Mais de 450.000 mortos: o balanço do conflito colombiano

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Julho 2022

 

A Comissão da Verdade colombiana apresentou seu relatório final, que revela que, além dos quase meio milhão de mortos, há 121 mil desaparecidos e 7,7 milhões de deslocados internos. "A centralidade das vítimas é um elemento chave", assegura a Comissão.

 

A reportagem é de José Calderero de Aldecoa, publicada por Alfa & Omega, 07-07-2022.

 

Há pouco mais de uma semana, na terça-feira, 28 de junho, a Colômbia deu um passo de gigante na tentativa de superar definitivamente o conflito armado que literalmente sangrou o país nas últimas seis décadas. O dia começou com a publicação do relatório final da Comissão da Verdade, órgão presidido pelo jesuíta Francisco de Roux e que surgiu do acordo de paz assinado entre o Estado e as FARC em 2016 para dar uma explicação para esta tragédia, cuja principais vítimas foram civis. "No momento apresentamos o que é conhecido aqui como a semente de almendrón, que é a parte central do trabalho que a comissão realizou nos últimos quatro anos", explica o médico e psicólogo espanhol Carlos Martín Beristain, que tem vasta experiência como investigador de violações de direitos humanos e é referência em atenção psicossocial às vítimas, além do único estrangeiro que faz parte da equipe.

 

O núcleo do almendrón é, na verdade, um dos onze capítulos que compõem o relatório final . Há futuro se houver verdade. Tem 896 páginas e é oficialmente intitulado "Descobertas e Recomendações". Explica os fatores de persistência do conflito armado e a saída dele. "É preciso ter em mente que a Colômbia tentou muitas vezes sair da guerra, mas os acordos de paz sempre foram frustrados no último momento." Portanto, “era importante analisar as coisas que alimentaram a guerra e que bloquearam a solução”.

 

 

Para o comissário espanhol, o conflito foi alimentado por dois fatores: a luta pelo poder, "para conquistar um espaço de participação política diante da realidade de ser uma área muito excludente", e a luta pela terra: "A Colômbia um índice de Gini – que mede a desigualdade e a iniquidade dos países – um dos mais altos do mundo em matéria de propriedade da terra». Em uma escala de zero a um, tem uma taxa de 0,92. "Em outras palavras, houve um acúmulo de terra por alguns setores e uma descampesinato das áreas rurais", explica Beristain. Grande parte dessa terra foi adquirida por narcotraficantes, tornando a Colômbia o maior produtor de coca do mundo. Uma fábrica que também serviu para financiar atividades de guerrilha.

 

Outra das recomendações da Comissão da Verdade é a mudança no modelo de segurança do país, pois “isso não tem permitido a proteção da população civil”. A Colômbia tem o segundo maior orçamento militar e militar das Américas, atrás apenas dos Estados Unidos. "A força pública é composta por meio milhão de pessoas, entre militares e policiais, mas isso não impediu que o conflito deixasse nove milhões de vítimas", denuncia Beristain, que atende Alpha e Omega durante sua viagem a Bruxelas para apresentar o relatório. E acrescenta: "Muitas vezes as soluções militares são dadas a problemas que são sociais e que exigem diálogo e negociação".

 

Responsabilidade do Estado

 

O documento, no entanto, começa falando sobre as vítimas, categoria que inclui um em cada cinco colombianos. "A guerra afetou 20% da população." De todos eles, "90% são civis", revela Beristain. O relatório também menciona 50.770 pessoas sequestradas, 121.768 desaparecidas, 450.664 assassinadas e 7,7 milhões deslocadas à força. Perante tanto sofrimento, “o primeiro passo que queríamos dar é reconstruir o tecido social”, para o qual “é necessário começar por descrever o que aconteceu como intolerável e fazer um reconhecimento plural desse sofrimento. A centralidade das vítimas é um elemento-chave”, diz a psicóloga, palavras que são corroboradas pelos mais de 30.000 depoimentos que ouviram na comissão, 14.000 dos quais constam no relatório final.

 

E se há vítimas, há agressores. Os principais têm sido os grupos paramilitares, "o ator mais violento e atroz do país". Na verdade, eles são responsáveis por 45% dos assassinatos cometidos. Fato que aponta diretamente para o Estado, pois “esses grupos trabalharam de mãos dadas com muitos agentes e pessoal das Forças Armadas”. Beristain também culpa os diferentes governos pelo "fato de não terem aberto espaços políticos para a participação democrática, o que claramente alimentou o conflito", ou a falta de proteção da juventude, "o que facilitou o recrutamento".

 

Os guerrilheiros, por sua vez, “são responsáveis por terem mantido a luta armada por tantos anos. Se tivessem assinado a paz em 1999, a Colômbia teria evitado metade da guerra e dos mortos. Finalmente, Carlos Martín Beristain, que trabalhou na Justiça e Paz Colômbia ou na pastoral social do país, aponta para a Igreja. «Ele teve uma visão, alimentada dos púlpitos, na qual descrevia como inimigo quem pensasse diferente. Houve uma parte que apoiou essa lógica do inimigo interno”, conclui o comissário, que, no entanto, sublinha que “há quem tenha tido um papel de destaque na defesa dos direitos humanos”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 450.000 mortos: o balanço do conflito colombiano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU