Três coisas a saber sobre a visita do Papa Francisco ao Sudão do Sul

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Fevereiro 2023

O Papa Francisco fará uma visita há muito esperada ao Sudão do Sul, o mais novo país do mundo, ao lado de outros líderes cristãos proeminentes de 3 a 5 de fevereiro.

A reportagem é de Kevin Jackson, publicada por America, 02-03-2023.

A visita tem origem num momento evocativo. Em 11 de abril de 2019, o Papa Francisco, juntamente com o Reverendíssimo Justin Welby, arcebispo de Canterbury; e o reverendo John Chalmers, ex-moderador da Igreja da Escócia, organizou um “retiro espiritual” no Vaticano para líderes de facções rivais do governo do Sudão do Sul. O Papa Francisco pediu a eles que encontrassem uma maneira de fazer as pazes entre si e manter suas divergências a portas fechadas.

Então, chocando a todos, o papa se ajoelhou diante do governo e dos líderes das facções e beijou seus pés, implorando que construíssem juntos uma paz duradoura em seu país. Com este inesperado gesto de humildade, o Papa mostrou sua profunda preocupação em alcançar uma paz sustentável no Sudão do Sul que permita ao país construir um futuro mais estável.

Uma guerra de 40 anos

A tensão contemporânea no Sudão do Sul tem uma história complexa e perturbadora.

Antes de 2011, a nação agora chamada de Sudão do Sul fazia parte do Sudão, então o maior país da África. O Sudão esteve envolvido em uma das piores guerras civis da história da África – quase 40 anos de guerra em um período de 50 anos – entre o governo de Cartum, no norte, predominantemente árabe e muçulmano, e rebeldes no sul, predominantemente africanos e muçulmanos. aproximadamente 60 por cento cristão.

Em 2005, os dois lados chegaram a um acordo para encerrar os combates e assinaram o Acordo de Paz Abrangente em Naivasha, no Quênia. Como parte desse acordo, seis anos depois, em 2011, os cidadãos do sul do Sudão votaram em um referendo que aprovou oficialmente a criação de um país separado.

Embora houvesse grandes esperanças de uma paz duradoura na nova nação, vários fatores definiram as condições para um conflito futuro. O Sudão do Sul é extremamente diverso, com 64 grandes grupos étnicos. Existem tensões tradicionais entre muitas dessas comunidades, particularmente entre os Dinka, o maior grupo étnico, e os Nuer, o segundo maior.

Historicamente, a região não foi capaz de contar com uma governança central forte, e o conflito tem sido um meio comum de resolver tensões e rivalidades intercomunitárias.

Previa-se que o Sudão do Sul poderia se tornar economicamente viável por causa de seus recursos petrolíferos substanciais. Desde a independência, no entanto, líderes étnicos e políticos rivais no Sudão do Sul têm desviado o dinheiro do petróleo para si mesmos, deixando poucos benefícios econômicos para o povo sul-sudanês. O poder político e o dinheiro do petróleo estão intimamente associados.

Após a independência em 2011, Salva Kiir, membro da etnia Dinka, tornou-se presidente, e Riek Machar, nuer, tornou-se vice-presidente – a composição do governo pretendia ser representativa da diversidade do país. Mas as lutas internas entre Kiir e Machar rapidamente mergulharam o país em uma guerra civil em 15 de dezembro de 2013, quando os combates de rua eclodiram em Juba, a capital do Sudão do Sul.

Embora a luta tenha sido interrompida por acordos de cessar-fogo de curta duração, nos cinco anos seguintes o povo do Sudão do Sul experimentou um sofrimento terrível. Acredita-se que cerca de 400.000 pessoas morreram. Como os dados são limitados e o governo falhou em realizar um esforço sério para contar o número de vidas perdidas, o número real permanece incerto. Além disso, quatro milhões de sul-sudaneses tornaram-se refugiados ou deslocados internos.

Em 2018, Machar e Kiir assinaram um acordo de paz que acabou com o pior dos combates e estabeleceu um governo de transição. Embora a situação tenha melhorado e muitos atores importantes tenham assinado o acordo, os antagonistas locais em algumas partes do Sudão do Sul ainda não assinaram a trégua e a violência interétnica e intercomunitária continua.

Em um exemplo trágico, em 16 de agosto de 2021, um grupo de irmãs católicas foi emboscado enquanto voltava para Juba na estrada. Duas delas, as irmãs Mary Daniel Abut e Regina Roba, foram mortas. O Sr. Kiir atribuiu a violência aos grupos que não assinaram o acordo de paz.

Visita do Papa Francisco

O Papa Francisco tem três objetivos principais para sua breve visita a Juba.

Promover a paz como meio de aliviar a pobreza. O foco de Francisco na pacificação também é um chamado para lembrar os pobres que sofrem com a guerra. O conflito civil no Sudão do Sul, além de ter causado a morte de milhares de pessoas, criou uma cultura de deslocamento, já que muitos milhares não puderam permanecer em suas casas ou cidades.

Um alto nível de insegurança alimentar tem sido outro resultado pernicioso da violência. O Sudão do Sul tem terras extremamente férteis, mas as pessoas não conseguem cultivar ou criar gado quando são forçadas a fugir ou suas aldeias são invadidas.

O papa reconhece esse ciclo de violência e desesperança. “Se você é pobre e está em uma situação de conflito, sua vida é realmente miserável pela violência, pelo efeito terrível em seu próprio corpo, pela falta de movimento, pela falta de comida”, disse Andrea Bartoli, presidente da Fundação Sant'Egidio para a Paz e o Diálogo . Dr. Bartoli, juntamente com outros na Comunidade de Sant'Egidio, tem estado fortemente envolvido com o processo de paz no Sudão do Sul.

“O Papa Francisco está dizendo que precisamos reinventar o futuro”, disse ele. “E a melhor maneira de fazer isso é realmente levar a sério a vida dos pobres. E a paz é o que muda a vida dos pobres [mais] dramaticamente”.

Ao continuar a encorajar um processo de paz, o papa espera que os terríveis efeitos da guerra diminuam e que os cidadãos médios do Sudão do Sul tenham uma chance real de construir suas próprias vidas.

Com base no retiro espiritual de 2019. Essa ligação entre guerra e pobreza é a chave para entender o segundo motivo da visita do papa: continua um processo que ele iniciou com seu famoso gesto no Vaticano em 2019. Falando aos líderes do Sudão do Sul na época, o papa disse: “Haverá desacordos entre vocês, mas que eles ocorram 'no escritório' enquanto, na frente de seu povo, vocês se dão as mãos; assim, vocês serão transformados de simples cidadãos em pais da nação”.

Foi então que o papa se ajoelhou e beijou os sapatos dos líderes, incluindo Kiir e Machar.

“Ele estava tentando mostrar que os líderes devem ser servidores”, disse Joann Rachel, coordenadora de defesa do Conselho de Igrejas do Sudão do Sul, uma das principais vozes pela paz no país. “Ele [estava] mostrando a humildade de Jesus, e Jesus era um líder, e eles são líderes. Portanto, eles precisam ser humildes e precisam servir ao povo. Então eu acho que foi muito simbólico naquele momento."

A visita presencial do Papa ao país é um complemento desse retiro espiritual. Então, disse Rachel, o papa “encontrou os líderes e agora está indo até o povo”.

“Sinto que minha fé será fortalecida como católica”, disse ela. “E pelo menos trará alguma esperança para as pessoas.”

Permanecendo juntos em um esforço ecumênico. Um componente final da visita do papa é seu papel como expressão da unidade cristã. Na verdade, não é uma “visita papal”, mas uma “peregrinação ecumênica”.

Existe uma forte relação entre o papa, o arcebispo de Canterbury - o retiro inicial no Vaticano foi ideia dele - e o moderador da Igreja da Escócia, o Rev. Iain Greenshields, e esse vínculo levou à decisão de fazer o peregrinar juntos. Todos estão profundamente comprometidos em trabalhar juntos pela paz no Sudão do Sul.

A relação entre esses três líderes reflete a realidade no Sudão do Sul, onde as igrejas cristãs estão unidas na busca pela paz. As comunidades da igreja local podem ser muito próximas umas das outras. Um padre jesuíta que falou com a América explicou que no Sudão do Sul, os católicos e os episcopais, as duas maiores denominações, costumam frequentar serviços religiosos ou reuniões comunitárias nas igrejas uns dos outros.

Ao fazer a viagem junto com outros líderes cristãos e continuar a defender a paz, o Papa Francisco está adotando o espírito desses cristãos sul-sudaneses.

Que resultado devemos esperar ?

Então, por que visitar o Sudão do Sul? O papa não é político. Ele não tem influência política sobre os líderes do Sudão do Sul como outros atores multilaterais; nenhum fundo de desenvolvimento para segurar ou compras de petróleo para congelar a fim de pressionar por um melhor comportamento. Mas ele pode organizar um retiro para eles e implorar pela paz.

A recompensa por tais esforços pode ser muito mais do que espiritual. O retiro de 2019 teve consequências reais e práticas para a paz no Sudão do Sul. O gesto desesperado do papa no Vaticano abriu caminho para a Comunidade de Sant'Egidio iniciar sua Iniciativa de Roma. E esse diálogo político reuniu o governo do Sudão do Sul e grupos em guerra que não haviam assinado o acordo de paz de 2018, construindo uma paz mais abrangente.

Portanto, embora o foco desta próxima viagem seja pastoral, ainda podemos esperar alguns dividendos políticos. O Papa Francisco está vindo para encorajar o povo do Sudão do Sul a proteger sua paz duramente conquistada, esperando que sua presença apoie os processos políticos que são tão necessários para garantir o futuro desta jovem nação.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Três coisas a saber sobre a visita do Papa Francisco ao Sudão do Sul - Instituto Humanitas Unisinos - IHU