Gana, bispos divididos sobre a homossexualidade. Artigo de Luigi Sandri

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Dezembro 2023

"O “sim” ou “não” ao exercício da sexualidade e à convivência de pessoas LGBTQ (homossexuais e outras) está dividindo os vértices da Igreja Católica em Gana, bem como os de outras nações africanas e de outros continentes", escreve Luigi Sandri, jornalista italiano, em artigo publicado por L'Adige, 04-12-2023. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

O “sim” ou “não” ao exercício da sexualidade e à convivência de pessoas LGBTQ (homossexuais e outras) está dividindo os vértices da Igreja Católica em Gana, bem como os de outras nações africanas e de outros continentes. Colocando assim árduos desafios, teológicos e pastorais, ao Papa Francisco e ao conclave que um dia terá de escolher o seu sucessor. No país do Golfo da Guiné, onde os católicos representam 13% dos trinta milhões de habitantes, o Parlamento está prestes a aprovar uma lei que punirá, com penas que vão de três a dez anos de prisão, as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo, ou aqueles que promoverem os direitos das pessoas LGBTQ.

Mas, comentando a prevista legislação, os bispos do Gana – cerca de vinte – elogiaram a lei, agradeceram aos deputados pelo seu trabalho, definiram o comportamento homossexual como “desprezível” e convidaram os países ocidentais a “deter as tentativas incessantes de nos impor inaceitáveis valores culturais estrangeiros ", como a admissão das uniões homossexuais.

Uma condenação desaprovada, no entanto, pelo bispo Peter Kodwo Appiah Turkson, 1948, nomeado cardeal pelo Papa Wojtyla em 2003, e durante anos prefeito do dicastério do Vaticano que hoje se chama “Para o serviço do desenvolvimento humano integral”.

De fato, o cardeal acaba de comentar: “A homossexualidade não deveria ser um crime e as pessoas deveriam ser ajudadas a compreender melhor o assunto. As pessoas LGBTQ não podem ser criminalizadas porque não cometeram nenhum crime. Precisamos de muito trabalho na área educacional para fazer com que as pessoas façam uma distinção entre o que é crime e o que não é”.

Turkson é um dos pouquíssimos prelados africanos que ousam distinguir-se da grande maioria dos coirmãos determinados a condenar e punir (ou fazer punir pelas leis civis) as uniões homossexuais. Diante de pontos de vista tão incompatíveis – que também existem em outros continentes – Francisco tentou até agora uma difícil mediação: compreensão e respeito pelas pessoas LGBT, mas também a inviolabilidade da doutrina expressa no “Catecismo da Igreja Católica”, lançado em 1992 por João Paulo II. Que afirma: “A Sagrada Escritura apresenta as relações homossexuais como graves depravações. A tradição sempre declarou que os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados”.

Hoje, porém, muitos teólogos, teólogas e alguns prelados – levados a pensar por um exame atento das Escrituras; do silêncio de Jesus sobre o tema; das Ciências humanas - consideram que essa “doutrina” deve ser radicalmente repensada. De fato, é filha de premissas religiosas, culturais e filosóficas de um mundo antigo, desconhecedor do que a psicologia moderna descobriu posteriormente. Mas nem todos aceitam as novas descobertas.

O próximo conclave terá que lidar com essa contraposição aguda, a portas fechadas. E será um encontro doloroso, porque a questão LGBT divide tanto o episcopado como os simples fiéis.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Gana, bispos divididos sobre a homossexualidade. Artigo de Luigi Sandri - Instituto Humanitas Unisinos - IHU