O que diria Augusto Cesar Sandino sobre o que ocorre na Nicarágua nos dias atuais?

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Julho 2022


Neste 19 de julho a Revolução Sandinista faz 43 anos e o Comitê comenta a atual situação política do país.

 

O artigo é do Comitê de Solidariedade com a Nicarágua, publicado por Brasil de Fato, 19-07-2022.

 

Hoje 19 de julho, a Revolução Popular Sandinista faz 43 anos. Uma revolução que derrubou uma ditadura familiar de 43 anos, desmantelou as estruturas políticas e militares da Nicarágua e tentou estabelecer novas instituições para promover a igualdade, justiça e democracia. Desde 2007, Daniel Ortega, um dos líderes da derrubada da ditadura somozista, voltou ao poder e aos poucos foi se transformando em um novo ditador. Junto com Rosario Murillo, sua esposa e vice-presidenta, e sua família, estabeleceu um governo muito parecido à ditadura familiar somozista.

 

Hoje nas prisões da Nicarágua, mais de 180 opositoras e opositores permanecem em condições desumanas e com condenas de até 15 anos. Uma delas, a comandante guerrilheira Dora María Téllez, icone da Revolução Popular Sandinista, permanece nas dependências de El Nuevo Chipote, um centro de torturas do governo Ortega-Murillo, apesar de ter sido condenada a oito anos de prisão num julgamento espúrio.

 

Dora María Téllez, 66 anos, é historiadora e analista política, Doutora Honoris Causa em Ciência Política pela Universidade de Helsinque e, em novembro próximo, a Universidade Sorbonne Nouvelle, na França, concederá outro Doutorado Honoris Causa por sua excepcional trajetória política e científica. Dora María é uma das principais figuras na luta pela democracia e justiça social na Nicarágua há mais de 40 anos.

 

Aos 20 anos, Dora María aderiu à luta guerrilheira da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) contra a ditadura somozista e participou da tomada do Palácio Nacional da Nicarágua, que levou à libertação dos presos políticos daquele período. Aos 23 anos, liderou a luta pela conquista de León, a primeira cidade livre do país. Durante o período revolucionário, foi vice-presidenta do Conselho de Estado, Deputada e ministra da Saúde, destacando-se pela transparência e eficiência da sua gestão. Na década de 1990, Dora María, como centenas de membros da militância sandinista da época, se viu forçada a sair da FSLN ao ver claramente o curso autoritário e caudilhista que Daniel Ortega tomou.

 

Em 1995, com Sergio Ramírez, escritor e ex-presidente, e outros companheiros que lutavam pela democracia, criou o Movimento de Renovação Sandinista (MRS), hoje transformado no Partido União Democrática Renovadora (UNAMOS). Em 2008, depois que Daniel Ortega voltou à presidência e invalidou o MRS como partido político, Dora María iniciou uma greve de fome para exigir o restabelecimento do partido e denunciar a corrupção e o início da ditadura de Daniel Ortega. Sua voz continuou a divulgar todas as violações das instituições do país até 13 de junho de 2021, dia de sua prisão violenta e arbitrária.

 

Desde então, Dora María é prisioneira política da ditadura de Ortega-Murillo e há mais de 400 dias sofre tortura ao permanecer isolada e incomunicável, sem alimentação suficiente, em uma cela permanentemente escura no pavilhão masculino, sem acesso ao sol e sem atendimento médico oportuno e especializado, o que tem causado, entre outros problemas, graves queimaduras nos braços devido ao uso de medicamentos inadequados.

 

Dora María sempre foi uma lutadora honesta e incansável pela Nicarágua, pelos direitos das mulheres, pela liberdade, pela justiça social e pela democracia. Além disso, ama a natureza, a leitura, seus amigos e amigas, as piadas e brincadeiras, e nunca, nem mesmo na prisão, perdeu o senso de humor, assim como sua fé, esperança e força.

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que diria Augusto Cesar Sandino sobre o que ocorre na Nicarágua nos dias atuais? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU