Homossexualidade, uma reivindicação “colonial” da Igreja Ocidental? Artigo de Isabelle de Gaulmyn

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

"A inculturação, incentivada pelo Concílio Vaticano II, permaneceu em um nível quase folclórico, sem realmente entender o que significava “o ethos cultural das sociedades africanas”, como diz o Cardeal Fridolin Ambongo".

A opinião é de Isabelle de Gaulmyn, editora-sênior do La Croix e ex-vaticanista. O artigo foi publicado por La Croix International, 03-02-2024.

Eis o artigo.

Os padres africanos não abençoarão casais do mesmo sexo, escreveu o cardeal Fridolin Ambongo, Arcebispo de Kinshasa (RD-Congo), em nome do seu continente. Esta resposta africana ao documento do Vaticano (Fiducia supplicans) que autoriza, fora do quadro litúrgico, as bênçãos dos casais homossexuais pode suscitar incompreensão em nós, ocidentais, ou até mesmo desaprovação por uma atitude que consideramos fechada, baseada em nossos valores.

É preciso ler o texto com atenção: essas bênçãos “não podem ser alcançadas em África sem exposição aos escândalos”, escreve o cardeal, que acredita que a teologia deve ser adaptada às especificidades culturais.

“Não consideramos apropriado que África abençoe as uniões homossexuais porque, na nossa contexto, estaria em contradição direta com o ethos cultural das comunidades africanas".

Este “não” vai além dos casais homossexuais. Expressa um sentimento que está crescendo em igrejas africanas contra aquilo que certos bispos e teólogos africanos já não hesitam em chamar de termo "neocolonialismo". Por exemplo, durante a primeira sessão do Sínodo sobre a sinodalidade, no outono passado, os participantes da África Subsariana assimilaram este problema a uma “preocupação ideológica ocidental”, uma nova forma de “colonização”.

O questionamento do passado colonial está em toda parte hoje, e não há razão para a religião estar lá escapar. Quer você queira ou não, a colonização, para esses povos, continua sendo a expressão de uma derrota cultural e político, mas também religioso. A inculturação, incentivada pelo Concílio Vaticano II, permaneceu em um nível quase folclórico, sem realmente entender o que significava “o ethos cultural das sociedades africanas”, como diz o Cardeal Fridolin Ambongo.

“A Igreja chegou com uma cultura em outra cultura”, observou o documento africano de preparação para o Sínodo, acreditando que era necessário ouvir “as práticas culturais que foram ignoradas ou condenadas, ou suprimidas pela cultura ocidental através da qual o Evangelho foi transmitido pregou aos africanos." Sabendo que hoje um em cada cinco católicos vive em África, a afirmação de a “descolonização” não deve ficar sem resposta.

É claro que o não dos bispos africanos é explorado pelos vários prelados inimigos do Papa Francisco, mesmo na África. Mas, mais profundamente, obriga-nos a revisitar a noção de universalismo, que é uma forma de diferente para traduzir o adjetivo católico. O que é universal nos nossos valores católicos e o que não é? Aimé Césaire, grande pensador da negritude, que dizia entender a religião como fraternidade, assim se expressou: “Há duas maneiras de se perder: com a segregação encerrada no particular, ou com diluição no universal”. A homossexualidade é universal, não cultural. Mas o reconhecimento do casal homossexual nas sociedades, não. Contudo, se a dignidade da pessoa humana, de cada pessoa, é um dos fundamentos do catolicismo, os bispos africanos devem lutar contra a criminalização da homossexualidade e pelos direitos homossexuais no continente. E não o fazem.

Pode-se notar também que o texto do Vaticano, que procura, além dos casais do mesmo sexo, levar em consideração toda a diversidade de situações dos casais ditos “irregulares” (recasados, concubinato...), propõe uma atitude acolhedora que se aplica também à África. No fim, é urgentemente necessário um trabalho importante no Ocidente em torno do “neocolonialismo” da Igreja, a se realizar em conjunto com teólogos africanos que já trabalharam no tema. Somente juntos conseguiremos, na Igreja como em qualquer outro lugar, universalizar o universalismo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Homossexualidade, uma reivindicação “colonial” da Igreja Ocidental? Artigo de Isabelle de Gaulmyn - Instituto Humanitas Unisinos - IHU