam acordado durante as negociações russo-ucranianas na Turquia.

Tratou-se de uma antecipação jornalística, que não foi confirmada pelas partes envolvidas, mas indícios dela podem ser deduzidos das declarações de Zelensky e seus assessores mais próximos que na época, por diversas vezes, eles reconheceram que a Ucrânia poderia optar por não ser membro da OTAN e aceitar um status neutro. Já na época, os observadores mais atentos, como Jeffrey Sachs (entrevista ao Corriere della Sera em 01-05-2022) observavam com desconfiança que, diante dessas propostas de paz, o governo dos Estados Unidos havia mantido um silêncio mortal.

Na realidade, não só o governo americano, mas também a Grã-Bretanha, os dirigentes da União Europeia e as chancelarias dos principais países europeus mantiveram um silêncio mortal, ajudados nisso pela atitude conspiratória da imprensa que nunca fez perguntas que poderiam perturbar os operadores. Agora sabemos que os rumores no Financial Times eram mais do que fundados: o acordo de paz havia sido alcançado.

No dia 17 de junho, recebendo a delegação de líderes africanos, liderado pela África do Sul, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que durante as negociações entre as delegações ucraniana e russa realizadas em Istambul no fim de março de 2022, foi alcançado um acordo muito detalhado que previa a neutralidade da Ucrânia como ponto central e que, após o retirada das tropas russas em torno de Kiev, a guerra terminaria. Putin mostrou o documento com a assinatura do chefe da delegação ucraniana. Imediatamente após a retirada das tropas de Kiev e Kharkiv, segundo Putin, o acordo foi rasgado pelos ucranianos e jogado "na lata de lixo da história". O documento, em 18 artigos, foi intitulado: “Tratado de Neutralidade Permanente e Garantias de Segurança para a Ucrânia”.

O acordo não se limitou a petições de princípio, mas continha um anexo detalhado com cláusulas específicas, até equipamentos de combate e pessoal das Forças Armadas. Tratava-se, portanto, de um acordo específico, concreto, inteiramente adequado para pôr fim à guerra. Uma pista é a evidência de um fato desconhecido inferido de um fato conhecido. O fato conhecido é a existência de um tratado de paz que teria encerrado a guerra. Deste fato, que não pode mais ser contestado, pode-se deduzir que houve uma atividade secreta, que se desenvolveu na pele do povo ucraniano e de outros povos europeus para impedir a paz. Os principais suspeitos são os EUA e a Grã-Bretanha, como principais fornecedores de armas para a Ucrânia.

O acordo não foi implementado porque Biden e Johnson evidentemente o vetaram, garantindo a Zelensky que forneceriam a ele poder de fogo suficiente para virar o jogo. O acordo não poderia ter sido ignorado pelos estados indicados como garantidores da proteção da Ucrânia neutra de qualquer agressão, incluindo França, Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, Turquia; como resultado, até mesmo os líderes da União Europeia devem estar cientes disso. Conscientes do acordo, estes Estados e os dirigentes da UE deviam necessariamente estar a par das manobras postas em prática para impedir a paz. No entanto, eles mantiveram silêncio, mantiveram um silêncio mortal, evidentemente compartilhando a conduta que instigou a Ucrânia a romper o acordo que seus próprios negociadores haviam assinado. Quando os delitos são cometidos, é necessário mantê-los estritamente ocultos para atingir o objetivo.

O objetivo de incluir a Ucrânia na grande "família atlântica", evidentemente valeu centenas de milhares de mortes, o ecocídio do meio ambiente, sofrimento indescritível para as populações envolvidas. Ao esconder esta verdade, que a guerra poderia ser interrompida algumas semanas após sua eclosão e perdas infindáveis evitadas, uma traição foi cometida em detrimento de todos os povos europeus. Para completar o trabalho, até agora a notícia do acordo de paz acenado por Putin tem sido mantida em absoluto sigilo por TVs, jornais e agências de notícias. Mas não podemos nos calar e gritamos aos quatro ventos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Como a paz foi impedida na Ucrânia e na Europa. Artigo de Domenico Gallo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU