Misericórdia como lugar teológico. Artigo de Jesús Martínez Gordo

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Janeiro 2024

"O que resta fazer para uns e outros? A Francisco - e a nós que estamos do seu lado nessa "conversão" teológica e espiritual - resta apenas ter paciência, continuando a enfatizar a consistência - também racional - da misericórdia de um Deus que nos criou por amor "à sua imagem e semelhança"; incluindo, é claro, os homossexuais; embora essa última consideração não agrade em nada aos partidários da verdade ou da chamada "lei moral natural", escreve teólogo espanhol Jesús Martínez Gordo, presbítero da Diocese de Bilbao e professor da Faculdade de Teologia de Victoria-Gasteiz e do Instituto Diocesano de Teologia e Pastoral de Bilbao, em artigo publicado por Settimana News, 26-01-2024.

Eis o artigo.

Os amigos da Religión Digital me convidam a escrever algumas linhas em apoio ao Papa Francisco que - espero - nos ajudarão a compreender o significado de seu pontificado e do tempo que estamos vivendo na Igreja Católica. É um convite que aceito de bom grado. Aceito consciente não apenas da coragem evangélica (a famosa "parresía") deste pontífice singular, mas também de algumas limitações que ele tem como ser humano vivendo na história, assim como todos nós.

Estou especialmente ciente de alguns dos muitos obstáculos que uma minoria de católicos está colocando em seu caminho, embora essa minoria represente alguns milhões em um total de quase 1.4 milhões.

Nenhum papa teve uma vida fácil em sua responsabilidade de presidir à unidade da fé e à comunhão eclesial. Nem mesmo Francisco.

Essa dificuldade - igualmente evidente na gestão dos papados anteriores, embora por razões diferentes - não me impede de reconhecer a singularidade das críticas que, desde o início, são feitas ao "papa vindo do fim do mundo".

Permito-me indicar, impulsivamente e sem a menor intenção de me colocar em um pedestal, apenas a última delas; mas poderiam ser muitas mais.

Desde os primeiros momentos de sua eleição, sabíamos que este pontificado - ao contrário dos dois anteriores - queria privilegiar não a "verdade", mas a "misericórdia".

A verdade da misericórdia

A aposta de Francisco, além de ser radicalmente evangélica, me pareceu, desde o primeiro instante, mais a aceitação do que a pretensão de gerenciar a "verdade em abstrato" ou, às vezes, apenas "natural", colocando a serviço dessa visão todo o poder eclesiástico.

Um poder que, aliás, desde o Concílio Vaticano I (1870), se concentrou - de forma unipessoal - no bispo de Roma e que nem o 2º dos Concílios Vaticanos (1962-1965) nem sua implementação pós-conciliar conseguiram reconduzir a um entendimento e a um exercício colegial.

Diferentemente do que vivi - e até sofri - nos pontificados de seus antecessores, pareceu-me que, com Francisco, finalmente chegou um papa que, defensor da "verdade da misericórdia", poderia ter desacelerado o êxodo de católicos das Igrejas da Europa Ocidental ou, de qualquer forma, tomado algumas decisões para que tais Igrejas não perdessem completamente o trem da história, ou desaparecessem, como já aconteceu, no seu tempo, com a Igreja holandesa.

Além disso, não apenas estava satisfeito por ele ter ligado a "misericórdia" à "verdade" - primeiro e último - do que foi dito, feito e transmitido por Jesus de Nazaré e pregado por seus discípulos, mas também porque indicava a "fraternidade" como sua frente/trás e, com ela, a justiça e a solidariedade.

A verdade da fraternidade

Portanto, gostei que sua primeira saída do Vaticano tenha sido para Lampedusa, uma ilha que, desde então, se tornou o símbolo profético do que significa "fraternidade", e o que a maioria esmagadora dos católicos, e por extensão, boa parte dos cristãos e pessoas de boa vontade, entende e vive como "justiça" e "solidariedade".

A atenção que ele deu - com aquela viagem à ilha de Lampedusa - à verdade mais radical e definitiva do Evangelho ("Na tarde da vida, seremos julgados pelo amor") começou a reposicionar a obsessão pela moral sexual, baseada na chamada verdade ou "lei moral natural", em um contexto muito mais interessado em acolher e ajudar do que condenar e expulsar da comunidade em nome da "verdade" ou "lei moral natural". Em última análise, começou a destacar outra razão e outra verdade, muito mais evangélicas.

Samaritanismo e lei moral "natural"

Assim começamos a perceber a superioridade - cristã e católica - da moral "samaritana", colocando, nesse processo, a verdade ou a "lei moral natural" abaixo dela; algo que não agradou - e ainda não agrada - aos chamados defensores dessa verdade ou lei moral "natural", favoráveis, por isso, a colocar o Evangelho abaixo dessa "naturalidade".

Isso foi uma das lições mais importantes dos Sínodos Mundiais dos Bispos de 2014 e 2015 e da carta pós-sinodal Amoris laetitia (2016) que a minoria sinodal da época - formada em grande parte pelo episcopado africano, pelo europeu oriental e por uma parte, não negligenciável, do americano - não aceitou; nem, ao que parece, está disposta a aceitar. À luz desses dados e argumentos, acredito que a falta de "conversão" que se percebe nesses grupos, em nome do que eles entendiam - e continuam a entender - como verdade "natural", explique as críticas e as recusas às bênçãos das uniões civis recasadas (e não) e às uniões homossexuais.

O que resta fazer para uns e outros? A Francisco - e a nós que estamos do seu lado nessa "conversão" teológica e espiritual - resta apenas ter paciência, continuando a enfatizar a consistência - também racional - da misericórdia de um Deus que nos criou por amor "à sua imagem e semelhança"; incluindo, é claro, os homossexuais; embora essa última consideração não agrade em nada aos partidários da verdade ou da chamada "lei moral natural".

Além disso, uma suposta "verdade" que, vista como é formulada e realizada, não é - do ponto de vista formal - universal, mas majoritária. Naturalmente, também devemos continuar a acolher criticamente os progressos que estão sendo feitos nos diversos conhecimentos sobre o que é "natural" no que diz respeito ao sexo e ao gênero; que é muito. E, com base nesses avanços, continuar o diálogo.

A determinação da verdade "natural" - algo alcançável por meio do exercício do conhecimento racional em liberdade - não é exclusiva de alguns. Nós também - favoráveis à decisão tomada por Francisco - prestamos atenção à "verdade natural" e a consideramos muito, mesmo que os aprofundamentos mais recentes possam nos surpreender. Ainda mais se fomos educados com um ensinamento martelante sobre uma compreensão da "verdade natural" que, muito ligada às circunstâncias do ponto de vista histórico, hoje percebemos, felizmente, como limitada.

Concordo com aqueles que escolhem fazer teologia católica levando em grande consideração os famosos "lugares teológicos" dos quais Melchor Cano já falava no século XVI. E que, desde então, têm sido objeto de um debate apaixonado que o teólogo J. Ratzinger não conseguiu encerrar, apesar de todo o empenho ao longo da vida unicamente em torno de um magistério papal entendido mais em termos impositivos do que propositivos; uma tentativa falida, como era de se esperar, dada sua concepção unipessoal - e nada colegial ou sinodal - do poder e de seu exercício.

Esses lugares teológicos são e permanecem, em primeiro lugar, a Escritura e a Tradição. Mas também a autoridade - sempre histórica - dos concílios, o magistério dos papas, dos santos padres, dos teólogos e juristas, da razão não revelada, do pensamento moderno e do conhecimento histórico. E, com eles, o que K. Barth chamava de "o jornal", e o Concílio Vaticano II, os "sinais dos tempos". Aos críticos do Papa Bergoglio não resta senão levar a fé e a Igreja a um beco sem saída, enquanto é necessário "converter-se", ou seja, acreditar no Evangelho, no que Jesus disse, fez e entregou, e fazer teologia católica respeitando e articulando todos "os lugares teológicos" (não apenas alguns); em última análise: colocar o que eles entendem por "natural" abaixo do Evangelho.

Não o contrário ou, de qualquer forma, não no lugar do Evangelho. Acredito que têm muito trabalho pela frente. Resta-nos apenas continuar refletindo, positivamente, ou seja, "a tempo e fora de tempo". E, ao mesmo tempo, ver se nesse diálogo que mantemos com os críticos do Papa Bergoglio eles trazem algo novo, digno de ser considerado como articulação dos "lugares teológicos" pelos quais avaliar, em cada momento histórico, a consistência teológica e dogmática de cada proposta; incluindo aquelas recebidas da tradição. Não é uma tarefa pequena que nos resta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Misericórdia como lugar teológico. Artigo de Jesús Martínez Gordo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU