Diário de guerra (7). Artigo de Riccardo Cristiano

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Novembro 2023

"Como é que “as identidades se tornam assassinas”? Tomemos, sob esta luz, a ação assassina de 7 de outubro: quantos no Islã foram capazes de condená-la, precisamente por razões superiores de identidade?", escreve Riccardo Cristiano, jornalista italiano, em artigo publicado por Settimana News, 16-11-2023.

Este artigo é continuação da série Diário de Guerra. Confira o primeiro, o segundo, o terceiro, o quarto, o quinto e o sexto.

Eis o artigo.

Como já deixei claro, não pretendo escrever sobre o hospital al Shifa, em Gaza: pouco teria a acrescentar ao muito que se diz, despertando apenas dores e sentimentos. Mas, ao lê-lo, lembrei-me do que escreveu o professor Massimo Borghesi, de forma esclarecedora, em seu lindo livro Il dissidio Cattolica:

"O 11 de setembro (2001) é o acontecimento que marca um divisor de águas entre o antes e o depois, [...] inaugura o mundo maniqueísta em que o Ocidente luta contra o 'eixo do mal' e abre a era da teopolítica fundada no contraste entre amigo e inimigo".

Desde então, não concordo com o método inaugurado justamente naquela ocasião pelos Teocons: a guerra ao terrorismo. A razão é óbvia: a guerra contra o terrorismo envolve populações inteiras e acaba, pela sua natureza, por combatê-las como tais.

Encontrei o fio persistente dessa guerra – obviamente contra o terrorismo – na decisão israelita de explodir o Parlamento em Gaza. Obviamente estava vazio: então ninguém morreu lá. No entanto, era impossível não me perguntar: "Por quê? Por que explodir?"

No tempo de al-Baghdadi – dadas as frequentes comparações entre o Hamas e o ISIS – isto não teria sido possível, pela simples razão de que o ISIS nunca aceitou a ideia de um Parlamento, o polo oposto das suas crenças. Nem o fato de os deputados daquele Parlamento em Gaza serem todos do Hamas também não pode resolver a contradição: se todos fossem do Hamas até 7 de outubro, a própria sobrevivência de um Parlamento poderia ter dado origem à esperança de que, pelo menos depois da guerra, não seria mais assim.

Se você pensar bem, esta é precisamente a razão pela qual o ISIS define aqueles no Hamas como “apóstatas”: porque eles aceitaram a prática de realizar eleições: uma traição a Deus, o único que detém um direito que não prevê eleições.

Dissolver o Parlamento de Gaza numa nuvem de poeira é, portanto, um ato cheio de significado. Quem se incomodou com aquele Parlamento inativo? Seria o símbolo de uma perversão imutável, talvez interna? Não poderia, em vez disso, ser o sinal de um futuro possível que nem mesmo o Hamas foi capaz de apagar?

Se quisessem fazer o que os fuzileiros navais fizeram em Bagdad, ou seja, derrubar a estátua de Saddam, digo que seria errado: ao contrário da estátua do déspota, o Parlamento é um símbolo em si mesmo, não daqueles que o utilizam. O Kremlin existe desde a época dos czares: não creio que uma futura democracia deva destruí-lo.

Assim volto ao que para mim é o problema, o da identidade e da sua doença, o identitarismo. Como perguntou Amin Maalouf, como é que “as identidades se tornam assassinas”? Tomemos, sob esta luz, a ação assassina de 7 de outubro: quantos no Islão foram capazes de condená-la, precisamente por razões superiores de identidade?

Li frases religiosas que tentaram legitimar o 7 de outubro! Mas um terrorista “astuto” como o líder do Hezbollah, Nasrallah, percebeu o verdadeiro problema: ele, um assassino sem sombra de dúvida, mostrou-se consciente da impossibilidade de definir aquele exercício de desumanidade como “glorioso”. Por isso ele disse publicamente que as mulheres e crianças do dia 7 de outubro não tinham sido massacradas pelo Hamas, mas pelo fogo de reação israelita!

Neste momento, outras coisas estão acontecendo. Para entender, estou procurando um relacionamento. Um tribunal francês emitiu – o primeiro na história moderna – um mandado de captura internacional contra um Chefe de Estado, Bashar al Assad, juntamente com o seu irmão Maher. É impossível agir contra um e esquecer o outro.

O facto – como muitas outras coisas na nossa literatura diária – passou despercebido. No entanto, é muito digno de nota. “Se os crimes contra a humanidade o são, então os Estados têm jurisdição universal”, é este o sentido da decisão do tribunal francês, que estabelece um precedente que pode agora ser seguido – como espero – em muitos outros países europeus, ocidentais e não só. E uma vez que os crimes de Assad e dos seus cúmplices estão documentados e são horríveis, o tribunal francês quer proceder a julgamento a pedido dos muitos sírios que foram e que, entretanto, se tornaram cidadãos franceses.

Por que tão pouca atenção? Talvez porque os crimes de Assad não sejam contra a nossa identidade; talvez porque Assad tenha usado o gás venenoso, sarin, para exterminar milhares de árabes, como ele. Podemos dizer “é problema deles”, o que isso importa para nós? E então: a sua também foi chamada de “guerra ao terrorismo”!

Gostaria de chegar à raiz do massacre. A guerra ao terrorismo, já com a utilização do termo guerra, legitima os terroristas, eleva-os a uma categoria militar “reconhecida”, para que todos os métodos e instrumentos da guerra “mundial” contra eles se tornem válidos. Não seria mais lógico, precisamente em virtude da nossa cultura, combatê-los como criminosos, o que são? Infelizmente, não é assim.

Volto ao sentimento coletivo: por que existem crimes que nos deixam quase indiferentes e outros que nos fazem “rasgar a roupa”? Aqui: parece-me que isso acontece quando a guerra se torna, aos nossos olhos, uma guerra entre identidades, na qual a nossa também está envolvida: um excesso de identidade, até à degeneração.

No Iraque houve um desejo de condenar a guerra, mesmo o terrorismo, porque satisfazia a necessidade de condenar a América dos Bush com a sua identidade esmagadora, ao contrário do julgamento sobre os vários Assads ou Putins, "antagonistas" dos EUA e, portanto, um tanto ', justificáveis, ou "amigos problemáticos" - para alguns - do nosso próprio "Cristianismo". Aí é fácil deixar passar, não esquentar muito.

Enquanto o clima “morno” volta a esquentar com uma raiva incontida com outras “identidades”, como acontece em Gaza. O que aconteceu, ao longo de muitos anos, a muitos dissidentes palestinianos, quando o Hamas assumiu o poder, não nos preocupou e continua, essencialmente, a não nos preocupar. Isto passou completamente despercebido por muitos de nós: ainda assim, houve uma luta pelos direitos palestinos mesmo entre as vítimas do Hamas.

A guerra contra o terrorismo também atingiu a Cisjordânia, onde os colonos israelitas estão a expulsar agricultores palestinianos de terras habitadas há séculos, com a inação do exército. Os terroristas islâmicos também estão na Cisjordânia. Mas os milhares de pessoas expulsas, só nos últimos dias, são apenas agricultores e não terroristas perigosos. Mais uma vez o problema é a identidade que se tornou identitarismo.

O Patriarca de Jerusalém D. Pizzaballa falou sobre isso conversando com os bispos italianos. Fiquei muito satisfeito. Fiquei perplexo com o fato de ele ter feito isso por preocupação com a condição da comunidade cristã de Belém. Certamente não é apenas uma questão de identidade, mas de humanidade e de direitos.

Ainda mais problemática pareceu, pelo menos para mim, a decisão de um clérigo libanês de viajar ao sul do Líbano bombardeado para visitar apenas as aldeias cristãs, como se as bombas não caíssem também sobre as outras. Aos muitos cristãos que ainda contam com a sua "diversidade" no Médio Oriente, devo, infelizmente, recordar-lhes que quase nenhuma voz da Síria cristã se levantou contra o massacre estatal de Bashar al-Assad, cujo julgamento está agora a ser solicitado.

Para mim é portanto claro que o identitarismo é a doença mais perniciosa que nos aflige.

Termino minha página com a boa nota de que ainda nos permite lembrar e confiar. O tribunal francês não é composto por juízes de fé muçulmana, nem de etnia árabe, não se sente caracterizado pela identidade: este é o facto importante. É por isso que considero a sua posição valiosa, para todos: para a cultura a que pertencem esses juízes e para as culturas a que se dirigem.

Em suma, esta é precisamente a razão pela qual o Papa Francisco é uma autoridade moral global, e a sua encíclica Fratelli tutti uma bússola, da qual, no entanto, muitos não gostam. Embora para mim pareça o único remédio do mundo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Diário de guerra (7). Artigo de Riccardo Cristiano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU