A reeleição de Xi Jinping na China. “Há um sentimento geral de extrema incerteza”, afirma Francesco Sisci

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Outubro 2022

O 20º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês (PCCh) chegou ao fim no sábado. No domingo, como esperado, Xi Jinping foi reeleito como secretário-geral do partido, presidente da República Popular e chefe da Comissão Militar Central da China. O Congresso também elegeu os sete membros do novo Comitê Permanente do Politburo, todos eles apoiadores leais de Xi Jinping. Assim, ele se tornou o líder mais antigo e poderoso da China desde Mao Tsé-Tung.

“A extensão do governo de Xi Jinping não é uma grande surpresa. Mao Tsé-Tung permaneceu no poder por aproximadamente 30 anos, assim como Deng Xiaoping. A novidade é a forma como ele se mantém no poder. Mao Tsé-Tung continuou no poder como presidente do partido. Deng Xiaoping foi nomeado presidente da comissão militar. Mas Xi Jinping se mantém no poder mudando as regras e impondo um novo sistema sob seu controle exclusivo. Esta não é uma diferença pequena”, disse Francesco Sisci, correspondente de longa data de vários jornais italianos de Pequim e pesquisador sênior da Universidade Popular da China, comentando a reeleição de Xi Jinping para um terceiro mandato sem precedentes como secretário-geral do Partido Comunista Chinês (PCCh), presidente da República Popular e chefe da Comissão Militar Central da China.

“Houve um tempo em que um homem não tinha poder centralizado em suas próprias mãos e um grupo de veteranos do partido estava no comando”, observou Sisci. “Mas, de acordo com Xi Jinping, esse sistema teve que ser mudado porque resultou em corrupção e caos no processo de tomada de decisão que não era mais gerenciável. Assim, decidiu adotar uma nova forma de liderança política”.

A entrevista é de Chiara Biagioni, publicada por AgenSir, 24-10-2022. A entrevista nos foi enviada pelo entrevistado.

Eis a entrevista.

Televisões de todo o mundo transmitiram imagens do ex-presidente chinês Hu Jintao inesperadamente saindo do auditório principal do Grande Salão do Povo na cerimônia de encerramento do Congresso do Partido Comunista. O que aconteceu?

O que realmente aconteceu está bem claro agora. Imagens de televisão e uma série de fotos tiradas pouco antes do incidente e publicadas pelo jornal espanhol ABC mostram Hu Jintao parecendo visivelmente confuso. O ex-presidente parece prestes a abrir um envelope lacrado que é mantido fechado pelos presentes. O número 3 do Partido Comunista Chinês tenta impedi-lo educadamente, mas o primeiro não o faz perceber o que está acontecendo. Xi Jinping é visto convocando um dos comissários e Hu Jintao é escoltado para fora do Salão. A filmagem é clara e revela o que realmente aconteceu. Agora a questão é: se eles sabiam – como sabiam – que Hu Jintao estava doente, por que permitiram que ele participasse do Congresso? A resposta curta é que a “liturgia” do Partido previa a bênção do ex-Secretário do Partido e Presidente de Estado para o início do novo curso.

 

Do que ele está sofrendo?

Parece que ele sofre de Mal de Parkinson, em estágio já avançado.

Então não há nada de misterioso sobre o incidente?

Não, embora estejamos falando da China, não há mistério. O que ainda não foi explicado é por que ele foi trazido para lá se estava tão doente. Suponho que foi porque a bênção da velha guarda sobre a nova direção do regime era necessária a todo custo.

Em suma, a demonstração perfeita do poder incontestável de Xi Jinping teve que ser exibida no Congresso. O que aconteceu nos últimos anos que levou a China a seguir esse caminho específico?

É um processo que remonta a dez anos. Tudo começou em 2012, quando Xi Jinping assumiu o cargo. Ao longo dos anos, ele gradualmente concentrou o poder em suas próprias mãos e hoje estabeleceu um ‘Politburo’ formado por membros leais.

Por que aconteceu?

Certo ou errado, explica-se com o fato de que, do final dos anos 1990 a 2012, o poder na China foi espalhado em milhares de ondulações e o processo de tomada de decisão foi engolido por um processo em que ninguém mais sabia quem estava encarregado de tomar decisões. Um sistema de corrupção generalizada entrou em jogo para garantir a sua continuação. A corrupção e a dispersão do poder eram vistas como duas facetas de uma mesma moeda, ou seja, a maior ineficiência do governo. A fim de resolver este problema, Xi Jinping decidiu apertar seu controle sobre o poder e cercar-se de um grupo de partidários.

Poderia ser descrito como um sinal de fraqueza?

Foi de fato um longo processo que começou em 2012, não agora. Xi Jinping tomou todo o poder em suas mãos porque acreditava que poderia consertar as coisas. Obviamente, se ele foi autorizado a fazê-lo é porque há um amplo consenso em seu círculo íntimo de que as coisas realmente não parecem nada boas.

Até que ponto as preocupações com Taiwan e Hong Kong desempenharam um papel?

Nenhum mesmo. Como eu disse, as razões subjacentes a este novo desenvolvimento datam de muito tempo, desde 2012. O prazo é muito maior.

O que vai mudar em termos de relações internacionais?

Nós não sabemos. XI Jinping não se aprofundou na questão dos assuntos internacionais em suas observações iniciais e finais. Na verdade, ele realmente ignorou a questão em seu primeiro discurso, enquanto no discurso de encerramento ele fez apenas uma observação genérica sobre estar aberto à cooperação.

Uma coisa é certa: eles percebem que estão em grande dificuldade, porque julgaram mal uma série de questões e opiniões e agora se sentem perdidos.

O que eles erraram?

Eles estavam errados sobre a Rússia, sobre a Ucrânia e até sobre os Estados Unidos, que pensavam estar derrotados e em colapso, mas agora estão mais fortes do que antes. Não sei o que vai acontecer a seguir. O que sei é que não mencionar assuntos internacionais é um sinal de dificuldades.

Sinalizando o quê?

O futuro da Rússia está condenado. E a questão não é “se” a Rússia sucumbirá, mas quando. Além disso, o regime do aiatolá do Irã está oscilando. É quase como se o pior pesadelo da China de ser sitiada por países hostis estivesse tomando forma. A China não viu isso chegando e não esperava. Cometeram um grave erro de julgamento. Assim, esse equívoco ou erro de cálculo levou a uma situação de extrema incerteza hoje, objetivamente repleta de riscos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A reeleição de Xi Jinping na China. “Há um sentimento geral de extrema incerteza”, afirma Francesco Sisci - Instituto Humanitas Unisinos - IHU