Giovanni Maria Vian: “Nunca saberemos que Papa João Paulo I teria sido”

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Setembro 2022

 

O historiador italiano analisa a vida e o legado de Albino Luciani, o pontífice dos 33 dias que hoje será beatificado por Francisco: "Ele sofreu uma solidão devastadora até sua morte".

Francisco beatifica hoje João Paulo I, o papa que só governou a Igreja por pouco mais de um mês em 1978 devido a um ataque cardíaco. Giovanni Maria Vian, diretor emérito do L'Osservatore Romano, coordena a obra coral "O Papa sem Coroa" (Biblioteca de Autores Cristãos). Junto com outros historiadores e um crítico de cinema, ele mergulha na trajetória de vida de Albino Luciani, valorizando seu legado e desfazendo dúvidas sobre sua morte.

 

A entrevista é de José Beltrán, publicada por La Razón, 04-09-2022.


Eis a entrevista.


33 dias são suficientes para ser proclamado abençoado?

Obviamente não. Precisamente por isso, a causa de beatificação analisa toda a sua vida e não apenas a sua carreira como Papa. E é um sucesso, porque a pessoa deve ser valorizada e não tanto o cargo, pois senão poderia ser considerada uma beatificação política. Paulo VI já advertiu sobre isso quando propôs a canonização imediata de João XXIII após sua morte. Sendo seu antecessor, a quem era dedicado e amigo, ele o impediu. Ele só decidiu iniciar o processo por meios ordinários quase no final do Concílio, de mãos dadas com a causa de Pio XII, a quem se opunha ideologicamente.

 

Porque há pontífices que não merecem altares...

Há muitos papas santos. Há os dos primeiros séculos, que continuam a ser um mito das origens do cristianismo. Então os santos papas desaparecem até o século XI com a reforma que termina com a pornocracia papal. De 1958 a 2005, todos os papas foram elevados aos altares e Francisco canonizou três de seus predecessores imediatos – João XXIII, Paulo VI e João Paulo II – com os riscos que essa proximidade temporal acarreta. Alguns anos atrás, sem questionar a santidade de João Paulo II e sua grandeza pessoal, vários fóruns católicos pediram para descanonizá-lo porque o acusavam de ter sido cego aos abusos.

 

É insensato beatificar Luciani?

Não. Luciani escapa desses problemas. Em um mês de pontificado é impossível gerar polêmicas. Nunca saberemos que tipo de Papa ele teria sido.

 

Eles o profetizaram como um revolucionário perigoso...

Ele tinha intenções, pelo menos, de acabar com o problema das finanças do Vaticano. Ligando os pontos, verifiquei que, durante o assento vago antes de sua eleição, houve um confronto frontal entre cardeais para desvendar o evidente desastre econômico no tempo de Paulo VI, que tentou detê-lo, mas seus conselheiros o enganaram.

 

O que você aprendeu com Luciani coordenando o livro?

Eu verifiquei seu isolamento. A solidão dos pontífices torna-se devastadora. Quando passa a primeira noite no apartamento papal, quer tomar um copo de leite e encontra a geladeira vazia. Ocorre-lhe ligar para um amigo seu que morava no Vaticano e traz-lhe um litro de leite de casa. Essa solidão a arrastou até sua última noite. Durante o jantar, ele se sente mal, ele conta para suas secretárias e elas sugerem que ele chame um médico. Luciani se recusa e diz simplesmente que, caso a situação piore, as freiras da casa sabem de alguns remédios que o ajudariam. Eles o deixam a seu próprio pedido e o Papa morre sozinho.

 

Por que a tese do assassinato é mais crível do que a morte natural? Morbidade desencadeada?

Luciani foi um Papa inesperado. Seu início de pontificado batizado como "A hora do sorriso" pela mídia secular como "Le Monde", atraindo interesse e simpatia do mundo... De repente, ele desaparece com uma morte súbita e o impacto é brutal. “Este foi liquidado, eles foram acusados.” É a primeira coisa que um taxista diz a um correspondente que desembarcou recentemente em Roma para cobrir a morte. Se você adicionar a isso a imaginação popular de papas assassinados em outros tempos, você tem a tempestade perfeita que se completa com a incapacidade comunicativa do Vaticano de reagir. Após o evento fatal, a Santa Sé lança várias versões que alimentam as fofocas. Como não era aceitável dizer que uma freira havia descoberto o corpo sem vida porque era impensável que uma mulher entrasse na sala papal, foi dito que era sua secretária e então foi negado. Também foi explicado que ele estava lendo "A Imitação de Cristo", para sublinhar seu misticismo, mas precisamente a Irmã Margherita, aquela freira que encontrou o corpo, esclareceu que estava com algumas notas para futuros discursos. Assim, é inevitável que a falsa tese da trama se espalhe até os dias de hoje.

 

Luciani é o último Papa italiano. Haverá mais?

É imprevisível dizê-lo, só pode ser raciocinado quando o lugar vago se abrir. A universalização do Colégio dos Cardeais se acelerou com Francisco. Agora, quanto mais aumenta o número de lugares mais remotos, mais difícil é a eleição e mais sujeitos eles ficam à influência dos grandes eleitores. Isso significa que não haverá mais um Papa italiano ou europeu? Não sei. Os italianos ainda são a maior minoria. De qualquer forma, a geopolítica não desempenha um papel tão importante para os cardeais.

 

Nesta semana, Francisco criou 20 cardeais, rezou diante do primeiro papa que renunciou e reuniu os cardeais em um consistório extraordinário. Tem cheiro de conclave?

Não, e estou convencido de que Francisco não renunciará. O consistório cheira a uma tentativa de consistório. E é que, quando os primeiros consistórios foram realizados na Idade Média, com apenas 40 cardeais, era verdadeiramente um corpo que discutia e governava com o Papa. Agora essa dinâmica não é possível. É a primeira vez em oito anos que todos os cardeais se veem e dois dias não são suficientes para se conhecer e discutir.

 

Dois estilos de reformadores e comunicadores

 

Papa Francisco beatifica João Paulo I.

Bergoglio tem algo de Luciani? “O desejo de ir além dos fiéis católicos e sua facilidade de comunicação”, diz Vian, que explica como “em ambos há também o desejo de reforma. Podemos adivinhar no caso de João Paulo I e confirmá-lo em Francisco. Se a reforma de Francisco resultará é outra história...”.

Mas não é utópico reformar a Cúria? “Eles mostraram que tanto Pio X quanto Paulo VI são possíveis. Em relação ao Francisco, é muito cedo para processá-lo. A vontade é clara, mas a dificuldade em aplicá-la, ele mesmo reconheceu”, diz o historiador.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Giovanni Maria Vian: “Nunca saberemos que Papa João Paulo I teria sido” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU