Bispos anglicanos de Uganda vão boicotar a Conferência de Lambeth 2020

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Junho 2018

No coração do protesto, estão as divergências existentes sobre a questão dos casamentos gays dentro da Comunhão Anglicana Mundial.

A reportagem é de Riforma.it, 26-06-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O arcebispo de Uganda, Stanley Ntagali, que lidera uma das Igrejas mais conservadoras da Comunhão Anglicana, confirmou na semana passada que os bispos da Uganda não participarão da Conferência de Lambeth de Londres – encontro de periodicidade decenal que reúne os representantes da Comunhão Mundial Anglicana – planejada para 2020.

A notícia foi dada na semana passada enquanto ocorria em Jerusalém a Global Anglican Future Conference (GafCon) – rede formada em 2008, que reúne os bispos anglicanos da área conservadora – da qual participaram mais de 300 pessoas, das quais 70 eram bispos.

Enquanto o arcebispo anglicano de Jerusalém, Suheil Dawani, ressaltava a urgente necessidade de uma reconciliação entre os anglicanos, Ntgali trovejava: “Como as coisas não mudaram, não iremos a Lambeth 2020”, protestando contra as decisões relativas aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

“A menos que a ordem divina seja restaurada dentro da Comunhão Anglicana, não participaremos de outros encontros organizados por Canterbury.”

Ao longo dos anos, a rede GafCon – que afirma querer redefinir as tradicionais autoridades anglicanas da Igreja da Inglaterra e do arcebispo de Canterbury – defendeu aquelas Igrejas que, nos diversos países, se contrapuseram à Igreja Anglicana oficial, como por exemplo a Igreja Anglicana na América do Norte, a Missão Anglicana na Inglaterra e a Nova Igreja Anglicana no Brasil.

Em um discurso programático, o arcebispo de Toda a Nigéria, Nicholas Okoh, declarou: “Não aceitamos que o ofício do arcebispo de Canterbury defina a identidade e o pertencimento anglicanos. Canterbury ocupa uma posição privilegiada na difusão do Evangelho em todo o mundo”, mas – especifica Okoh – não deveria “distorcer o Evangelho”, eliminando ou silenciando aqueles textos que possam ofender a sensibilidade de alguns, pois “o Evangelho sem ofensa é um Evangelho vazio”.

Em particular, o arcebispo nigeriano criticou o compromisso de Justin Welby, arcebispo de Canterbury e primaz da Comunhão Anglicana, de “caminhar juntos”, promovido em um encontro no ano passado, do qual tanto Ntagali quanto Okoh se recusaram a participar.

“Se caminharmos junto com aqueles que negam a fé ortodoxa em palavras ou ações, afirmamos que a ortodoxia é facultativa”, afirmou Okoh.

Criticando o Ocidente e a Igreja da Inglaterra oficial, ele acrescentou: “Tragicamente, o Evangelho se perdeu nas nações do Ocidente, porque as Igrejas perderam a essência do Evangelho”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos anglicanos de Uganda vão boicotar a Conferência de Lambeth 2020 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU