Welby propõe tirar Canterbury dos instrumentos anglicanos de comunhão

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Fevereiro 2023

Ventos de mudança uivando através da Comunhão Anglicana.

A reportagem é de George Conger, publicada por Anglican.ink, 12-02-2023.

O Arcebispo de Canterbury abrirá mão de sua autoridade como o primeiro entre iguais entre os primazes da Comunhão Anglicana à luz da adoção de bênçãos gays pelo Sínodo Geral da Igreja da Inglaterra.

Falando na cerimônia de abertura da reunião do Conselho Consultivo Anglicano em Acra, Gana, em 12 de fevereiro de 2023, o Reverendíssimo Justin Welby declarou: “Não me apegarei a um lugar ou posição como um Instrumento de Comunhão”.

Sua concessão vem um dia antes de 12 dos primazes afiliados à Global South Fellowship of Anglicans se reunirem para oferecer uma resposta unida à votação da semana passada no Sínodo Geral. A decisão de introduzir bênçãos para pessoas do mesmo sexo, sem buscar um fundamento bíblico ou teológico para a decisão, ou respeitar os acordos da igreja com outras províncias anglicanas, levou as maiores províncias (Nigéria, Ruanda, Uganda e Quênia) a romperem a comunhão.

O ex-arcebispo de Alexandria, o reverendo Mouneer Anis do Egito, argumentou que o líder da Igreja da Inglaterra não deveria mais ser automaticamente o líder do mundo anglicano, um entendimento que só surgiu desde meados do século XX, mas selecionados pelos primazes (ou arcebispos) entre suas fileiras.

Em seu discurso ao Conselho Consultivo, Welby defendeu a autonomia da Igreja da Inglaterra contra as exigências feitas por outras províncias da comunhão para que ela se conforme com a doutrina cristã tradicional. Para proteger a autonomia da Igreja da Inglaterra, ele estaria disposto a se afastar de seu papel como instrumento de comunhão – uma das quatro organizações sugeridas pelo Relatório da Virgínia em 1997 (mas nunca adotadas formalmente pela comunhão) como focos de autoridade ou influência na 42 comunhão da igreja.

Welby disse:

“O papel do Arcebispo de Canterbury, a Sé de Canterbury, é histórico. Os instrumentos devem mudar com o tempo.”

“Não vou me apegar a um lugar ou posição. Eu considero isso muito levianamente, desde que os outros Instrumentos de Comunhão escolham a nova forma, que não sejamos comandados por pessoas, chantageados, subornados para fazer o que os outros querem que façamos, mas que ajamos em boa consciência diante de Deus buscando uma juiz que não é para o nosso poder, mas existe para o novo mundo com suas ameaças extraordinárias e terríveis. Proclamar Cristo e transformar nossas oportunidades em realidades para abençoar o mundo.”

“Esse é o teste.”

“Estamos em uma verdadeira crise mundial, na qual o sul global, embora economicamente mais pobre, é em muitos aspectos mais rico em cultura e comunidade.”

“Uma crise, como todos sabemos, é um momento de decisão e as igrejas e a Comunhão devem ouvir o Espírito Santo. E embora a doutrina e as ações sejam chamadas a ser as mesmas, sempre as Cinco Marcas, o Quadrilátero, esses são nossos fundamentos.”

“Os instrumentos podem mudar. O pecado deve ser condenado. Devemos buscar a Cristo e obedecer.”

“Mas é aí que encontramos nossa dificuldade, porque, como brincou o bem-educado, mas extremamente rude, Sínodo Geral Inglês na semana passada, estamos profundamente em desacordo, não por falta de integridade, corrupção, mentira ou rendição à cultura, mas porque interpretamos as Escrituras de maneira diferente, entendemos a obra do Espírito de maneira diferente e olhamos para essas coisas com lentes culturais diferentes. E, portanto, todos estão sempre errados em algum grau.”

A declaração do arcebispo será vista como uma traição por alguns membros da Igreja da Inglaterra de seu papel histórico entre as igrejas anglicanas. No entanto, a rendição de Welby evita um confronto direto com os primazes que o veriam afastado da liderança.

A retirada da Inglaterra do centro do cenário mundial da Igreja também dá ao arcebispo tempo para consolidar seus flancos dentro da Igreja da Inglaterra – enfrentando desafios da esquerda que buscam a plena aceitação do casamento gay, não apenas bênçãos, e da direita que buscam um retiro pelo sínodo sobre as bênçãos gays, ou a criação de uma província ou organização separada para tradicionalistas dentro da Igreja da Inglaterra que não esteja sujeita à hegemonia liberal do colégio de bispos e dos administradores da Church House.

Não está claro como os primazes do Sul Global responderão a essa mudança de tática. No entanto, animosidades pessoais entre o arcebispo Welby e alguns de seus confrades entre os primazes africanos, que não confiam nele, tornam provável que este seja apenas o estágio inicial da descolonização da Comunhão Anglicana.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Welby propõe tirar Canterbury dos instrumentos anglicanos de comunhão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU