As muitas maneiras de viver a fé. Artigo de Enzo Bianchi

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

"Mesmo no primeiro milênio, quando reinava uma unidade precária entre o Oriente e o Ocidente, as duas Igrejas mostravam-se diferentes apesar de manter a mesma confissão de fé no único Deus e na Trinidade divina revelada por Jesus Cristo", escreve o monge e teólogo italiano Enzo Bianchi, prior e fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado por Repubblica, 05-02-2024. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

Nos dois mil anos de história do cristianismo houve muitas formas de viver a fé, pensá-la e transmiti-la, e a diversidade foi atestada no desenrolar da história. Desde o início houve vários cristianismos, não apenas um, e a fé que viviam os pais da Igreja greco-bizantina era diferente da fé da Igreja latina.

Mesmo no primeiro milênio, quando reinava uma unidade precária entre o Oriente e o Ocidente, as duas Igrejas mostravam-se diferentes apesar de manter a mesma confissão de fé no único Deus e na Trinidade divina revelada por Jesus Cristo. É verdade que a Igreja Católica romana conheceu uma certa uniformidade garantida pelo Romano Pontífice, princípio e fundamento da unidade da Igreja, e por isso única era a liturgia em Roma, como no Congo e na China, únicas a lei e a moral com as suas prescrições.

Mas hoje não é mais assim e aquele “mundo mais ideal que real” se estilhaçou. É fácil constatar isso observando os conflitos entre episcopados e entre episcopados e Santa Sé, mas sobretudo parece evidente a diversidade no viver o cristianismo dentro da mesma comunidade cristã.

Essa diferenciação é recente e é enfatizada pelas mídias sociais.

As situações são diferentes nas regiões onde a Igreja Católica está presente; mas na Itália podemos ler essas tendências sem fechá-las como se estivessem numa gaveta. Frequentemente estão presentes católicos incertos, oscilantes e, portanto, não seria correto ler essas tendências de diversidade não permeáveis ​​entre si. Vamos dizer a verdade: alguns católicos ainda estão ligados à tradição, ao que viveram antes do Concílio. Sobre eles ainda está presente o legado pós-tridentino onde a fé era vivida sob a hegemonia do dogma e o jugo da lei. Para eles o cristianismo continua sendo uma obediência e uma observância de leis e preceitos, e Deus é principalmente um Deus de justiça que só pode ser misericordioso quando vê o arrependimento daqueles que cometem erros. Primeiro a verdade deve ser afirmada, depois o amor.

Note-se bem que se na Itália essa presença, que só pratica a liturgia pré-conciliar, é minoritária e envolve poucos jovens, na França e nos EUA é uma minoria que chega a 30-40% com muitos jovens.

Além disso, existe, mesmo que desgastada e inerte, uma parcela de católicos decepcionados pelo pós-Concílio que tem dificuldade de acreditar na novidade do Papa Francisco. São aqueles católicos engajados no voluntariado, no sinal de caridade. Mais ex-militantes do que militantes. Mas frequentam a Igreja, estão presentes na liturgia e mantêm viva a identidade católica.

E finalmente existem as pessoas, o povo de Deus, cristãos comuns que não falam de Igreja ou de religião, mas são crentes, praticam o bem sem rótulos nem ostentação, são pais, mães e filhos de famílias que lutam para viver o sensus fidei, são a multidão que Jesus amava porque o seguia tendo esperança apenas nele. São a maioria do povo de Deus, amam o Papa Francisco e o veem como um profeta que torna o Evangelho uma boa notícia para os pobres, para aqueles que não contam nada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As muitas maneiras de viver a fé. Artigo de Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU