Papa Francisco convida o Minuto pela Paz que unirá fiéis de diferentes religiões na quinta-feira, 8 de junho

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Junho 2023

 

  • Francisco encerrou sua intervenção convidando a Ação Católica Internacional a aderir ao Minuto pela Paz que convocou para amanhã, quinta-feira, 8 de junho, às 13h.

  • “Os missionários, de quem Teresa é a padroeira, não são apenas os que viajam muito, aprendem novas línguas, fazem boas obras e são muito bons em anunciar; não, missionário é aquele que vive, onde está, como instrumento do amor de Deus", indicou.

  • "Este é o zelo apostólico que, lembremo-nos sempre, nunca funciona por proselitismo ou por constrição, mas por atração: ninguém se torna cristão porque é forçado por alguém, mas porque é tocado pelo amor", disse o pontífice.

  • “A Igreja, antes de meios, métodos e estruturas, que às vezes desviam do essencial, precisa de corações como o de Teresa, corações que atraiam o amor e aproximam de Deus”.

 A reportagem é de José Lourenço, publicada por Religión Digital, 07-06-2023. 

Diante das relíquias de Santa Teresa do Menino Jesus, padroeira universal das missões, cujo nascimento este ano marca o 150º aniversário, o Papa anunciou a intenção de dedicar-lhe uma Carta Apostólica porque, embora "com saúde frágil, morreu com apenas 24 anos" e "seu corpo estava doente, seu coração estava vibrante, missionário", como destacou na audiência geral desta quarta-feira, 7 de junho.

"Muitas vezes ela não era compreendida pelas freiras: recebia delas 'mais espinhos do que rosas', mas aceitava tudo com amor", Francisco continuou lendo seu catecismo, sublinhando o zelo apostólico e missionário que deixou para trás em sua curta vida, porque "os missionários, de quem Teresa é patrona, não são apenas aqueles que viajam muito, aprendem novas línguas, fazem boas obras e são muito bons em anunciar; não, missionário é aquele que vive, onde quer que esteja, como instrumento do amor de Deus; é ele quem faz tudo para que, através do seu testemunho, da sua oração, da sua intercessão, Jesus passe".

Francisco abençoa um bebê durante seu passeio pela Praça São Pedro. (Foto: Captura de tela | Vatican Media)

"Este é o zelo apostólico que, lembremo-nos sempre, nunca funciona por proselitismo ou por constrição, mas por atração: ninguém se torna cristão porque é forçado por alguém, mas porque é tocado pelo amor", disse o Pontífice.

Nesse sentido, indicou que “a Igreja, antes de tantos meios, métodos e estruturas, que às vezes desviam do essencial, precisa de corações como o de Teresa, corações que atraiam o amor e aproximassem Deus”.

Fiéis na Praça São Pedro. (Foto: Captura de tela | Vatican Media)

Em sua saudação aos peregrinos poloneses, ele os convidou a "perseverar na caridade cristã e apoiar os ucranianos". Este último pedido que o Papa Francisco sempre faz diante da delegação de peregrinos poloneses, cujo país foi um dos primeiros a mostrar sua solidariedade com a Ucrânia após a invasão russa em fevereiro de 2022.

Neste sentido, Francisco concluiu o seu discurso convidando a Ação Católica internacional a aderir ao Minuto pela Paz que convocou para amanhã, quinta-feira, dia 8 de Junho, pelas 13h. 

Papa Francisco durante a audiência. (Foto: Captura de tela | Vatican Media)

Audiência Geral

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Aqui estão diante de nós as relíquias de Santa Teresa do Menino Jesus, padroeira universal das missões. É bonito que isso aconteça enquanto refletimos sobre a paixão pela evangelização, sobre o zelo apostólico. Hoje, portanto, deixemo-nos ajudar pelo testemunho de Santa Teresa. Ela nasceu há 150 anos, e neste aniversário pretendo dedicar-lhe uma Carta Apostólica.

Ela é a padroeira das missões, mas nunca esteve em missão. Ela era uma freira carmelita e sua vida estava sob o signo da pequenez e da fraqueza: ela se definia como "um pequeno grão de areia". Com a saúde frágil, ele morreu com apenas 24 anos de idade. Mas, embora seu corpo estivesse doente, seu coração era vibrante, missionário. Em seu “diário” ela conta que ser missionária era seu desejo e que queria sê-lo não apenas por alguns anos, mas por toda a sua vida, até o fim do mundo. Teresa foi a "irmã espiritual" de vários missionários: desde o mosteiro os acompanhou com suas cartas, com orações e oferecendo sacrifícios contínuos por eles. Sem aparecer, ele intercedia pelas missões, como um motor que, escondido, dá força a um veículo para seguir em frente. No entanto, muitas vezes ela não era compreendida pelas irmãs monjas: recebia delas "mais espinhos do que rosas", mas aceitou tudo com amor, com paciência, oferecendo junto com a doença, também julgamentos e incompreensões. E fê-lo com alegria, pelas necessidades da Igreja, de modo que, como dizia, “as rosas se espalharam sobre todos”, especialmente sobre os que estavam mais afastados.

Agora, eu me pergunto, de onde vem todo esse zelo, essa força missionária e essa alegria de interceder? Dois episódios anteriores à entrada de Teresa no mosteiro ajudam-nos a compreendê-la. A primeira refere-se ao dia que mudou sua vida, o Natal de 1886, quando Deus operou um milagre em seu coração. Faltava pouco para Teresa completar quatorze anos.

Por ser a filha mais nova, em casa era mimada por todos. Voltando da missa da meia-noite, o pai, muito cansado, não quis ir à entrega dos presentes da filha e disse: "Graças a Deus é último ano!" Teresa, de caráter muito sensível e propensa às lágrimas, sentiu-se mal, subiu para o quarto e chorou. Mas ela rapidamente se recuperou das lágrimas, desceu e cheia de alegria, foi ela quem encorajou o pai. Que havia passado? Que, naquela noite, em que Jesus se enfraqueceu por amor, ela se fortaleceu no espírito: em poucos momentos saiu da prisão do seu egoísmo e da sua lamentação; começou a sentir que “a caridade entrou no seu coração, com a necessidade de se esquecer de si mesma (cf. Manuscrito A, 133-134). Desde então ele dirigiu seu zelo para os outros, para que encontrassem Deus e, em vez de buscar consolo para si mesmo, propôs "consolar Jesus, fazê-lo amar pelas almas", porque - observou Teresa, doutora da Igreja - "Jesus está doente de amor e [...] A doença do amor só se cura com amor» (Carta Marie Guérin, julho de 1890). Este é o propósito de todas as suas viagens: "fazer Jesus ser amado" (Carta a Céline, 15 de outubro de 1889), interceder pelos outros. Ele escreveu: «Gostaria de salvar as almas e esquecer-me de mim mesmo por elas: gostaria de salvá-las também depois da minha morte» (Carta ao Pe. Roullan, 19 de março de 1897). Em mais de uma ocasião ele disse: "Vou gastar meu céu para fazer o bem na terra" (julho de 1890). Este é o propósito de todas as suas viagens: "fazer Jesus ser amado" (Carta a Céline, 15 de outubro de 1889), interceder pelos outros. Ele escreveu: "Gostaria de salvar as almas e esquecer-me de mim mesmo por elas: gostaria de salvá-las também depois da minha morte" (Carta ao Pe. Roullan, 19 de março de 1897). Em mais de uma ocasião ele disse: "Vou gastar meu céu para fazer o bem na terra." julho de 1890). Este é o propósito de todas as suas viagens: "fazer Jesus ser amado" (Carta a Céline, 15 de outubro de 1889), interceder pelos outros. Ele escreveu: "Gostaria de salvar as almas e esquecer-me de mim mesmo por elas: gostaria de salvá-las também depois da minha morte" (Carta ao Pe. Roullan, 19 de março de 1897). Em mais de uma ocasião ele disse: "Vou gastar meu céu para fazer o bem na terra."

O seu zelo, a exemplo de Jesus Bom Pastor, dirigia-se sobretudo aos pecadores, aos "longe". O segundo episódio revela isso. Teresa soube de um criminoso condenado à morte por crimes horríveis, Enrico Pranzini: considerado culpado pelo brutal assassinato de três pessoas, estava destinado à guilhotina, mas não quis receber o consolo da fé. Teresa levou muito a sério e fez tudo o que pôde: rezar de todas as formas pela sua conversão, para que aquele que, com compaixão fraterna, chama de "pobre infeliz Pranzini", tenha um pequeno sinal de arrependimento e dê lugar à misericórdia de Deus, em que Teresa confia cegamente. A execução ocorreu. No dia seguinte Teresa leu no jornal que Pranzini, pouco antes de colocar a cabeça na forca, "virou-se, Pegou o crucifixo que o padre lhe deu e beijou três vezes as suas sagradas chagas!". A santa comenta: “Então sua alma voou para receber a sentença misericordiosa d'Aquele que disse que haverá mais alegria no céu por um só pecador que se converte do que por noventa e nove justos que não precisam se converter” (Manuscrito A, 135).

Esta é a força da intercessão movida pela caridade, este é o motor da missão. Com efeito, os missionários, de quem Teresa é patrona, não são apenas os que viajam muito, aprendem novas línguas, fazem boas obras e sabem anunciar muito bem; não, missionário é todo aquele que vive, onde quer que esteja, como instrumento do amor de Deus; É ele quem faz tudo para que, através do seu testemunho, da sua oração, da sua intercessão, Jesus passe. Este é o zelo apostólico que, lembremo-nos sempre, nunca funciona por proselitismo ou por constrição, mas por atração: ninguém se torna cristão porque é forçado por alguém, mas porque é tocado pelo amor. A Igreja, antes de tantos meios, métodos e estruturas, que às vezes desviam do essencial, precisa de corações como o de Teresa, corações que atraiam o amor e aproximassem Deus.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco convida o Minuto pela Paz que unirá fiéis de diferentes religiões na quinta-feira, 8 de junho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU