Georg Gänswein com o Papa Francisco: “Agora tenho que calar a boca”. A decisão sobre seu futuro

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Janeiro 2023

A amargura do Papa Francisco e o convite à discrição feito ao padre Georg Gänswein: para ele a hipótese de um posto diplomático numa nunciatura no estrangeiro ou num cargo romano, eventualmente discreto.

O comentário é de Gian Guido Vecchi, publicado por Corriere della Sera, 10-01-2023.

Amigos que o ouviram nas últimas horas falam de um homem que parece amargurado pelas interpretações "maliciosas" dos trechos "fora de contexto" de seu livro, divulgados durante o funeral de Bento XVI, "mas devo calar a boca agora." Certamente, na manhã de segunda-feira, D. Georg Gänswein teve que falar com o Papa Francisco sobre o assunto, que o recebeu em audiência no dia de ontem.

Nada é dito oficialmente do Vaticano. Mas é evidente, nota-se, que o Papa recomendou a discrição, como recordou no último Angelus: “Deus está no silêncio”.

E que é antes o pontífice que tem motivos para estar amargurado, que teria coisas mais importantes para tratar do que o ex-secretário de seu antecessor: ontem mesmo, ao receber os embaixadores, Francisco interveio pela primeira vez desde o assassinato de Mahsa Amini em a feroz repressão dos protestos populares levados a cabo pelo regime iraniano ("o direito à vida está ameaçado mesmo onde a pena de morte continua a ser praticada, como está a acontecer nos últimos dias no Irã, na sequência das recentes manifestações, que exigem maior respeito pela dignidade da mulher") e sobre a guerra ucraniana, nas palavras da Gaudium et Spes, afirmava que "todo ato de guerra, que vise indiscriminadamente a destruição de cidades inteiras ou vastas regiões e seus habitantes, é um crime contra Deus e contra a própria humanidade.

Mas, de qualquer forma, o "caso" foi criado, o livro Nothing but the Truth foi lançado e, no meio da oposição tradicionalista a Francisco, está crescendo a tentativa post mortem de usar Bento XVI como bandeira e criar um conflito entre "os dois papas" que na realidade não existiam.

Durante quase dez anos, no mosteiro, o emérito teve o cuidado de evitar qualquer suspeita de interferência com o sucessor a quem havia assegurado “reverência e obediência incondicionais”.

Gänswein, além disso, conta como Ratzinger ficou "espantado" quando, no início de 2020, foi feita uma tentativa de publicar em seu nome um livro co-assinado com o cardeal Sarah no qual foi contestada a proposta do Sínodo amazônico de ordenar padres casados antes que Francisco desse sua opinião (sem fazer aberturas, no entanto), e como Bento havia escrito ao Papa toda a sua "tristeza pelo abuso" de seu artigo e havia proposto que nada fosse publicado novamente.

Daí a amargura de Francisco. E a audiência de ontem. A discussão continua sobre a oportunidade de publicar um livro semelhante logo após a morte de Ratzinger e de citar trechos da correspondência privada entre o emérito e o Papa. Muito respeitosos, afinal.

Que eles tinham sensibilidades diferentes é sabido. Mas é irônico, observa-se, que um contraste seja assinalado no livro, por exemplo, justamente em torno do tema da “propaganda de gênero”, sobre o qual Francisco sempre foi igualmente severo.

E a questão do futuro de Gänswein, agora prefeito da casa papal, também permanece. Se na Igreja alemã eles não parecem entusiasmados com a ideia de um retorno à pátria como bispo ou outro ("depende da pessoa em questão e de quem toma essas decisões na Cúria", o presidente Georg Bätzing respondeu friamente), uma missão diplomática foi hipotetizada em uma nunciatura no exterior ou em um cargo romano, possivelmente discreto.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Georg Gänswein com o Papa Francisco: “Agora tenho que calar a boca”. A decisão sobre seu futuro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU