Os papas raramente intervêm contra políticos autoritários. Os nicaraguenses querem que o Papa Francisco abra uma exceção

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • Fogo atinge floresta da TI Yanomami e Hutukara pede providências

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Agosto 2022

 

O Papa Francisco quebrou seu silêncio sobre a Nicarágua no domingo ao pedir um diálogo “aberto e sincero” em meio à perseguição contínua do governo Ortega à Igreja Católica. Em suas saudações após a oração do Angelus no domingo, ele disse: “Acompanho com preocupação e tristeza a situação criada na Nicarágua”, mantendo a esperança de que o diálogo possa “encontrar as bases para uma coexistência respeitosa e pacífica”.

 

A intervenção do papa ocorreu após a prisão de dom Rolando Álvarez, bispo de Matagalpa, que foi detido durante uma operação de sexta-feira na cúria diocesana, onde estava escondido com outros clérigos e leigos. Ele foi colocado em prisão domiciliar em Manágua – onde os bispos da Nicarágua observaram em um comunicado que o bispo Álvarez estava “fisicamente deteriorado, mas espiritualmente forte” – enquanto os outros presos no ataque foram jogados em El Chipote, uma notória prisão de presos políticos.

 

A reportagem é de David Agren, publicada por America, 25-08-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

As palavras não conseguiram pacificar os muitos críticos do papa na Nicarágua, no entanto, que se perguntavam em voz alta por que ele esperou tanto para intervir enquanto a Igreja enfrentava atrocidades crescentes nas mãos do regime sandinista – culminando na prisão de um bispo, que pode ser forçado para o exílio.

 

Também não satisfez muitos conservadores na América Latina, que expressaram exasperação com o Papa Francisco por não condenar os regimes autoritários da Nicarágua, Venezuela e Cuba. Nesses países, os protestos foram reprimidos, a Igreja foi perseguida e milhões migraram.

 

Os tuítes do papa com seus comentários foram recebidos com sarcasmo nas mídias sociais. Alguns chamaram sua resposta de tarde demais. Outros disseram que era muito fraco. Alguns até fizeram referência a Pôncio Pilatos e usaram a palavra ponciopilatismo, que na América Latina passou a significar lavar as mãos de uma situação e pode ser interpretada como “dois ladismos”.

 

Álvaro Vargas Llosa, comentarista e filho do escritor Mario Vargas Llosa comentou: “Depois de manter um silêncio ensurdecedor diante da perseguição sofrida pelos representantes da Igreja Católica na Nicarágua, o papa, motivado pelas queixas de quase todos, finalmente decide comentar. E o que ele transmite é indiferença e ponciopilatismo”.

 

Andrés Oppenheimer, cuja coluna sobre a América Latina é amplamente lida nos círculos da elite, escreveu na semana passada: “É difícil decidir o que é mais ultrajante: a decisão do ditador da Nicarágua, Daniel Ortega, de fechar sete estações de rádio da Igreja Católica Romana e prender um bispo e seus assessores em prisão domiciliar, ou o silêncio total do Papa Francisco sobre esses ataques ao seu próprio povo”.

 

Grupos de direitos humanos também questionaram o papa.

 

“Considerando o histórico de repressão de Ortega, o que mais é necessário para o Papa Francisco se pronunciar com força sobre os abusos na Nicarágua?”, tuitou Tamara Taraciuk , vice-diretora da Human Rights Watch nas Américas.

 

“É hora de o Papa Francisco se posicionar firmemente ao lado do povo nicaraguense”.

 

O Papa Francisco disse à TeleSUR, emissora apoiada pelo governo venezuelano – um porta-voz dos regimes da Nicarágua e Cuba – “Eu amo muito o povo cubano. Confesso também que mantenho uma relação humana com Raúl Castro”, aumentando ainda mais a indignação.

 

Os comentários refletem simpatias persistentes na América Latina pela Revolução Cubana, juntamente com suspeitas sobre os Estados Unidos, diz José María Poirier, editor da revista argentina Criterio.

 

“Acho que ele sempre teve simpatia por Cuba, não necessariamente por [Fidel] Castro, mas pelo processo cubano”, disse Poirier, que conheceu o então arcebispo Jorge Mario Bergoglio, de Buenos Aires.

 

“Na sua mentalidade, o problema deixou de ser o comunismo – o fantasma de muitos anos atrás – e continua sendo o liberalismo, que ele identifica com os Estados Unidos”.

 

O clamor para que o Papa Francisco se manifeste ocorre quando a América Latina se inclina para a esquerda, com líderes autodeclarados de esquerda vencendo eleições desde 2018 no México, Argentina, Bolívia, Honduras, Chile e Colômbia. O Brasil está pronto para seguir ainda este ano.

 

Os defensores da abordagem do Papa Francisco dizem que ele está agindo um pouco diferente de seus antecessores, ao lidar com países controlados por governos autoritários ou hostis à Igreja Católica. O papa também deve desempenhar um papel diplomático, dizem eles, evitando declarações belicosas.

 

“Nem mesmo João Paulo II castigou os Castros em Cuba”, disse Rodolfo Soriano-Núñez, sociólogo mexicano que estuda a Igreja Católica na América Latina. Nem os papas criticaram publicamente as ditaduras militares em países como Chile e Argentina – onde bispos e padres foram assassinados – ou mesmo condenaram a União Soviética, diz Soriano-Núñez.

 

“Os papas nunca vão contra governos específicos porque nunca deu certo” no passado, disse ele. “Não vejo o Papa Francisco se intrometendo na política de nenhum país específico, nem mesmo na Argentina”.

 

Um jesuíta da América do Sul, que não quis ser identificado, acrescentou: “O papa não pode assumir posições de confronto sem colocar em risco os católicos desses países, principalmente quando alguns deles estão realizando programas educacionais, como na Nicarágua com universidades e Cuba com o pouco trabalho pastoral que está autorizado”.

 

Mas o relativo silêncio do papa sobre a Nicarágua causou consternação no país da América Central, onde a Igreja entrou em conflito com o regime de Ortega em 2018 depois de abrir suas paróquias aos feridos durante os protestos e depois acompanhar as famílias dos presos políticos.

 

Ortega e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, rotulam regularmente os padres de “terroristas” e intensificaram a repressão em 2022. Eles expulsaram o núncio apostólico, expulsaram as Missionárias da Caridade do país e fecharam estações de rádio católicas e de saúde e projetos de educação.

 

O bispo Álvarez foi o prelado mais contundente na Nicarágua depois que o bispo Silvio José Báez deixou o país em 2019 para sua própria segurança.

 

Uma fonte na Nicarágua diz que muitos esperam que o bispo Álvarez experimente o mesmo destino que dom Báez, a menos que o Papa Francisco intervenha. “Sentimos como se estivéssemos sufocando e alguém nos deixou respirar um pouco”, disse a fonte, que preferiu permanecer anônima, após os comentários do papa.

 

Álvaro Leiva, diretor de um centro de direitos humanos que agora está exilado na Costa Rica, enviou uma carta ao Papa Francisco em 2019 informando-o sobre a situação na Nicarágua – e esperando que o papa agisse publicamente.

 

“Seus questionamentos podem ter um impacto tão grande no mundo que pode ser decisivo para a libertação de presos políticos”, disse Leiva. “Mas ele ficou cego, surdo e mudo diante da dor sofrida pelas vítimas das violações de direitos humanos do regime”.

 

Apoiadores dizem que o Papa Francisco está bem informado sobre os pontos problemáticos da América Latina. O papa é o primeiro pontífice da região e anteriormente proeminente na conferência dos bispos latino-americanos. O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, serviu anteriormente como diplomata na Venezuela, e o superior-geral jesuíta Arturo Sosa é venezuelano.

 

“[Padre Sosa] tem uma linha direta com Francisco, [e] tenho certeza de que eles o consultam sobre o assunto”, disse o jesuíta sul-americano.

 

O Papa Francisco também se tornou uma das figuras políticas mais proeminentes da região.

 

Ele se tornou papa quando as pessoas em toda a América Latina estavam abandonando a Igreja Católica por congregações protestantes e, cada vez mais, nenhuma religião. Ele também foi eleito logo após a morte do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez e quando a prosperidade da região alimentada por recursos da década de 2000, que elevou muitos à classe média, se esvaiu.

 

O Papa Francisco se pronunciou sobre os males regionais enquanto visitava as Américas: criticando os cartéis de drogas como “comerciantes da morte”, oferecendo um pedido de desculpas pela “chamada conquista das Américas”, defendendo a causa dos migrantes, promovendo a preservação ecológica da Amazônia e aumentando a situação das populações indígenas.

 

“Ele continua sendo uma figura de referência na ausência de outros líderes”, disse Poirier.

 

O Papa Francisco alcançou uma vitória diplomática precoce ao participar da reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos em 2014. As tentativas do Vaticano de mediar um acordo entre o governo venezuelano e a oposição em 2016 foram menos bem-sucedidas, no entanto.

 

“O problema foi que o lado de Maduro não cumpriu sua parte do acordo”, disse Geoff Ramsey, especialista em Venezuela do Washington Office on Latin America, um think tank de direitos humanos.

 

Ele diz que o Vaticano tem sido reticente em se envolver novamente com o conflito venezuelano, embora mantenha uma significativa “força diplomática”. Mas implantar essa força pode ser impossível.

 

“[O papa] está se conscientizando de suas próprias limitações para responder aos muitos problemas urgentes em todo o hemisfério”, disse Ramsey.

 

“O poder do papa em muitas dessas situações é mais uma autoridade moral e oferece canais diplomáticos mais do que promover mudanças políticas significativas no terreno”.

 

Leia mais

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os papas raramente intervêm contra políticos autoritários. Os nicaraguenses querem que o Papa Francisco abra uma exceção - Instituto Humanitas Unisinos - IHU