O cardeal Zuppi regressou de uma viagem à China. Segundo o especialista: “Pequim reconhece o papel político e diplomático do Vaticano na Ucrânia”

Mais Lidos

  • “O sínodo é como uma atualização do Vaticano II para o terceiro milênio”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vattimo, Cristianismo, a verdade. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • Os de cima vêm com tudo. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Setembro 2023

O cardeal Matteo Zuppi regressa da China, quarta etapa da missão pela paz na Ucrânia que Bergoglio lhe confiou.

A entrevista é de Alessandra Colarizi, publicada por Il Fatto Quotidiano, 15-09-2023.

Ontem o cardeal encontrou-se com o representante chinês para a Eurásia, Li Hui, numa “atmosfera aberta e cordial”. Os dois discutiram a “guerra na Ucrânia e as suas consequências dramáticas, sublinhando a necessidade de combinar esforços para promover o diálogo e encontrar caminhos que conduzam à paz”.

O que esperar da visita?

Perguntou a Francesco Sisci, especialista nas relações entre a China e o Vaticano.

A visita de Zuppi à China foi definida por muitos como “histórica”. Você compartilha dessa opinião? “Histórico” me parece um pouco exagerado. Não é a primeira vez que um cardeal vai à China. Houve as missões de Etchegaray, do Arcebispo McCarthy, de Ravasi... Zuppi não é o primeiro e não será o último cardeal a ir à China. No entanto, é certamente uma missão interessante porque a China reconhece o papel “político e diplomático” do Vaticano na questão da guerra na Ucrânia. Neste sentido, é uma indicação muito útil do nível de atenção que a China dá ao Vaticano.

O que você acha que Pequim quer ganhar com a visita de Zuppi?

Recordemos que a China apresentou um “plano de paz” em fevereiro, embora muitos o considerem um gesto simbólico dada a imprecisão do documento. A China quer fazer rolar a bola diplomática, independentemente dos cargos ocupados. O documento de posição neste caso demonstra a sua utilidade porque atribui um papel potencial à China. O Vaticano, de certa forma, está a fazer um favor a Pequim. No sentido de incluir a China na lista de capitais a consultar. Na realidade, portanto, a Santa Sé está atribui à China um peso que talvez outros países não queiram atribuir-lhe. A própria Rússia não está exatamente convencida do papel chinês na paz na Ucrânia. Portanto, em muitos aspectos, é um favor do Vaticano à China.

O que você acha que a Santa Sé quer – ou pode – obter com a visita de Zuppi?

As intenções declaradas são que a China pressione a Rússia para alcançar a paz. O Vaticano está se movendo para tentar de todas as maneiras encontrar um caminho que permita alcançar a paz.

Pressões que podem ser realistas, na sua opinião?

Na realidade, penso que nem a China quer “pressionar” a Rússia, nem a Rússia está disposta a aceitar a pressão chinesa. A interação entre a China e a Rússia é muito delicada. Os dois países são muito cuidadosos com as posições que cada um assume em relação ao outro. Então, na realidade, a Zuppi não consegue muito. Mas o interessante é que, como dizíamos, a bola continua girando.

Você acha que o Vaticano aproveitou a visita para tratar de questões mais bilaterais?

Estou a pensar, por exemplo, na nomeação unilateral do bispo de Xangai. Absolutamente não. O Vaticano, que é uma estrutura séria, sempre separa responsabilidades. As questões bilaterais – como também disse o Papa – são confiadas à Secretaria de Estado e ao Cardeal Parolin. São relatos delicados demais para quem não tem conhecimento dos detalhes da partida. O mandato de Zuppi é não falar sobre questões bilaterais porque o diabo está nos detalhes e o Vaticano tem muito cuidado para não trabalhar com o diabo.

Você acha que a nomeação do novo cardeal de Xangai, Shen Bin – que foi seguido primeiro pelo protesto e depois pela aprovação da Santa Sé – comprometeu o acordo sobre as nomeações episcopais assinado em 2018?

Acredito que o problema foi completamente resolvido. Na verdade, vimos que o Papa nomeou separadamente Shen Bin (endossando a escolha de Pequim(.

Talvez até a mensagem que Bergoglio enviou da Mongólia ao “nobre povo chinês” tenha servido como um gesto de relaxamento...

Em certo sentido, talvez o oposto seja verdadeiro. Como é habitual quando viaja por outros países, o Papa enviou uma mensagem à China. Desta vez, porém, a resposta de Xi Jinping chegou imediatamente, enquanto em outras ocasiões demorou um pouco para esperar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O cardeal Zuppi regressou de uma viagem à China. Segundo o especialista: “Pequim reconhece o papel político e diplomático do Vaticano na Ucrânia” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU