Poderiam os novos livros sobre o Vaticano indicar não uma guerra civil, mas uma síntese?

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Janeiro 2023

Os repórteres que cobrem o Vaticano regularmente dirão que muitas vezes sentem que não têm apenas um show, mas vários.

Às vezes, perseguir as notícias do Vaticano é semelhante a cobrir a ONU em termos de grande drama geopolítico. Outras vezes é mais como seguir a Família Real, vis-à-vis rivalidades pessoais e intrigas palacianas, e ainda outras vezes você se sente como se estivesse na batida do crime, acompanhando acusações, investigações e julgamentos sórdidos.

Ultimamente, no entanto, a reportagem do Vaticano assumiu uma dimensão totalmente nova como uma espécie de clube do livro do dia.

O comentário é de John L. Allen Jr., publicado por Crux, 22-01-2023.

Desde a morte do Papa Bento XVI na véspera de Ano Novo, foram lançados ou anunciados novos livros temáticos do Vaticano suficientes para encher uma estante inteira da Biblioteca Apostólica. A saída inclui:

  • Nient'altro che la verità ("Nada além da verdade"), o livro de memórias revelador do arcebispo Georg Gänswein, o assessor mais próximo do falecido Papa Bento XVI. O prefácio foi escrito pelo veterano jornalista italiano Saverio Gaeta.

  • Dio è sempre nuovo (“Deus é sempre novo”), uma coleção de escritos espirituais de Bento XVI empacotados e lançados pela própria editora do Vaticano com um novo prefácio do Papa Francisco.

  • Che cos'è il Cristianesimo: Quasi un testmento spirituale ("O que é o cristianismo: quase um testamento espiritual"), uma coleção de 16 ensaios escritos pelo Papa Bento XVI, cuja publicação foi autorizada por ele após sua morte. Enquanto muitos já eram conhecidos, cinco são completamente novos.

  • Ratzinger la scelta. Non sono scappato (“A escolha de Ratzinger: eu não fugi”), um livro do jornalista italiano Orazio La Rocca, que cobriu o Vaticano por muitos anos para o La Repubblica, documentando a década da aposentadoria de Bento XVI. Gänswein contribuiu com o prefácio.

  • In buona fede: La religione nel XXI secolo In Good Faith: Religion in the 21st Century”, um livro de entrevista com o cardeal alemão Gerhard Müller, muitas vezes visto como um crítico interno do Papa Francisco, conduzido por Franca Giansoldati, a correspondente no Vaticano do jornal Il Messaggero, de Roma.

  • La paura come dono (“O medo como um presente”), também um livro-entrevista, desta vez com o Papa Francisco. O diálogo é conduzido por Salvo Noé, um popular psicólogo e autor italiano, e abrange uma ampla gama de tópicos, desde homossexuais a migrantes e refugiados.

(Entre outras coisas, a relação acima é um lembrete de por que o italiano ainda continua sendo a língua materna da vaticanologia, já que todos esses títulos apareceram primeiro em italiano.)

Praticamente todos esses livros causaram sensação, contribuindo para a impressão de uma crescente guerra civil na igreja após a morte de Bento XVI.

O livro de Gänswein, por exemplo, confirmou seu próprio ressentimento por ter sido efetivamente dispensado por Francisco como Prefeito da Casa Papal em 2020, além de abordar certas diferenças entre Bento e Francisco, incluindo a tradicional missa em latim e o documento de Francisco de 2016, Amoris Laetitia, que abriu uma porta cautelosa à comunhão para os católicos divorciados e recasados civilmente.

O livro reabriu velhas feridas, incluindo a frustração de Bento por ter sido convocado para endossar um volume dos ensinamentos de Francisco que incluía um ensaio de um antigo rival teológico alemão e crítico de Bento.

O livro de entrevistas de Müller foi visto sob uma luz semelhante.

Entre outras coisas, o ex-chefe do escritório doutrinário do Vaticano acusa Francisco de ter um “círculo mágico” ao seu redor de conselheiros teologicamente duvidosos, de ser inconsistente em sua abordagem de casos de abuso sexual e de ser às vezes impulsivo em seus julgamentos. Sobre esse último ponto, Müller cita o caso do cardeal italiano Angelo Becciu, alegando que o pontífice julgou Becciu com base em um único artigo de revista.

A nova coleção de escritos do próprio Bento XVI contém um ensaio inédito intitulado “Monoteísmo e Tolerância”, no qual o falecido pontífice critica o que ele vê como o ethos cada vez mais intolerante das sociedades ocidentais modernas, que, ele adverte, são cada vez mais intolerantes ao cristianismo.

O que chamou mais atenção, no entanto, são três outros pontos.

Uma delas não vem no próprio livro, mas em uma carta ao jornalista italiano a quem Bento confiou o texto, Elio Guerriero. Explicando sua instrução de que o volume não fosse publicado somente depois de sua morte, Bento XVI escreveu: “A fúria dos círculos hostis a mim na Alemanha é tão forte que o aparecimento de cada palavra que eu digo provoca um assassinato verbal. Quero poupar a mim mesmo e ao cristianismo disso”.

No livro, Bento aborda os escândalos de abuso sexual, culpando em parte um “colapso” na formação do seminário, como a existência de “clubes gays” entre seminaristas, inclusive nos Estados Unidos. Ele afirma ter conhecimento de um bispo que permitiu que seus seminaristas assistissem a filmes pornográficos – “presumivelmente com a intenção de torná-los capazes de resistir a comportamentos contrários à fé”, acrescenta, em tom irônico.

Finalmente, Bento XVI reclama que “em não poucos seminários, os alunos pegos lendo meus livros são considerados indignos do sacerdócio. Meus livros são escondidos como literatura perigosa e, por assim dizer, são lidos apenas escondidos.”

Embora Bento não culpe o Papa Francisco por nada disso, ainda assim foi o suficiente para a imprensa italiana de direita tratá-la como “Guerra dos Papas”, gritava a manchete de domingo no Libero: “As acusações póstumas de Ratzinger a Bergoglio”.

Em relação ao novo livro de Francisco, ele chamou a atenção principalmente por sua linguagem sobre gays – que, é claro, foi estilizado como um forte contraste com os papas João Paulo II e Bento XVI.

“Deus é um pai que não renuncia a nenhum de seus filhos”, diz Francisco no livro. “O estilo de Deus é proximidade, misericórdia e ternura, não julgamento e marginalização”. Deus se aproxima de cada um de seus filhos, de todos e de cada um deles”, afirma o Papa. “Seu coração está aberto a todos e a todos. Deus é pai. O amor não divide, ele une.”

Em outras frentes, Francisco apoia o uso de psicólogos na formação do seminário como parte de estratégias antiabuso, condena os “alpinistas” e o mundanismo entre os padres e confessa que também ocasionalmente teme cometer erros. No entanto, em doses adequadas, diz ele, esse medo é uma coisa boa, porque obriga a pensar com cuidado … nesse sentido, diz ele, “o medo é como uma mãe que lhe dá conselhos”.

Classificando essa avalanche de palavreado, duas coisas parecem mais impressionantes.

A primeira é o quão surpreendente a maior parte disso parece.

Bento XVI desapontado com a revogação de Francisco de sua abertura à missa em latim, ou mal-humorado com a hostilidade em seu país natal? Müller – que, afinal, foi demitido por Francisco – insatisfeito com o estilo de tomada de decisão do papa? Francisco alcançando os gays e abrindo-se à psicologia? Gänswein zangou-se por ter sido dispensado?

Tudo isso são, francamente, notícias de “cachorro morde homem”, ou seja, tão previsíveis quanto o nascer e o pôr do sol. Em si, dificilmente é uma evidência de que o catolicismo esteja à beira do caos. Os confrontos entre papas, ou entre bispos e papas, ou entre seus respectivos seguidores, são tão antigos quanto a própria igreja.

Daí a outra observação: quão desproporcional grande parte da cobertura e comentários sobre esses volumes parece, em relação ao seu conteúdo real.

Já que estamos revisitando textos de Bento XVI, aqui está um que pode ser útil no contexto atual. É extraído de uma sessão com o clero das dioceses italianas de Belluno-Feltre e Treviso em 2007, disponível aqui.

“O catolicismo, um pouco simplista, sempre foi considerado a religião dos grandes et et ['ambos/e'] – não de grandes exclusões, mas de sínteses”, disse Bento naquele dia.

“Católico significa precisamente 'síntese'. … Eu diria que isso pertence a uma boa e verdadeiramente católica abordagem pastoral: Viver no et et. Simplesmente me comprometeria com a grande síntese católica, por este et et ... Vivamos alegremente a catolicidade, neste sentido”.

Nesse espírito, é instrutivo citar as linhas finais do volume post-mortem de Bento.

“No final das minhas reflexões, quero agradecer ao Papa Francisco por tudo o que faz para mostrar constantemente a luz de Deus, que, ainda hoje, não se apagou”, escreve Bento XVI. “Obrigado, Santo Padre!”.

Diante disso, vale pelo menos considerar se o bando de livros de hoje deve ser visto como evidência de desordem – ou se, apenas possivelmente, eles realmente podem fornecer matéria-prima para uma síntese futura gloriosa e classicamente católica.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Poderiam os novos livros sobre o Vaticano indicar não uma guerra civil, mas uma síntese? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU