Será 2024, tal como 1933, o ano da destruição da democracia? Artigo de Mark Jones

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

Hitler tornou-se chanceler da Alemanha através das urnas. Com eleições a decorrer em muitas partes do mundo, este ano poderá desencadear um ponto de viragem igualmente trágico.

A opinião é de Mark Jones, professor associado de História na University College Dublin, autor de "1923: The Forgotten Crisis in the Year of Hitler's Coup", Basic Books, 2023, em artigo publicado por El País, 02-02-2024.

Eis o artigo.

Em 30 de janeiro de 1933, Adolf Hitler foi nomeado Chanceler da Alemanha. Para os seus seguidores, foi um dia de “revolução nacional” e de renascimento. A Alemanha, na sua opinião, precisava da força restauradora de um homem forte autoritário após 14 anos do “sistema” liberal-democrático de Weimar. Naquela noite, os camisas castanhas de Hitler, armados com tochas, marcharam pelo centro de Berlim para marcar o início de uma nova era.

Foi também um momento triunfante na história do engano popular. Desde os primeiros dias da República de Weimar, a sua política foi definida por campanhas de desinformação, incluindo a mentira de que a democracia de Weimar era o trabalho de uma conspiração de judeus e socialistas que tinham “apunhalado a Alemanha pelas costas” para garantir a sua derrota na Primeira Guerra Mundial.

Hoje, praticamente todos concordam que a chegada de Hitler foi um ponto de viragem na história mundial, o início de um processo político que terminaria na Segunda Guerra Mundial e no Holocausto. Mas Hitler não “tomou o poder”, como afirmaram mais tarde os nazis. Pelo contrário, como explicou o seu biógrafo, Ian Kershaw, ele foi “elevado ao poder” por um pequeno grupo de homens influentes.

Um desses homens foi Franz von Papen, que serviu como chanceler em 1932. Papen (infamemente) pensava que Hitler e o Partido Nazi – de longe o maior partido depois das eleições para o Reichstag de 1932 – poderiam ser usados – para promover uma agenda conservadora. Da mesma forma, o presidente da Alemanha, o antigo Marechal de Campo Paul von Hindenburg, queria usar Hitler para restabelecer a monarquia.

Mas os planos destes conservadores foram rapidamente devastados pela liderança implacável de Hitler, pela violência nazi e pela pressa da população alemã em aderir ao regime e tornar-se parte do prometido renascimento nacional. Os liberais e os social-democratas que se opuseram a Hitler foram vítimas de violência ou presos no seu próprio escapismo otimista. Por pior que as coisas ficassem, garantiram a si mesmos, o regime de Hitler acabaria por desmoronar. As disputas internas nazis provocariam, sem dúvida, o fim do novo governo.

Para além dos liberais e socialistas, uma parcela mais ampla da sociedade alemã presumia que Hindenburg, que havia prometido ser o presidente de todos os alemães, manteria Hitler na linha, enquanto outros esperavam que o exército cuidasse disso. Todos foram enganados pela capacidade de Hitler de parecer respeitável nos anos finais da República de Weimar.

Nos 100 dias que se seguiram à ascensão de Hitler ao cargo de chanceler, como demonstrou o historiador Peter Fritzsche, o impulso implacável dos nazis pelo poder tornou-se claramente evidente. No final do verão de 1933, a sociedade alemã já estava alinhada. Não existiam mais partidos políticos, sindicatos ou organizações culturais independentes. Apenas as igrejas cristãs mantiveram um certo grau de independência.

Um ano depois, no verão de 1934, Hitler ordenou o assassinato de seus rivais internos do partido e, após a morte de Hindenburg, em 2 de agosto, proclamou-se Führer da Alemanha. A sua ditadura foi absoluta. Nessa altura, os primeiros campos de concentração já funcionavam e a economia caminhava para a guerra.

Este período da história ainda é muito relevante até hoje. Centenas de milhões de pessoas votarão numa eleição crucial este ano e, embora os sinais de alerta estejam mesmo diante dos nossos olhos, poucos analistas estão dispostos a dizê-lo em voz alta: 2024 poderá ser o novo 1933.

Imaginem o mundo daqui a um ano, quando a desinformação derrubar maiorias democráticas em todo o mundo. O presidente Donald Trump encerra a ajuda dos EUA à Ucrânia. A OTAN já não é um limite para os sonhos de Vladimir Putin de construir um novo império russo em toda a Europa Oriental. Uma massa crítica de partidos de extrema-direita no Parlamento Europeu está a bloquear uma resposta europeia unificada. A Polônia, a Estônia, a Lituânia e a Letônia são deixadas à própria sorte. Agora que a guerra em Gaza se tornou um conflito regional, Putin aproveita a oportunidade para lançar outro bombardeamento, acompanhado de mísseis de longo alcance. E, no meio do caos, a China decide assumir o controle de Taiwan.

As perspectivas para 2024 são tão sombrias que muitos se recusam a contemplá-las. Tal como os liberais em 1933 previram que Hitler iria falhar rapidamente, hoje as ilusões obscurecem o nosso julgamento. Estamos sonâmbulos – para tomar emprestada a metáfora apropriada de Christopher Clark para o início da Primeira Guerra Mundial – em direção a uma nova ordem internacional.

Na sua magistral história em dois volumes do período entre guerras — The Lights that Failed: European International History 1919-1933; não traduzido — Zara Steiner refere-se a 1929-1933 como os “anos decisivos”, quando o idealismo nas relações internacionais foi substituído pelo “Triunfo das Trevas”. No final de 1926, os liberais pareciam estar a ganhar: o primeiro-ministro francês, Aristide Briand, e o seu homólogo alemão, Gustav Stresemann, partilharam o Prêmio Nobel da Paz pelo seu trabalho na reconciliação franco-alemã, e a Alemanha aderiu à Liga das Nações. O nacionalismo extremo parecia estar isolado na Itália de Mussolini.

Face às crises globais atuais, não há espaço para otimismo. Estamos, potencialmente, em outro ano crucial. Se os progressistas agirem agora, ainda poderão prevalecer.

Num sinal encorajador, centenas de milhares de alemães saíram recentemente às ruas para apoiar a democracia e a diversidade e para denunciar a extrema direita. Mas as manifestações num único país não são suficientes. Outros devem juntar-se aos progressistas alemães em toda a Europa. Uma manifestação continental enviaria uma mensagem poderosa. O sentido de urgência deve aumentar, especialmente para líderes empresariais como o CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, que, protegendo as suas apostas, já começou a contatar Trump.

Há não muito tempo, os líderes europeus uniram-se e fizeram o que era necessário para salvar o euro, porque reconheceram que o fracasso da moeda única significaria o fim da própria União Europeia. Os europeus devem agora exigir a mesma urgência para enfrentar as ameaças deste ano. A UE precisa de um plano para um mundo sem OTAN. Ela precisa de novas ferramentas para lidar com os líderes dos Estados-membros, como o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, e o primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, que preferem beijar o anel de Putin a defender a democracia. É simplesmente inaceitável que Orbán continue a exercer o poder de veto na tomada de decisões da UE.

Nos Estados Unidos, a mobilização política é a grande variável. Os oponentes de Trump devem pôr de lado as suas diferenças e unir fileiras em apoio do presidente Joe Biden. Todos sabemos muito bem aonde a desunião e o otimismo ingênuo podem nos levar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Será 2024, tal como 1933, o ano da destruição da democracia? Artigo de Mark Jones - Instituto Humanitas Unisinos - IHU