Os espectros da dívida chinesa. Artigo de Christian Marazzi

Mais Lidos

  • “Passamos da etapa do aquecimento, estamos em uma emergência climática ou de ebulição global”. Entrevista com Paulo Artaxo

    LER MAIS
  • Milhares de pessoas foram resgatadas de trabalho escravo contemporâneo em 2023 no Brasil. Entrevista com Frei Xavier Plassat

    LER MAIS
  • Um histórico encontro de oração entre protestantes, ortodoxos e católicos na Roma papal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Setembro 2023

“Durante décadas os gigantes imobiliários chineses se endividaram na esperança de reembolsar os seus credores através da venda das habitações construídas. No entanto, a recuperação após a pandemia ainda não começou, as importações e exportações estão diminuindo, a deflação instalou-se na economia chinesa e o desemprego juvenil aumenta drasticamente, enquanto as execuções hipotecárias e o risco de inadimplência aumentam. Fala-se de ‘zumbificação’ do setor imobiliário”, escreve o economista suíço Christian Marazzi, em artigo publicado por El Salto, 04-09-2023. A tradução é do Cepat.

E salienta que “vale a pena perguntar quais poderão ser as consequências desta crise para a economia mundial” e a “nova ordem geopolítica” com a ampliação do BRICS.

Eis o artigo.

Entrevistado por Eugenio Occorsio sobre a crise chinesa (La Repubblica, 19 de agosto), o economista estadunidense Kenneth Rogoff (Harvard) expõe a questão nos seguintes termos: “Infelizmente, o que nós e outros economistas como Larry Summers imaginamos durante muito tempo está se verificando: o ‘superciclo da dívida’, o mesmo que colocou os Estados Unidos de joelhos em 2008 e a Europa em 2010, está atingindo agora a China. As consequências podem ser muito dolorosas para todos”.

O vencedor do Prêmio Nobel, Robert Shiller, também entrevistado por Occorsio no dia 21 de agosto, introduz outro fator na explicação da crise registrada na China, que, por enquanto, se limita ao setor imobiliário: “Neste momento só nos resta esperar pelos resultados das medidas de emergência tomadas em Pequim, incluindo a mudança de narrativa. É claro que todas as crises globais desde a Grande Depressão de 1929 foram precedidas por fases de extremo entusiasmo sobre o potencial infinito de crescimento e inovação, quer se trate de estradas-de-ferro ou da inteligência artificial. O mesmo aconteceu na China. Trata-se de um comportamento típico do ser humano, não há lição a ser aprendida. O bom senso, com as consequentes dificuldades de ajustar o entusiasmo e a prudência, é um componente fundamental da economia, e a China perdeu a confiança”.

Simone Pieranni também se aprofunda neste aspecto no Il Manifesto de 20 de agosto passado (“Il vero pericolo per la Cina é un popolo disilluso”): “Dado que os problemas são sempre os mesmos e que o PCC parece remendar consecutivamente a crise do momento, devemos concentrar-nos num terceiro aspecto [depois do desejo do Ocidente de um colapso econômico e, sobretudo, político do regime chinês, e depois do perigo de deflação já manifestado no final da década de 1990]: o que é diferente hoje e por que a atual situação econômica instável pode ou não ser mais perigosa do que no passado. E este aspecto cruza-se com um tema muitas vezes esquecido em quase todas as análises geopolíticas ou financeiras: o povo chinês. Em 2001, assim como em 2011, os chineses sentiram-se impulsionados pelo crescimento e pelo que, em última análise, permite que a economia vá bem: estavam confiantes no futuro [...]. E assim foi até o período anterior ao início da pandemia da Covid-19. Depois disto começou um período estranho para o povo chinês: a Covid-19 destruiu o otimismo, incutiu a dúvida de que talvez nem tudo seria como antes. E assim, um povo que é poupador por direito próprio aumentou esta propensão para gastar, o que hoje é claramente evidente: os chineses não gastam em bens para o futuro (como a habitação), mas antes gastam para hoje, para agora. Gastam mais com saúde e educação, mas a sensação de poder planejar o futuro diminui”.

Em síntese, durante décadas os gigantes imobiliários chineses se endividaram na esperança de reembolsar os seus credores através da venda das habitações construídas. No entanto, a recuperação após a pandemia ainda não começou, as importações e exportações estão diminuindo, a deflação instalou-se na economia chinesa e o desemprego juvenil aumenta drasticamente (“Aprendam a comer amargura”, teria dito Xi Jinping aos jovens chineses), enquanto as execuções hipotecárias e o risco de inadimplência aumentam [1]. Fala-se de “zumbificação” do setor imobiliário, ou seja, uma situação em que os projetos de construção não avançam devido à impossibilidade de pagar os seus custos (prevê-se que pelo menos nas próximas duas décadas haja uma contração da atividade da construção civil, que representa mais de um terço do PIB chinês).

A lista de grandes grupos em dificuldades financeiras é cada vez mais longa, ao ponto de o Wall Street Journal, talvez imprudentemente, falar de um “momento Lehman”. O fato é que em dois dias os dois gigantes imobiliários chineses por excelência, a Evergrande (que entrou em crise em 2020-2022) e a Country Garden, revelaram as suas dívidas acumuladas, embora o primeiro tenha especificado que “apenas” procurou a proteção dos seus credores localizados nos Estados Unidos, solicitando a aplicação do Capítulo 15 da legislação de falências deste país (um quarto dos seus 340 bilhões de dólares de “ativos” foram vendidos a investidores estadunidenses).

A Zhongrong, empresa especializada na prestação de serviços, soluções e produtos financeiros, cujos ativos são de 108 bilhões de dólares, está vacilante, assim como vários outros fundos financeiros ocultos no setor bancário paralelo. A situação parece ser uma reminiscência do que aconteceu no Japão durante a década de 1990, quando a crise eclodiu no setor imobiliário e desencadeou um longo período de estagnação e deflação (conhecido como a “década perdida”).

De uma forma geral, podemos afirmar que o modelo de negócio imobiliário chinês entrou em crise. “Segundo este modelo, as empresas imobiliárias ou de construção endividaram-se para financiar o desenvolvimento. A dívida, por sua vez, era paga com a venda de habitações para a classe média (muitas construtoras dependiam dos clientes para pagar adiantado antes mesmo do seu apartamento estar concluído). Desta forma, o espaço vital médio disponível na China passou de sete para quase 50 metros quadrados per capita, fato que constituiu uma das bases do ‘sonho chinês’ promovido pelo Presidente Xi. Mas quando a crise da classe média começou a se fazer sentir, as vendas imobiliárias obviamente abrandaram e os devedores já não conseguiram pagar as prestações das suas dívidas” (Domenico Siniscalco, “I rischi del dominio cinese”, La Repubblica, 20 de agosto).

Este é o superciclo da dívida de Rogoff, talvez até o chamado momento Minsky, ou seja, o colapso repentino do valor dos ativos no final de um ciclo de crédito particularmente expansionista. A crise teve origem na classe média, sangrou devido às políticas da Covid zero, e depois espalhou-se pelo endividamento excessivo das empresas imobiliárias e da construção civil e agora, mais uma vez, faz sentir os seus efeitos nessa mesma classe média.

Como sempre acontece nestes casos, o governo encontra-se numa encruzilhada. Deixar quebrar a Country Garden, por exemplo, poderia desencadear um pânico ainda maior, levando a uma onda de falências. No entanto, de acordo com o The Economist, intervir com um pacote de resgate colocaria as autoridades chinesas na posição de terem de realizar muitos outros resgates e apoiar um setor insustentável.

No momento, o Banco Popular da China, seu banco central, para surpresa de todos, reduziu a taxa de juros a um ano (a que serve de referência para o crédito ao consumo) numa percentagem muito pequena (0,10%) sem tocar na taxa de juro a cinco anos (a taxa de referência para o crédito à habitação) e afirmou que só aplicaria medidas de intervenção financeira para apoiar o setor imobiliário a partir de 2024.

O governo enviou equipes de inspetores a vinte províncias para examinar a gravidade da situação de endividamento das administrações locais, que converteram a venda de terrenos a gigantes imobiliários num dos itens mais importantes do seu rendimento [2]. Em suma, as medidas de estímulo continuam escassas e, no momento, a linha dura contra os responsáveis pela bolha imobiliária parece prevalecer.

Desacoplamento?

Vale a pena perguntar quais poderão ser as consequências desta crise para a economia mundial. Do ponto de vista financeiro, afirmou-se rapidamente, os riscos de contágio são limitados ou mesmo inexistentes, uma vez que o setor financeiro chinês está isolado do resto do mundo. Por exemplo, o renminbi não é convertível fora das suas fronteiras, e como reserva internacional é inferior a 3%, enquanto a livre circulação de capitais é proibida na China. O fato, por outro lado, é que os grandes gigantes imobiliários chineses também contraíram empréstimos em dólares em Wall Street e, sobretudo, que a China é um grande comprador (o segundo, depois do Japão) de títulos do Tesouro dos EUA, compras que desde o início de 2023 foram reduzidas em 12% [3].

“Uma crise plena na China – argumenta Robert Shiller – não passaria despercebida nem teria efeitos importantes em todos os mercados bursáteis mundiais, como aconteceu em crises anteriores, desde a crise das hipotecas subprime até os ataques especulativos lançados contra os tigres asiáticos em 1997, crise que, devido ao contágio, levou, entre outros efeitos, ao não pagamento dos títulos russos e ao colapso do rublo. Não esqueçamos em todo caso, que os investidores chineses, na sua maioria públicos, têm biliões de dólares investidos em obrigações do Tesouro estadunidense e em substanciais pacotes de ações e obrigações emitidas em outros países. Consequentemente, os mercados bolsistas poderão ser as primeiras vítimas, caso a crise se agrave”.

Os efeitos desta possível crise do sistema financeiro chinês nas relações comerciais também são assustadores, especialmente no caso da Alemanha (um grande exportador para a China) e, consequentemente, em países como a Itália, onde a falta de crescimento alemão se espalharia rapidamente. Em suma, a crise chinesa poderá desferir o golpe final na zona do euro, que segundo alguns economistas já corre o risco de entrar em recessão (como argumenta Isabella Bufacchi no Il Sole 24 Ore de 20 de agosto, “Dopo la pandemia, guerra e inflazione: Eurozona in autunno a rischio recessione”).

Embora Paul Krugman tente relativizar o possível impacto da crise chinesa na economia dos Estados Unidos, é um fato que para Pequim os Estados Unidos continuam a ser o maior parceiro comercial, cujas exportações aumentaram para 583 bilhões em 2022 contra 179 bilhões de importações chinesas procedentes deste país, que caíram 14% desde o início do ano [4]. Importante, especialmente do ponto de vista geopolítico, é a relação comercial existente entre a China e a Rússia: o intercâmbio aumentou 27% no ano passado, enquanto este ano já cresceu 41%.

Paradoxalmente, dado que em Jackson Hole, a cúpula dos três bancos centrais (Fed, BCE e Banco da Inglaterra) tradicionalmente realizada em agosto de cada ano, a estratégia de combate à inflação tem sido a mesma que a decidida em março do ano passado, optando por manter as taxas de juro elevadas até que seja alcançada uma taxa de inflação de 2%, uma decisão que tem graves efeitos no custo das hipotecas e do crédito às empresas, a crise chinesa poderá, pelo menos, arrefecer os preços de matérias-primas como petróleo e gás. No entanto, é um golpe para o crescimento global, que se transforma numa crítica ao paradigma de globalização neoliberal em vigor nos últimos trinta anos.

De certa forma, esta crise representa um teste para a globalização, especialmente para a relação conflituosa entre os interesses do capital global e os interesses políticos dos Estados. Por um lado, está claro que estamos todos inseridos num arquipélago complexo e altamente interligado em que as tentativas de desacoplamento, de desvinculação entre os Estados Unidos e a China, iniciadas por Trump e continuadas por Biden, se revelaram até agora ineficazes e, às vezes, contraproducentes [5]. Por outro lado, num cenário chinês de menor crescimento, com problemas crescentes de governação política interna, pode-se compreender que a China esteja optando pela transferência da sua estratégia de concorrência com os Estados Unidos do campo econômico para o campo político. A regulação econômica e a governação política são duas faces da mesma moeda e hoje estas duas faces do poder estão necessariamente em declínio em escala global.

Neste quadro contraditório, as exigências do capital global colidem com a procura de autonomia política no auge do conflito social e é aí que deve ser lida a reconciliação protetora nipo-coreana patrocinada pelos Estados Unidos em Camp David nos dias 20 e 21 de agosto (defesa antimísseis e acordos de inteligência) e, inversamente, o desafio lançado imediatamente depois da reunião do BRICS em Joanesburgo sob a égide da China. Para todos os efeitos, esta é uma nova ordem geopolítica, se for verdade que o grupo expandido do BRICS que emergiu da cúpula será composto por onze países e representará 32% do PIB mundial e 46% da população do planeta (o PIB do G7 está perto de 44% do PIB mundial [6]. A China já representa 16% da economia mundial, em comparação com 22% dos Estados Unidos).

Isto é suficiente para questionar seriamente as instituições da velha ordem mundial, como o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e as Nações Unidas, e avançar no caminho da desdolarização, independentemente do que isso signifique (ver Diario de crisis: “El colapso del paradigma posfordista”) [7]. Neste mesmo ano, as exportações da China para os países em desenvolvimento, representados pelos países da nova Rota da Seda, excederam as exportações para os Estados Unidos, a União Europeia e o Japão juntos. Ao conceder crédito a uma parte importante destes países em desenvolvimento, a China conseguiu “fidelizá-los” politicamente, fortalecendo o seu poder de voto nas mais importantes instituições internacionais, desde a ONU até a Organização Mundial do Comércio [8].

*

Pós-escrito de Andrea Fumagalli: As conclusões de Christian Marazzi destacam os problemas associados à transição de uma ordem mundial unipolar (liderada pelos Estados Unidos) para uma ordem multipolar, capaz de abranger não apenas os Estados Unidos, a União Europeia e o Reino Unido, mas também os países do BRICS. As reuniões do grupo do BRICS em Joanesburgo e dos bancos centrais ocidentais (FED, BCE, Banco de Inglaterra) aconteceram simultaneamente em Jackson Hole, fato que levou a um confronto à distância. Se a estratégia do BRICS de visar precisamente uma ordem multipolar é clara, a reunião dos bancos centrais quer confirmar a primazia do dólar nos mercados de crédito e financeiros, a última área (tendo perdido as áreas logística e militar) que resta para que os Estados Unidos reafirmem a sua supremacia econômica. Deste ponto de vista, a decisão de manter as taxas de juro elevadas, ou mesmo de aumentá-las ainda mais, parece mais orientada para manter o valor do dólar elevado (condição, aliás, necessária para enfrentar o endividamento interno e externo da economia dos EUA) do que arrefecer uma inflação já em declínio.

Notas

[1] “No data. No problems. A China decidiu suspender a publicação de dados sobre o desemprego juvenil após meses de dados alarmantes, que fizeram com que a taxa de desemprego dos residentes nos centros urbanos na faixa etária dos 16 aos 24 anos atingisse 21,3% em junho passado”. Zhang Dandan, professor de Economia na Universidade de Pequim, calculou que, contabilizando os jovens que não estudam, não recebem formação ou procuram ativamente trabalho (contando assim os chamados neets), o nível de desemprego entre aqueles com menos de 24 anos de idade na China alcançaria 46,5%. Ver Lucrezia Goldin, “Lavoro, casa, auto: per i giovani il sogno cinese è un miraggio”, Il Manifesto, 19 de agosto de 2023.

[2] Ver Gianluca Modolo, “La bolla ora spaventa Xi. No ai salvataggi di Stato”, La Repubblica, 20 de agosto de 2023.

[3] Ver Limes, Il bluff globale, 4/2023, pp. 48-49.

[4] Paul Krugman, “How scary is China’s crisis?”, The New York Times, 21 de agosto de 2023. Embora reconheça a gravidade da crise chinesa, comparável na sua gênese e características à grande crise de 2008, Krugman sustenta que o impacto na economia dos EUA deverá ser marginal, dada a exposição limitada dos Estados Unidos à China, tanto em termos financeiros como de exportações. No entanto, Krugman parece relativizar a exposição da dívida pública dos EUA aos potenciais efeitos da crise sobre a moeda chinesa.

[5] Sobre a natureza e maior ou menor eficácia das políticas de desacoplamento, ver Fabrizio Maronta “Cronaca di un decoupling annunciato”, Limes 4/2023, pp. 39-50: “A natureza enlouquecedoramente transnacional das cadeias de valor torna muitas vezes difícil fotografar com precisão estatística a dinâmica do comércio internacional. Os iPhones, um exemplo banal mas flagrante, são em grande parte montados em Zhengzhou, na China, e depois enviados de Xangai para os Estados Unidos a um preço de cerca de 240 dólares cada. No entanto, o valor acrescentado atribuível a Pequim não chega aos 10 dólares por telefone, uma vez que a China monta componentes produzidos em grande parte pelo Japão, Taiwan e Coreia do Sul, que juntos representam mais de 50% do custo de produção. Quando Washington impõe tarifas à República Popular da China sobre produtos individuais ou categorias de produtos, acaba por impô-las também aos seus aliados”.

No ano passado, os Estados Unidos agiram de forma muito agressiva para limitar a capacidade da China de desenvolver inteligência artificial para fins militares, bloqueando a venda dos chips mais avançados nos quais se baseiam os sistemas de inteligência artificial. Um ano depois, no entanto, os pedidos de compra chineses para os processadores mais sofisticados dos EUA aumentaram. Ver, a este respeito, Richard Waters (San Francisco) e Quianer Liu (Hong Kong), “Chinese demand for hobbled AI chips stays buoyant despite US restrictions”, Financial Times, 22 de agosto de 2023. Sobre o desacoplamento das dificuldades relacionadas às cadeias de valor de semicondutores e tecnologias de energia limpa, ver Rana Foroohar, “Inconvenient Truths about the Green Transition”, Financial Times, 7 de agosto de 2023.

[6] Além dos membros históricos, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, a partir de 1º de janeiro de 2024, aderirão Argentina, Egito, Etiópia, Irã, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Outros quarenta países estão na lista de espera. “Os novos BRICS têm economias compatíveis, desejos políticos coincidentes, ambições geopolíticas convergentes? De forma alguma, claro, nem o seu acordo é rígido, enquanto a campanha de compras já começou e corteja-se a Índia. Têm, isso sim, uma característica unificadora: cansaram-se irremediavelmente da supremacia predatória do Ocidente democrático, dos países que o lideram (os Estados Unidos) e das instituições que exercem as suas prerrogativas (o G7, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional). Raramente são democracias, praticam desigualdades sociais tão bem ou melhor que nós, são fortemente nacionalistas e desenvolvimentistas [...]”, escreve Roberto Zanini em “Il sud globale si è finalmente stancato di noi”, Il Manifesto, 25 de agosto, 2023. Ver Alec Russell, “The à la carte world: our new geopolitical order”, Financial Times, 22 de agosto de 2023.

[7] “Deve-se notar que, pelo menos no curto prazo, não há vontade de criar uma moeda que concorra com o dólar. A isto se opõem tanto a Índia como a China, que não querem abrir-se à livre circulação de capitais. Trata-se, porém, de continuar ampliando os acordos de swap entre bancos centrais, que já permitem o pagamento do comércio bilateral em moedas locais com um ajuste do saldo (positivo ou negativo) em determinado vencimento. Esta prática, já generalizada, permite evitar as sanções ocidentais e reduz consideravelmente o papel do dólar como moeda de troca. Na verdade, estas medidas são acompanhadas por fortes compras de ouro, especialmente por parte da China, Rússia e Índia, que substitui o dólar nas reservas dos seus bancos centrais. E, de fato, o papel do dólar como moeda de reserva também está diminuindo ligeiramente, porque os bancos centrais ocidentais tendem a preferir moedas terceiras, como o won sul-coreano e o franco suíço” – Alfonso Tuor, “È l'ora del Grande sud globale”, Corriere del Ticino, 19 de agosto de 2023.

[8] Ver James Kynge, “China’s blueprint for global governance”, Financial Times, 23 de agosto de 2023.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os espectros da dívida chinesa. Artigo de Christian Marazzi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU