Estamos em guerra. Artigo de Tonio Dell’Olio

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

"Mais uma vez, surge a suspeita de que não são as guerras que querem as armas, mas as armas que querem as guerras", escreve Tonio Dell’Olio, padre, jornalista e presidente da associação Pro Civitate Christiana, em artigo publicado por Mosaico di Pace, 05-02-2024. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

E, então, entramos em guerra? Guerra de defesa (como sempre) e, portanto, justa (como sempre).

Guerra pela proteção dos nossos interesses econômicos (como sempre) e não de solo sagrado ou das fronteiras sagradas, porque obstruir a passagem para o Sul do Mar Vermelho "coloca em crise a nossa estabilidade econômica", palavras do Ministro Crosetto (Audiência nas Comissões de Defesa da Câmara e Senado 02/01/2024). Para superar alguma relutância ou reserva, os nossos aliados concederam-nos a "direção táticas" da missão. E estamos orgulhosos disso. Mas não ocorre a ninguém que talvez esta nossa entrada na guerra não seja coerente nem mesmo com a interpretação mais extensiva e elástica do art. 11 da Constituição? Em vez disso, o ministro não perdeu tempo para provocar um acréscimo de exultação aos senhores das armas: "O esforço militar no Mar Vermelho terá de encontrar apoio através de financiamento adicional face ao previsto na lei orçamentária para 2024”. Última pergunta simples e direta: mas alguém tentou falar com esses Houthis? E talvez nós não sejamos muito credíveis como mediadores, uma vez que fornecemos por anos aos sauditas as bombas que os matavam. E então, mais uma vez, surge a suspeita de que não são as guerras que querem as armas, mas as armas que querem as guerras.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estamos em guerra. Artigo de Tonio Dell’Olio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU