O Papa a Kirill, a guerra é sempre injusta: “Quem paga são as pessoas”

Mais Lidos

  • Informação falsa envolve Catedral de Brasília e primeira-dama

    LER MAIS
  • O Rito Amazônico toma forma a partir de baixo e das Igrejas locais

    LER MAIS
  • Milei está no fundo do poço de uma esquerda envelhecida. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Março 2022

 

Mesmo que "antigamente em nossas Igrejas se falasse de guerra santa ou guerra justa", hoje "não se pode mais falar assim". De fato, desenvolveu-se a "consciência cristã da importância da paz".

 

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 16-03-2022. A tradução é de Luisa Rabolni.

 

As palavras proferidas por Francisco em uma conversa telefônica com o patriarca ortodoxo de Moscou Kirill confirmam a vontade de fazer tudo para que a guerra termine. E mesmo que não haja uma mediação política da Santa Sé em ato, o Papa está pressionando para que a Rússia e a Ucrânia venham a negociar.

 

Não por acaso, tanto Francisco como Kirill sublinharam a excepcional importância do processo de negociação em curso porque, disse o Papa, "a Igreja não deve usar a linguagem da política, mas a linguagem de Jesus". E mais: "quem paga a conta da guerra são as pessoas, são os soldados russos e são as pessoas que são bombardeadas e morrem". E "como pastores, temos o dever de estar perto e ajudar todas as pessoas que sofrem com a guerra. Nossos corações não podem deixar de chorar diante das crianças, das mulheres mortas, de todas as vítimas da guerra. A guerra nunca é o caminho. O Espírito que nos une nos pede como pastores que ajudemos os povos que sofrem com a guerra".

 

O telefonema de hoje também serve a Francisco para manter abertas as relações com o patriarcado. No domingo passado, no Angelus, o Papa havia tomado implicitamente distância do sermão chocante do patriarca que justificava a guerra como uma ação contra os lobbies homossexuais. E hoje ele confirma sua posição ao confirmar que está ciente de que o que está sendo travada é uma verdadeira guerra: "Não é apenas uma operação militar, mas uma guerra que semeia morte, destruição e miséria", disse não por acaso o secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, durante a missa na Basílica de São Pedro pela paz na Ucrânia, na presença do Corpo Diplomático acreditado junto à Santa Sé.

 

O plano que o Papa seguirá aqui será puramente religioso. Ontem ele convocou, para o próximo dia 25 de março, durante a Celebração da Penitência na Basílica de São Pedro, a consagração ao Imaculado Coração de Maria da Rússia e da Ucrânia. O mesmo ato, no mesmo dia, será realizado em Fátima pelo Cardeal Krajewski, Esmoleiro de Sua Santidade.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa a Kirill, a guerra é sempre injusta: “Quem paga são as pessoas” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU