Triângulo impossível, Índia-China-EUA e uma Rota da Seda diferente. Artigo de Francesco Sisci

Mais Lidos

  • O celibato de Jesus: “O que o Papa disse me deixou com um enorme desacordo”. Artigo de Eduardo de la Serna

    LER MAIS
  • Os ataques aéreos permitidos contra alvos não militares e o uso de um sistema de inteligência artificial permitido ao exército israelense levam a cabo sua guerra mais mortífera em Gaza, revela uma investigação de +972 e Local Call

    Uma fábrica de assassinatos em massa

    LER MAIS
  • A nova extrema-direita e sua atração pela Bíblia e pelas religiões

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Março 2023

"Nada está definido, mas algo está se formando em Delhi, a capital da nova superpotência demográfica mundial, e isso deve mudar todos os cálculos políticos", escreve o sinólogo italiano Francesco Sisci, professor da Universidade Renmin da China, em artigo publicado por Settimana News, 06-03-2023.

Eis o artigo. 

O fracasso da Rússia na invasão da Ucrânia enfraqueceu os antigos laços de Moscou com a Índia, por décadas um alicerce das relações externas indianas, e trouxe à tona o mais complicado quebra-cabeça geopolítico da “nova Guerra Fria” – entre Índia, China e os Estados Unidos. Nova Déli está mudando sua posição entre as outras duas, que ainda não está resolvida e pode mover a política global em várias direções.

É uma grande mudança em relação à Guerra Fria, quando a Índia era política e economicamente marginal na grande competição de poder, como observou Shivshankar Menon. [1]

Atualmente, a Índia tem um papel específico, em relação à China, com os Estados Unidos – ser o contrapeso da China na região e, portanto, globalmente. Mas se a China voltasse a ter bons laços com os Estados Unidos e os Estados Unidos aceitassem a reversão, a Índia seria espremida e poderia perder sua atual vantagem estratégica. Portanto, a Índia pode querer avançar rapidamente com os EUA para dificultar a possível reviravolta da China.

Além disso, se os líderes indianos buscarem algum tipo de novo vínculo com a China, eles podem ficar entre duas cadeiras, não com os Estados Unidos e nem com a China. Na verdade, Pequim tem sido imune a concessões que Déli acredita serem necessárias para corrigir um relacionamento desigual, de acordo com especialistas indianos.

 

O aumento das tensões entre a China e os Estados Unidos, a anunciada dissociação tecnológica e a nova política de friend-shoring criam novas oportunidades para a Índia que deveriam preocupar a China. A Índia pode ser a próxima “China” devido ao seu tamanho e população. Poderia ter a vantagem de hospedar empresas e indústrias que podem sair da China ou nunca ir para a China, e poderia se tornar um importante centro de exportação de manufatura para o mundo, como a China é agora.

Ainda há muitas discussões no Ocidente e muitos investidores duvidam que a Índia possa desempenhar esse papel. De muitas maneiras, a Índia ainda não está tão bem equipada quanto a China para hospedar indústrias saindo da China, mas tem vantagens potencialmente mais significativas.

O país fala inglês; tem um sistema jurídico de direito consuetudinário e uma democracia ocidental. Tem sido culturalmente parte do mundo ocidentalizado por muitos séculos. No entanto, sua burocracia é um grande obstáculo, a atitude doméstica às vezes pode ser hostil ao investimento estrangeiro, e a Índia não esqueceu sua postura durante a primeira Guerra Fria como líder dos países não alinhados. Portanto, suas elites intelectuais relutam em se juntar a uma coalizão contra a China.

As vantagens potenciais para a Índia, no entanto, são evidentes. A história dos últimos 40 anos provou que a China, graças ao seu alinhamento com os EUA a partir da década de 1970, desfrutou de 40 anos de crescimento contínuo. A China recebeu transferências tecnológicas massivas e tratamento preferencial para suas exportações. Isso, mais a atitude pró-negócios de sua classe política e a capacidade trabalhadora de seu povo, alimentou um milagre econômico sem precedentes.

Teoricamente, a mesma fórmula pode ser aplicada com ainda mais sucesso na Índia. Além disso, a experiência com a Rússia é um precedente essencial para as exportações da China.

Países como Alemanha e Itália dependiam do gás russo para 40-60% de suas necessidades antes do início da guerra em 2022. Um ano depois, essa dependência chegou a quase zero. O gás é de importância primordial para a subsistência de um país, e é relativamente difícil movimentar o gás porque ele é fornecido por dutos que não podem ser demolidos e reconstruídos da noite para o dia. Esses países o fizeram sem enfrentar dificuldades significativas em suas economias e sociedades.

As exportações chinesas para o Ocidente são, sem dúvida, essenciais, mas não tão importantes quanto o gás. A escassez de telefones celulares e carros dificilmente é um problema político e social real para um país; portanto, em caso de tensão extrema, os Estados Unidos poderiam reduzir essas exportações da noite para o dia sem grandes inconvenientes.

O mesmo pode não ser verdade para a China. Uma queda drástica na importação de grãos de soja, óleo e commodities básicas do mundo pode causar um grande revés na subsistência diária das pessoas comuns, cujo consumo de proteínas depende muito das importações.

Nesta situação, aparentemente, a Índia poderia levar seu tempo negociando melhores condições com o Ocidente em troca de oferecer seu país como uma futura base industrial. No entanto, como a ameaça à China é significativa e os líderes chineses não são grandes fanáticos ideológicos - ao contrário, são sobreviventes pragmáticos - os líderes chineses podem decidir reverter sua política, como fizeram com a política de zero-covid, e reabrir seu país ao Ocidente, abandonando a postura antiamericana.

Isso cria uma condição bastante especial para a Índia; se eles quiserem aproveitar o potencial inesperado vindo do Ocidente, tornando-se um centro de exportação, eles devem agir rapidamente para criar precedentes e experiências pelos quais a Índia não seja deixada de lado novamente, mesmo que a China dê a volta por cima.

Por sua vez, também cria uma condição particular para a China; ou seja, se a China quiser renegociar sua posição com os Estados Unidos, terá de olhar atentamente para a Índia e agir antes que a Índia intervenha e dificulte uma reviravolta.

Em teoria, por causa dessa situação, a China e a Índia poderiam concordar e resolver suas diferenças juntas e lidar com oportunidades e desafios dos Estados Unidos e do Ocidente juntos. No entanto, esse caminho não tem força, pois os dois países parecem altamente desconfiados um do outro.

A China quer conter a Índia estreitando uma rede de alianças em todo o subcontinente com o Paquistão, Sri Lanka e Mianmar, como destacou o embaixador Vijay Gokhale. [2] Por outro lado, a Índia se sente pressionada pela China por causa dessa contenção de terras, questões de fronteira não resolvidas e comércio desequilibrado entre os dois países. A China reluta em importar alta tecnologia da Índia e usa a Índia como matéria-prima, desdenhando de seu software ou setor de saúde.

Suas suspeitas e dificuldades bilaterais de fato levam a China e a Índia a se concentrarem nos EUA como inimigos ou amigos.

Aqui, a Índia aparentemente está pensando em tirar uma página do manual chinês, considerando um novo sistema de transporte de infraestrutura que vai de Mumbai até a cidade de Ho Chi Minh, no Vietnã, e Jacarta, na Indonésia. Poderia ajudar a criar um mercado contínuo de mais de 2,2 bilhões de pessoas, potencialmente independente da China. Uma nova ferrovia rápida poderia correr ao lado da rodovia existente. Até mesmo a rodovia poderia ser melhorada. Poderia ser mais fácil e rápido do que o plano da China para uma rota terrestre para a Europa, que está sendo interrompido e prejudicado pela guerra na Ucrânia e pela crescente hostilidade em torno da China. Para a Índia, pode ter a vantagem adicional de projetar o país para o leste, longe do Paquistão, um vizinho problemático desde a independência.

Se a Índia iniciasse o projeto e o desenvolvesse junto com os EUA e o Japão, marginalizados pela BRI (Iniciativa do Cinturão e Rota) da China, poderia agregar mais energias externas ao empreendimento (tecnologias, finanças, etc.), fatores, muito mais críticos do que qualquer plano para marginalizar a China. Pode ser uma energia positiva, pois pode ajudar Pequim a reconsiderar sua postura assertiva.

De qualquer forma, isso poderia levar o desenvolvimento global em novas direções, compensando as perdas que os investidores poderiam incorrer com o fechamento da China.

Nada está definido, mas algo está se formando em Déli, a capital da nova superpotência demográfica mundial, e isso deve mudar todos os cálculos políticos. Para confirmar a última reviravolta, o papa anunciou que visitará a Índia no próximo ano, enquanto a China ainda não o convida.

Notas

[1] S. Menon, India and Asian Geopolitics, 2021.

[2] V. Gokhale, The Long Game, 2021. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Triângulo impossível, Índia-China-EUA e uma Rota da Seda diferente. Artigo de Francesco Sisci - Instituto Humanitas Unisinos - IHU