‘Oxford Handbook of Vatican II’ cobre de forma abrangente o Concílio e sua recepção. Artigo de Michael Sean Winters

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Mai 2023

"Este volume chega em um momento em que o significado do Vaticano II está sendo recalibrado. Como escrevi antes, muitos teólogos acadêmicos dos Estados Unidos têm se concentrado excessivamente em questões de gênero e etnografia e, de maneira mais geral, adotaram acriticamente as ciências sociais não apenas como uma lente, mas como a lente através da qual examinam questões éticas e eclesiais", escreve Michael Sean Winters, jornalista e escritor, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 08-05-2023. 

Eis o artigo.

Na sexta-feira passada, comecei uma revisão do novo Oxford Handbook of Vatican II, editado por Massimo Faggioli e Catherine Clifford, concentrando-me exclusivamente na seção de abertura do livro, que serve como uma espécie de moldura para a compreensão do Vaticano II. Hoje centramo-nos primeiro na pintura em moldura, no acontecimento que foi o concílio e nos textos que produziu, seguindo-se um breve exame do tratamento minucioso do manual sobre a recepção do concílio.

Oxford Handbook of Vatican II foi lançado em 2023 pela Oxford University Press. (Foto: Divulgação)

Se a primeira seção merecia um exame mais detalhado de cada capítulo, para a segunda seção do livro, "Os Documentos Conciliares", basta mencionar os destaques. Sem surpresa, o capítulo de Richard Gaillardetz, sobre a eclesiologia do Vaticano II, é extremamente bem feito. Ele apresenta alguns dos importantes documentos antecedentes e eventos que tornaram possível "o frescor das deliberações e dos principais ensinamentos do Vaticano II". Ele relaciona a discussão conciliar anterior da liturgia com o fundamento litúrgico-sacramental resultante da eclesiologia encontrada na Lumen Gentium, bem como a natureza missionária da Igreja, que se tornaria um tema tão central na paisagem pós-conciliar. Qualquer pessoa familiarizada com o trabalho de Gaillardetz sobre autoridade encontrará aqui exposto de forma concisa, e como esses desenvolvimentos foram possíveis pela recuperação de uma teologia da Igreja local dos teólogos de ressourcement.

Gaillardetz também destaca as origens trinitárias da Igreja. O cristocentrismo dos documentos do Vaticano II é evidente, mas não exclusivo. “Como Congar observou, o cristocentrismo eclesial do concílio escapa a um cristomonismo mais redutor ao integrar as missões de Cristo com as do Espírito”, escreve Gaillardetz. "Juntos, Cristo e o Espírito 'coinstituem' a Igreja". Eu li muito sobre eclesiologia, mas nunca antes encontrei uma articulação tão clara da pneumatologia em ação nos textos.

O capítulo sobre revelação, do jesuíta australiano Gerald O'Collins, é igualmente magistral. Conto menos de uma dúzia de parágrafos em todo o capítulo que não estão sublinhados, asteriscos ou dobrados em minha cópia. Estas duas frases atingem precisamente o tipo de tratamento ponderado e equilibrado que caracteriza o todo: "Na adoração e na vida, a revelação continua como um encontro real com Deus. Mas este diálogo vivo não acrescenta nada ao núcleo das verdades divinamente reveladas, que essencialmente equivalem a Jesus Cristo crucificado e ressuscitado dentre os mortos, juntamente com a vinda do Espírito”.

O capítulo da teóloga da Boston College, Jane Regan, sobre a formação da fé é igualmente convincente, embora eu pense que seu tratamento da questão da antropologia cristã carece de uma discussão substantiva da Gaudium et Spes 22, que foi tão central para a teologia do Papa João Paulo II e seus muitos documentos de ensino. Dito isso, seu tratamento da relação entre catequese e evangelização é excelente e deveria se tornar leitura obrigatória para quem confunde as duas ou, pior ainda, confunde apologética com evangelização.

O capítulo sobre liberdade religiosa, da teóloga italiana Silvia Scatena, oferece uma discussão aprofundada sobre as maquinações do concílio que levaram à adoção da Dignitatis Humanae, mas sofre de uma adoção muito fácil das perspectivas do teólogo jesuíta John Courtney Murray. Sua frase de abertura – "Destinado como um direito pessoal e coletivo à imunidade de coerção e restrição na prática e difusão de suas crenças ..." – evidencia a aceitação de Murray de uma concepção negativa de liberdade, ou seja, "livre de". Como a própria Scatena documenta neste capítulo, outros teólogos viram o perigo aqui e insistiram em que se destacasse uma concepção positiva de liberdade, "uma liberdade para", neste caso, a busca da verdade. Em uma importante conferência ecumênica patrocinada realizada na Universidade de Notre Dame em 1966, cujos procedimentos são publicados, Murray foi questionado sobre essa diferença entre concepções negativas e positivas de liberdade e admitiu que eles haviam "patinado" sobre o assunto no texto final.

O capítulo sobre a Gaudium et Spes exibe frequentes exageros, por exemplo, esta afirmação: "Por 1.500 anos, a Igreja não conseguiu superar seu desdém pelo mundo". Isso é um pouco simplista, por exemplo, na Alta Idade Média, a Igreja assumiu a responsabilidade por toda a cultura e Leão XIII exortou a igreja francesa a se unir à Terceira República na década de 1890, importantes contraexemplos para a afirmação de que o desdém era normativo.

Por outro lado, os capítulos sobre liturgia, missiologia e ecumenismo foram magníficos. Há também um fascinante capítulo do historiador italiano Alberto Melloni sobre os "textos e mensagens expurgados e esquecidos do Vaticano II", como a "Mensagem ao Mundo", que os padres conciliares adotaram pouco depois de se reunirem em Roma em 1962 e os sete declarações finais para líderes mundiais, mulheres, trabalhadores, jovens, etc., emitidas no encerramento do concílio em 1965, todas as quais eu havia esquecido completamente. Seu tratamento do discurso de abertura do Papa João XXIII, Gaudet Mater Ecclesia, e o efeito que teve sobre os bispos reunidos, é magistral.

Mais de 2.000 bispos compareceram a cada sessão do Concílio Vaticano II (Foto: Reprodução | CNS)

A próxima seção do livro muda para as questões complexas de receber o concílio e abre com um capítulo sobre a teologia da recepção de Gilles Routhier da Universidade Laval. Se você pudesse ler apenas um capítulo deste volume, eu recomendaria o de Routhier. Ele apresenta um argumento que, uma vez feito, parece autoevidente, mas que eu nunca li antes, ou seja, que o concílio foi em si um ato de recepção, "recepção da Escritura, recepção do credo, recepção dos ensinamentos de concílios anteriores, recepção dos ensinamentos magistrais, recepção dos costumes e tradições que constituem o patrimônio das diversas igrejas dentro de seu contexto cultural, e assim por diante". Claro, está correto.

O ensaio de Routhier também faz outra coisa que acontece com pouca frequência na teologia contemporânea: no final de seu ensaio, você descobre que sua fé foi fortalecida, não apenas iluminada. Por exemplo, ele escreve: "A Igreja é, portanto, uma comunidade de recepção do dom de Deus... Antes de falar sobre a recepção de um conselho, é preciso pensar na Igreja como um lugar onde os dons de Deus são acolhidos e recebidos, devemos chamar a atenção para o fato de que este povo é constituído por um ato de tradição e recepção”.

Aqui está o começo de uma resposta ao problema colocado na reunião do ano passado de bispos, lideranças católicas e teólogos na Loyola University Chicago: Vivemos em uma cultura de ressentimento, mas possuímos uma teologia de graça e gratidão. Como conectar os dois?

Philippe Roy-Lysencourt, que ensina história do cristianismo na Universidade Laval, tem um excelente ensaio sobre a forma como os católicos tradicionalistas receberam – e não receberam – o concílio, e Salvador Pié-Ninot, que leciona na Universidade Gregoriana e na Teologia Catalã faculdade em Barcelona, ​​habilmente resume os períodos de recepção do concílio até agora, com um tratamento equilibrado de eventos-chave desde o Sínodo dos Bispos de 1985 sobre o assunto até o famoso discurso do Papa Bento XVI à Cúria em 2005 sobre a hermenêutica da reforma.

Os capítulos subsequentes examinam o concílio e o papado, a recepção do Vaticano II na teologia sistemática, moral e feminista, e um capítulo muito esclarecedor sobre a recepção do Vaticano II no direito canônico por John Beal, da Universidade Católica da América. Beal discute um dos verdadeiros fracassos da reforma do Vaticano II, a decisão de não incluir provisões de direito administrativo no novo código. "Foram retiradas do Código revisado durante as últimas edições do Papa João Paulo II as normas que estruturam os tribunais administrativos". Em vez disso, o código contém "normas [que] reproduzem amplamente a prática de longa data Curiae Romanae para lidar com recursos contra os decretos das autoridades hierárquicas".

A quarta seção deste grande volume examina a recepção do Vaticano II por outros cristãos e não cristãos. Nunca me teria ocorrido incluir os efeitos do Vaticano II sobre os não católicos sob a rubrica de “acolhimento”, mas estes capítulos fascinam e provam o valor deste enquadramento. Esses capítulos analisam o papel dos observadores não católicos no Vaticano II, que foram surpreendentemente influentes, especialmente nos decretos sobre o ecumenismo, nas relações com as religiões não cristãs e na liberdade religiosa. E examinam os diálogos pós-conciliares que se estabeleceram.

Papa João XXIII liderou a sessão de abertura do Concílio Vaticano II, em 11-10-1962, na Basílica de São Pedro (Foto: Reprodução | CNS)

Às vezes, as pessoas de fora veem as coisas com mais clareza do que nós, de dentro, e esse é o caso desses capítulos. O metodista britânico David Carter, ex-professor de estudos religiosos na Open University, escreve, citando o metodista americano e observador do conselho Albert Outler: "A noção da Igreja como mistério era fundamental. Elevou a discussão acima do nível instrumental. Estabeleceu que "nós pertencemos à Igreja, não a Igreja a nós". Isso é dito lindamente.

O capítulo do teólogo evangélico canadense Tim Perry sobre a recepção evangélica do Vaticano II – ele argumenta que não houve muito – é especialmente importante para entender o papel da religião na vida pública nos Estados Unidos, mostrando como e por que surgiu a improvável aliança entre católicos conservadores e evangélicos. Os capítulos sobre as relações com os judeus e outras religiões não cristãs são extremamente bem elaborados e esclarecedores.

A seção final contém capítulos que examinam a recepção do Vaticano II por região geográfica: na Ásia, na África, na América do Norte, etc. Não estou em posição de avaliá-los. Brian Flanagan, da Universidade de Marymount, examinou a recepção do Vaticano II nos Estados Unidos e no Canadá e seu tratamento é bom, embora prosaico. Ele observa que o deslocamento pós-guerra das populações católicas para os subúrbios, onde se misturaram com os não católicos de uma forma que não havia feito anteriormente. Mas você tem que voltar ao ensaio de Faggioli para ver os efeitos mais profundos que a mistura produziu, ou seja, "a religião deixou de ser associada principalmente a denominações específicas e credos denominacionais e passou a ser associada a amplas tendências éticas e políticas ao longo das linhas políticas progressistas e conservadoras". Por outro lado, a discussão de Flanagan sobre as consequências da Humanae Vitae está bem calibrada e compensa a falta de consideração daquela fatídica encíclica no já mencionado capítulo de Pié-Ninot sobre a recepção do Vaticano II. O capítulo sobre a América Latina e o Caribe do teólogo chileno Carlos Schickendantz também merece destaque por seu bom equilíbrio entre movimentos teológicos e populares na Igreja pós-conciliar.

Eu esperaria que houvesse um bom número de erros factuais em um livro deste tamanho – tem 777 páginas – e com tantos autores, muitos dos quais tiveram que ser traduzidos. Encontrei apenas alguns. O excelente capítulo sobre a recepção do Vaticano II pela Igreja Ortodoxa refere-se a uma "quinta sessão" e houve apenas quatro sessões. John Borelli, em seu belo capítulo sobre o diálogo inter-religioso, escreve: "Em novembro de 1963, no final da terceira sessão...", mas a segunda sessão foi em 1963, não a terceira. Essas são pequenas batatas e, como eu disse, em um livro desse tamanho e  com tal variedade de autores, o fato de haver tão poucos erros pequenos, na verdade erros de digitação, é um testemunho notável do cuidado dos editores.

Este volume chega em um momento em que o significado do Vaticano II está sendo recalibrado. Como escrevi antes, muitos teólogos acadêmicos dos Estados Unidos têm se concentrado excessivamente em questões de gênero e etnografia e, de maneira mais geral, adotaram acriticamente as ciências sociais não apenas como uma lente, mas como a lente através da qual examinam questões éticas e eclesiais. Há uma bendita ausência da "opção preferencial agora dominante pelo exótico, o que é algo muito diferente da legítima ênfase na diversidade e inclusão, e uma consciência da multiplicidade e pluralidade das tradições cristãs e católicas" diagnosticada por Faggioli em recente artigo no The Lamp.

Este livro nos lembra que o foco do Vaticano II era bem diferente e convida qualquer um que queira se engajar seriamente na vida eclesial a atualizar e recalibrar seus rumos intelectuais. Para quem conhece pouco do concílo, o livro é a cartilha perfeita. Para aqueles chamados a pregar ou ensinar em nome da Igreja, torna-se um guia inestimável, desde professores universitários a párocos e catequistas.

Sexta-feira, chamei este livro de "uma Hidra" e ele tem muitas cabeças de fato. Mas Hydra era um monstro e um mito, e este livro não é nenhum dos dois. É envolvente, aprendido e amplamente acessível. O pensamento é cuidadoso, como deveria ser, baseado na experiência e não em caprichos ou fantasias. Deve ser encontrado na biblioteca de todos os professores de teologia e na estante de todos os ministros. É uma conquista surpreendente.

Referências 

CLIFFORD, Catherine E.; FAGGIOLI, Massimo (Ed.). The Oxford Handbook of Vatican II. Oxford University Press, 2023.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘Oxford Handbook of Vatican II’ cobre de forma abrangente o Concílio e sua recepção. Artigo de Michael Sean Winters - Instituto Humanitas Unisinos - IHU