China proíbe bispos e fiéis católicos de se juntarem ao Papa Francisco na Mongólia

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Setembro 2023

Nenhum bispo da China continental foi autorizado a viajar para a Mongólia, já que o Papa Francisco faz a primeira visita do líder da Igreja Católica a este vasto país sem litoral, imprensado entre a China e a Rússia.

A reportagem é de Gerard O'Connell, publicada por America, 31-08-2023.

A revista America soube através do Vaticano e de outras fontes informadas, que não foram autorizadas a falar oficialmente, que embora as autoridades de Pequim tenham permitido que o avião da ITA Airways no qual o papa viaja sobrevoasse o espaço aéreo da China no voo de Roma para Ulaanbaatar e no seu voo de regresso, não permitiram que nenhum bispo ou católico da China continental viajasse para a capital mongol para a visita do papa. A ordem que proíbe os bispos e católicos de viajarem à Mongólia para se juntarem ao papa veio do Departamento de Trabalho da Frente Unida do Partido Comunista Chinês.

A China e a Santa Sé assinaram um acordo provisório sobre a nomeação de bispos na China continental em 22 de setembro de 2018, e tem havido um diálogo entre os dois lados, embora a relação não seja isenta de dificuldades. A proibição será uma fonte de decepção para o Papa Francisco e para a Santa Sé, especialmente tendo em conta que desde a assinatura do acordo provisório, que foi renovado duas vezes – em outubro de 2020 e Outubro de 2022 – todos os bispos católicos da China continental estão agora em comunhão com o papa, incluindo aqueles que foram originalmente nomeados pelo governo sem a aprovação do Vaticano. A ordem deixa claro que os bispos da China continental não gozam da mesma liberdade que os bispos de outros países têm hoje para se encontrarem com o papa ou participarem em eventos eclesiásticos universais.

Ao mesmo tempo, America soube que três bispos chineses de Hong Kong e Macau chegaram à capital mongol. O cardeal John Tong Hon, bispo emérito de Hong Kong, veio com um grupo de 30 católicos daquela diocese. O atual bispo de Hong Kong, o cardeal eleito Stephen Chow, SJ, também chegou, assim como o bispo de Macau, Stephen Lee Bun-sang.

As autoridades chinesas não deram uma razão para proibir os bispos do continente de viajarem para a Mongólia, disse uma fonte à America. Dadas as boas relações entre a Mongólia e a China, a ordem parece refletir não só o atual estado desconfortável das relações Sino-Vaticano, mas também o medo que o Partido Comunista Chinês tem da religião, em geral, e do Cristianismo, em particular. Embora a Mongólia tenha seguido uma política mais independente desde que recuperou a sua independência total no início da década de 1990 (o país foi um estado satélite da União Soviética durante grande parte do século XX), ainda assim goza de relações amistosas com a China, e a China, por sua vez, tornou-se o maior parceiro comercial da Mongólia e fonte de investimento estrangeiro, de acordo com as Nações Unidas.

Bispos de vários países asiáticos também se juntarão ao Papa Francisco em Ulaanbaatar, a capital onde vive quase metade dos 3,4 milhões de cidadãos da Mongólia e onde o papa permanecerá até 4 de setembro, quando regressará a Roma. Estes bispos incluem o Cardeal Yeom Soo-Jung e outros bispos da Coreia do Sul, o Cardeal Francis Xavier Kriengsak Kovithavanij da Tailândia, e bispos do Vietname, Cazaquistão, Quirguistão e Azerbaijão. O cardeal arcebispo de Yangon, Mianmar, Charles Maung Bo, presidente da Federação das Conferências Episcopais Asiáticas, também deverá estar presente na Mongólia para a visita do Papa.

Além de muitos dos mais de 1.400 católicos mongóis das nove paróquias desta vasta terra onde a Igreja Católica voltou a existir nos últimos 30 anos, também estarão na presentes católicos da Coreia, de Hong Kong e de outros países. dos cerca de 3.000 fiéis que assistirão à missa que o Papa Francisco celebrará na Steppe Arena, em Ulaanbaatar, na tarde de domingo, 3 de setembro.

Na manhã de domingo, um importante evento ecumênico e inter-religioso acontecerá no Teatro Hun da capital. Os católicos juntar-se-ão a representantes de outras religiões, incluindo os do budismo de influência tibetana da Mongólia, que é a religião de cerca de 50% da população.

No voo de quase nove horas e meia de Roma a Ulaanbaatar, o Papa Francisco foi acompanhado pelos cardeais Pietro Parolin, secretário de Estado; Miguel Ángel Ayuso Guixot, prefeito do Dicastério para o Diálogo Inter-religioso; Kurt Koch, prefeito do Dicastério para as Relações Ecumênicas; e os arcebispos Edgar Peña Parra, substituto da secretaria de estado, e Paul Gallagher, secretário para as relações com os estados. O cardeal Luis Tagle, prefeito do Dicastério para a Evangelização dos Povos, já chegou à capital mongol. Sessenta e seis funcionários da mídia credenciados pelo Vaticano, incluindo o correspondente americano no Vaticano, também acompanham o papa no avião, juntamente com a segurança do Vaticano e o pessoal médico.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

China proíbe bispos e fiéis católicos de se juntarem ao Papa Francisco na Mongólia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU