Igreja Anglicana. Bispos em conflito sobre casamento de homossexuais

Mais Lidos

  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Dezembro 2022

Nos próximos meses, o longo debate da Igreja da Inglaterra sobre o casamento homossexual pode voltar às manchetes.

A reportagem é de Catherine Pepinster, publicada por Religion News Service, 12-12-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

É uma manchete que poderia ter sido veiculada em qualquer momento das últimas três décadas: O Arcebispo de Canterbury, o primaz da Igreja da Inglaterra e o chefe cerimonial da Comunhão Anglicana mundial, tenta equilibrar as visões conservadoras e as progressistas sobre a aceitação LGBTQIA+ em nome da unidade da Igreja.

Durante anos, os arcebispos sublimaram seus próprios pontos de vista, sabendo que desafiar o ensino tradicional ameaçaria a existência da Igreja e da Comunhão. Não contestá-la, no entanto, criou problemas entre as Igrejas nas democracias liberais.

Agora, essa longa história pode estar chegando ao fim.

Nesta semana, os bispos da Igreja da Inglaterra estão reunidos para finalizar as propostas a serem apresentadas em uma reunião em fevereiro do órgão governante da Igreja, o Sínodo Geral, sobre o casamento entre casais do mesmo sexo. O documento que eles discutirão, “Viver com amor e fé”, enfoca muitos tópicos sob a rubrica de amor e casamento, mas são os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo que são os mais nevrálgicos.

A reunião ocorre quando o apoio ao casamento para casais gays está crescendo dentro da Igreja, principalmente entre os membros evangélicos do episcopado que há muito se opõem a ele. Mas se os bispos decidirem recomendar uma mudança na doutrina, eles sabem que isso terá consequências muito além das fronteiras inglesas na Comunhão Anglicana.

No final de julho deste ano, na reunião de todos os bispos da Comunhão Anglicana, conhecida como Conferência de Lambeth, o atual arcebispo de Canterbury, Justin Welby, tentou apaziguar os bispos conservadores reafirmando uma declaração de 1998 de que sexo gay é pecado, enquanto tranquilizava os liberais dizendo que iria não punir as Igrejas nacionais na Comunhão que permitem que os padres se casem com casais do mesmo sexo. Bispos conservadores do Sul Global chamaram a recusa de Welby de disciplinar as Igrejas sobre o casamento gay de “uma posição lamentável”, mas nenhum ameaçou sair.

Agora Welby arriscou enfurecer os dois lados novamente, quando disse ao jornal The Times, antes da reunião de dois dias dos bispos nesta semana, que não diria o que ele pensa sobre o casamento para cristãos LGBTQIA+. Ele se recusou a divulgar suas opiniões sobre o assunto, disse ele, porque era seu papel ser uma fonte de unidade.

“Não tenho certeza se poderei dizer durante meu tempo neste trabalho. Posso expressar meu próprio ponto de vista enquanto conheço minha própria mente – e isso não muda”, disse ele.

“Mas o papel do arcebispo é ser um foco de unidade. Isso não é apenas conveniente ou pragmático. No pensamento cristão, isso faz parte do chamado de Deus aos líderes da Igreja. Portanto, tenho que estar convencido diante de Deus de que é o momento certo para fazê-lo – e não apenas politicamente”.

Mas se Welby está mantendo seu próprio conselho, vários clérigos seniores estão começando a expressar publicamente suas opiniões. A declaração mais significativa veio de Steven Croft, bispo de Oxford, no início de novembro, quando publicou um ensaio de 50 páginas instando a Igreja a suspender a proibição do casamento homossexual.

Croft disse que está em jogo a reivindicação da Igreja de servir a toda a sociedade e que sua postura discriminatória contra a população LGBTQIA+ “está levando a um deslocamento radical entre a Igreja da Inglaterra e a cultura e a sociedade que estamos tentando servir”. Citando a dor que ele acredita que a Igreja causou às pessoas LGBTQIA+, ele observou que “muitos, é claro, desistiram da Igreja em diferentes pontos de suas vidas por sua angústia acumulada”.

A intervenção de Croft foi notável não apenas porque ele foi o primeiro bispo diocesano a falar, mas porque ele é um evangélico que anteriormente se opôs ao casamento entre pessoas do mesmo sexo com base nas Escrituras. Em seu ensaio, ele disse que mudou de ideia e se desculpou por ações, “e falta de ação”, disse ele, que “causaram mágoa genuína, desacordo e dor”.

O bispo também baseou seu pensamento revisado nas Escrituras, referindo-se ao comentário de Cristo no Sermão da Montanha de que “uma árvore boa não pode dar frutos ruins, nem uma árvore ruim dar frutos bons”. A situação atual, disse Croft, estava produzindo frutos ruins.

“Existem frutos ruins da aceitação da bênção desses relacionamentos? Se houver, não posso vê-lo… No geral, nossa sociedade foi enriquecida, não diminuída, pelo encorajamento de uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo”, disse ele.

Ele também argumentou que Cristo, ao dar a Pedro as chaves do Reino, permitiu que a Igreja desenvolvesse sua ética, desde que esse desenvolvimento fosse consistente com os princípios do amor.

Cinco outros bispos anglicanos apoiaram Croft, com o bispo de Worcester, John Inge, e o bispo de Dudley, Martin Gorick, dizendo que se abrem a casamentos homossexuais na Igreja. Inge, como Croft, se desculpou, dizendo em um tuíte: “Estou condenado por ficar em silêncio por muito tempo”.

Uma das ativistas anglicanas mais conhecidas sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, Jayne Ozanne, disse que ela e outras pessoas LGBTQIA+ foram reduzidas às lágrimas pela posição de Croft e particularmente por seu pedido de desculpas.

“Foi importante porque ele se desculpou pelo mal que foi feito e pela dor infligida por essa negação. Ele quebrou o silêncio que os bispos impuseram a si mesmos e foi crítico em ajudar os outros a definir seus pensamentos, e ele fez isso mantendo seu pensamento bíblico”, disse Ozanne. “Isso foi crucial”.

O porta-voz de Croft, Steven Buckley, disse que a resposta dos leigos também foi amplamente favorável. “O retorno da população foi avassalador e muito comovente de se ver; aproximadamente 75% das mensagens eram positivas e de apoio à recomendação feita no ensaio”.

Uma pesquisa realizada pela Campanha por Casamento Igualitário na Igreja da Inglaterra, publicada em outubro, constatou que 1.100 padres disseram que estariam dispostos a realizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo, e pesquisas realizadas como parte do projeto “Viver com Amor e Fé” revelou que muitos fiéis anglicanos querem mudanças.

Mas tanto os que apoiam as mudanças quanto os que querem manter o ensino tradicional sobre o casamento exortaram os bispos a fazer uma recomendação clara e acabar com o que chamaram de declarações “indecisas”.

Para alguns, essa é a falha fatal no ensaio de Croft, pois ele sugere que a decisão de acabar com a proibição do casamento entre pessoas do mesmo sexo também deveria oferecer uma exceção para os tradicionalistas. O clero e as paróquias que não concordam com o casamento homossexual devem ter o direito de “distanciar-se das partes da Igreja que acolhem e afirmam as relações LGBTQIA+”.

“Não se pode ter compromisso com a ofensa”, disse Ozanne. “Não se tem Igrejas que são racistas e outras que não são”.

“Esta é a ideia de que a unidade importa a todo custo”, acrescentou ela. “Mas a verdade importa”.

Outros querem conceder permissão aos padres para abençoar uniões civis não conjugais, se assim o desejarem. O bispo de Southwark, Christopher Chessun, disse ao seu próprio sínodo diocesano: “A política da Igreja em relação às parcerias civis é a realidade de nossa situação atual… Apoio uma provisão pastoral generosa que respeita a liberdade de consciência ao fornecer uma liturgia de afirmação e compromisso para casais do mesmo sexo e uma cláusula de consciência que significa que nenhum padre é obrigado a oficiar em tal serviço”.

Ao mesmo tempo, disse Chessun, há problemas para a população LGBTQIA+ dentro da Igreja da Inglaterra, dizendo que “não é seguro para pessoas em uniões do mesmo sexo”.

Casais homossexuais estão sendo acolhidos em outras Igrejas Anglicanas próximas. A Igreja Episcopal Escocesa realiza casamentos entre pessoas do mesmo sexo (e o clero na Escócia disse que fica feliz em casar casais da Igreja da Inglaterra ou de outro lugar). A Igreja no País de Gales oferece bênçãos a casais homossexuais casados civilmente.

Mas os problemas de Welby estão mais distantes. Qualquer que seja a decisão dos bispos ingleses em fevereiro, a conservadora Conferência Global do Futuro Anglicano (conhecida como Gafcon, pela sigla em inglês), cujos membros incluem os arcebispos de Ruanda, Uganda e Nigéria, bem como líderes de Igrejas Anglicanas que se separaram da Comunhão, se reunirá em abril em Kigali, Ruanda. O foco deles será a insatisfação com as igrejas que aceitam casais homossexuais e o que eles veem como falta de disciplina rígida de Welby.

Até agora, eles não ameaçaram abandonar a Comunhão com base em como a Igreja da Inglaterra vota, mas alguns sugeriram que, se a votação não for a favor deles, será a Igreja da Inglaterra que sairá, não eles.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja Anglicana. Bispos em conflito sobre casamento de homossexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU