Morreu Georg Ratzinger, o irmão de Bento XVI

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Julho 2020

Georg Ratzinger, músico e professor de coral, acabou falecendo. O irmão mais velho de Bento XVI morreu nesta quarta-feira. Ele tinha 96 anos e estava doente há tempo. Ele vivia em Regensburg, a cidade onde passou a maior parte de sua longa vida. Nos últimos dias Joseph Ratzinger foi de surpresa visitá-lo com um avião que decolou rumo a Munique de Ciampino. Os dois eram muito próximos. Eles se tornaram sacerdotes no mesmo dia.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 01-07-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Georg foi diretor do coro de vozes brancas na catedral de Regensburg por anos. Realizou centenas de apresentações em todo o mundo, participando de encontros internacionais de coral de música sacra nos Estados Unidos, Escandinávia, Canadá, Taiwan, Japão, Irlanda, Polônia, Hungria, Itália e na Cidade do Vaticano. Ele também se apresentou muitas vezes na Alemanha e na vizinha Áustria. No comando do coro, efetuou inúmeras gravações para os selos Deutsche Grammophon, Ars Musici e outras importantes gravadoras, com vastas produções dedicadas a Johann Sebastian Bach, Wolfgang Amadeus Mozart, Heinrich Schütz, Felix Mendelssohn e muitos outros.

Segundo a investigação de 2017 conduzida pelo advogado Ulrich Weber, encarregado pela Igreja Católica de esclarecer o caso, durante sua direção do coral foram cometidos episódios de violência física, mental e sexual contra menores, dos quais ele teria tido conhecimento. O relatório acredita que ele não tenha tomado providência para impedir os fatos.

Em uma entrevista em 2010, ele admitiu que deu alguns bofetões em menores durante os primeiros anos em que era o diretor do coral. Ele também lembrou que alguns garotos durante as turnês lhe contaram sobre incidentes de violência. No entanto, ele disse que suas histórias não o levaram a pensar que "tinha que intervir de alguma maneira". Entre outras coisas, explicou, a escola preparatória onde os abusos teriam ocorrido é um instituto separado e não há como intervir em sua gestão.

Em 2011, entrevistado por uma revista alemã, Georg Ratzinger disse: "Se ele não tem mais condições do ponto de vista de sua condição física, meu irmão deveria ter a coragem de se demitir". Foi o próprio Georg entre as primeiras a tomar conhecimento da decisão histórica do papa em renunciar ao ministério petrino por razões relacionadas à idade. "A idade pesa - ele comentou -. Meu irmão quer mais tranquilidade na velhice".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Morreu Georg Ratzinger, o irmão de Bento XVI - Instituto Humanitas Unisinos - IHU