A esperança do Natal. Artigo de Enzo Bianchi

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Dezembro 2022

"Se o Natal tem um significado cristão é este: não é apenas uma festa para Jesus que nasce, mas é uma festa para o Messias que vem para reintegrar na plenitude da vida todos aqueles que são desprovidos disso. O Natal é uma festa de esperança para todos aqueles que, cristãos ou não cristãos, querem que o mundo mude", escreve Enzo Bianchi, monge italiano e fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado por La Repubblica, 19-12-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

No sábio e poético texto de Antoine de Saint-Exupéry, a raposa diz ao príncipe: "É preciso ritos, é o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; uma hora, das outras horas”. Precisamente por isso, perto do Natal, a festa mais celebrada no nosso Ocidente, nas noites mais longas do ano procuramos iluminar estes dias com milhares de luzes que deveriam criar uma "outra" atmosfera alegre nas nossas cidades e nas nossas casas.

As luminárias já existiam na época romana, antes que o cristianismo se apropriasse deste evento do "sol invencível" para torná-lo a memória do nascimento de Jesus, o Salvador dos cristãos, confessado como o "sol que nunca se põe" e "a luz do mundo". O Natal é uma festa da luz que supera as trevas, símbolo de um evento desejado por grande parte da humanidade: acender muitas luzes significa afirmar que as trevas não conseguem sobrepujar a luz, é um convite para celebrarmos juntos.

Dizia-se nos últimos meses que este ano, devido à crise energética, não haveria nas cidades as habituais decorações luminosas inclusive como sinal de solidariedade para com os que sofrem com o frio, sobretudo na Ucrânia. Mas depois tudo foi arranjado como nos outros anos, talvez porque não saibamos ser coerentes com as emoções que sentimos, e talvez porque festejar mesmo nos dias ruins pode nos ajudar a abrir a humilde esperança de um horizonte luminoso.

Este Natal chega como um Natal de guerra, em que há todos os sinais de que a pandemia não foi derrotada, numa hora de grave crise política no país por falta de homens e mulheres que tenham sentido de responsabilidade, sejam especialistas na arte de governar, nutram uma visão de futuro da nossa sociedade e testemunhem uma ética capaz de combater todas as formas de corrupção.

Não é fácil celebrar nestes dias, a menos que permaneçamos superficiais, não vulneráveis a situações de sofrimento que parecem obliterar toda esperança. Embriagados pelo ambiente festivo, já não nos indignamos mais com a guerra na Ucrânia, com os migrantes que continuam a morrer no Mediterrâneo e nas frias rotas europeias, com a opressão das mulheres no Irã, com os maus-tratos sofridos pelos prisioneiros em nossas prisões. Como celebrar o Natal sem ter consciência dessas realidades pelas quais, em alguns casos, também somos responsáveis?

Conforta-me o fato de que o Natal, para os cristãos, não deveria ser a festa do nascimento de Jesus: festeja-se o fato de que Ele é Aquele que vem para trazer justiça, libertação, paz para todas as vítimas da história, para todos aqueles que desejam, invocam, esperam por uma mudança! Se o Natal tem um significado cristão é este: não é apenas uma festa para Jesus que nasce, mas é uma festa para o Messias que vem para reintegrar na plenitude da vida todos aqueles que são desprovidos disso. O Natal é uma festa de esperança para todos aqueles que, cristãos ou não cristãos, querem que o mundo mude.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A esperança do Natal. Artigo de Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU