Um gesto histórico do Papa que rompe com séculos de perseguição ao coletivo LGBTQIA+ na Igreja

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Junho 2021

 

A carta de Bergoglio ao jesuíta James Martin é uma bênção do “ministério inclusivo”.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 28-06-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Esperava-se um “gesto” de Francisco que, de alguma maneira, o desvinculasse da polêmica nota da Congregação para a Doutrina da Fé proibindo a bênção a casais homossexuais – e este gesto foi dado. Histórico: a primeira vez que, por escrito, o Papa de Roma abençoa o “ministério” dos padres que trabalham com as comunidades crentes LGBTQIA+.

Em uma carta para o jesuíta James Martin, o principal motivador de uma “pastoral inclusiva”, que defende a bênção a casais do mesmo sexo, assim como uma nova concepção da sexualidade e do pecado, Francisco agradeceu ser “um padre para todos e todas, como Deus é um pai para todos e todas”.

“O estilo de Deus tem três traços: proximidade, compaixão e ternura”, escreve o Papa, que reivindica o “trabalho pastoral” de Martin, a quem pede que “siga assim, sendo próximo, compassivo e com muita ternura”. Ao mesmo tempo, Francisco agradeceu ao jesuíta por sua “capacidade de estar próximo do povo, com a proximidade que tinha Jesus e reflete a proximidade de Deus”.

“Rezo por teus fiéis, por teus ‘paroquianos’ – expressou o Papa –, por todos aqueles que o Senhor colocou ao teu lado para que os cuide, os proteja e os faça crescer no amor de nosso Senhor Jesus Cristo”, finaliza a carta papal, que vai de encontro à nota oficial publica há dois meses pela Congregação para a Doutrina da Fé, a qual fechava a porta para as bênçãos de casais homossexuais porque “a Igreja não abençoa, nem pode abençoar o pecado”.

 

Doutrina da Fé e as bênçãos proibidas

O escrito, que não foi assinado por Bergoglio mas contava com sua aprovação (ou, ao menos, seu conhecimento), foi um balde de água fria nas aspirações dos coletivos LGBTQIA+ cristãos, que esperavam que, com este pontífice, abrir-se-ia definitivamente a porta à igualdade de direitos na Igreja.

“A bênção das uniões homossexuais não pode ser considerada lícita”, apontava a nota, que apontava que “não existe nenhum fundamento para assimilar ou estabelecer analogias, nem sequer remotas, entre as uniões homossexuais e o desígnio de Deus sobre o matrimônio e a família”.

Em outro momento, Bergoglio mostrou-se “muito preocupado” pelo dano causado aos coletivos LGBTQIA+ cristãos depois do “Não” da Congregação para a Doutrina da Fé à bênção de casais homossexuais, e por não ter medido as consequências de ter dado sua aprovação à publicação do texto.

De fato, poucos dias depois, o Papa arremetia contra os que semeavam “condenações teóricas” a tudo o que saía da suposta norma, e convidava a evitar “as pretensões de legalismo ou moralismo clericais”. Posteriormente, a Santa Sé não fez nenhum comentário, nem proibiu o movimento de boa parte da Igreja Alemã, que no último 10 de maio convocou uma grande bênção de casais do mesmo sexo nos templos católicos.

E há poucos dias, Francisco nomeou Juan Carlos Cruz, uma das vítimas de Karadima e homossexual assumido, membro da Comissão Antipedofilia. Nesta mesma quinta-feira, Bergoglio voltou a receber Cruz, a quem já havia dito, diante de sua pergunta sobre se poderia receber a bênção sendo gay: “Sabe, Juan Carlos, isso não importa (...) Deus te fez assim. Deus te ama assim, ame-se e não se preocupe com o que as pessoas dizem”.

 

O Vaticano, Espanha e a transfobia

A carta a James Martin supõe, em todo caso, um marco, pois é a primeira vez que mesmo Papa de Roma fala de ministério na hora de falar de pastoral LGBTQIA+, respaldando publicamente o religioso norte-americano, alvo marcado pelas iras dos setores ultraconservadores por sua defesa da igualdade de direitos dos católicos na Igreja, independentemente de sua condição sexual.

Contudo, a polêmica se arrastra pelo Vaticano a um contínuo ‘aperta e solta’ no tocante à homossexualidade. Assim, na última semana, o ‘ministro’ de Relações Exteriores da Santa Sé, Paul Richard Gallagher, enviava uma “nota formal” de protesto ante a próxima aprovação da lei contra a Homofobia e a Transfobia na Itália, ao considerar que poderia “violar a Concordata”, assinada nos tempos de Mussolini (1929) e que se consagram as relações entre Igreja e Estado no país.

A situação chegou a tal ponto que o primeiro ministro italiano, o católico Mário Draghi, foi enfático na semana passada ao recordar à Santa Sé que a Itália é um “Estado laico, não confessional”, o que motivou que o secretário de Estado, Pietro Parolin, tratasse de explicar que o Vaticano não quis se intrometer em assuntos italianos, mas sim “esclarecer” as dificuldades que alguns aspectos da lei poderiam ter nos centros de educação católica. Seja como for, o certo é que, por muitas cartas ou reflexões de Bergoglio, a Igreja Católica em seu conjunto (e a espanhola, lamentavelmente, não é uma exceção) tem um problema, e muito sério, com a diversidade sexual.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um gesto histórico do Papa que rompe com séculos de perseguição ao coletivo LGBTQIA+ na Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV