Em um mês de guerra, 28 comunidades ortodoxas ucranianas rejeitam Kirill e se unem à Igreja autocéfala do Metropolita Epifânio

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Março 2022

 

O Metropolita da nova Igreja, independente de Moscou em 2018, confirma que cada vez mais grupos estão se registrando sob sua autoridade.

 

A reportagem é de Miguel Angel Malavia, publicada por Vida Nueva, 28-03-2022.

 

O alinhamento entre o Patriarcado Ortodoxo de Moscou, liderado por Kirill, e o governo russo de Vladimir Putin, que levou os religiosos a apoiar inequivocamente a invasão da Ucrânia, evidenciou ainda mais a tensão dentro da Ortodoxia. Uma divisão que surgiu em dezembro de 2018, quando a Igreja autocéfala ucraniana, abençoada por Bartolomeu, Patriarca de Constantinopla, e proclamada como a décima quinta Igreja Ortodoxa do mundo, rompeu com o Patriarcado de Kiev, subordinado por três séculos ao de Moscou.

Desde então, existem duas comunidades ortodoxas na Ucrânia (uma realidade lamentada por Kirill como um “cisma” e pela qual ele culpou diretamente Bartolomeu). Um pastoreado pelo patriarca Onúfrio, leal a Moscou, e outro autônomo liderado por Epifânio, que assumiu o título (comparável ao de patriarca) de metropolita de Kiev e de toda a Ucrânia. Apesar do fato de que Onúfrio se distanciou de Kirill e condenou redondamente a guerra, deixando claro que "por mais de 1.000 anos de história, nossa Igreja sempre esteve e permanece com seu povo", parece que cada vez mais ucranianos ortodoxos estão aderindo à autoridade espiritual de Epifaniy.

 

Chamada à unidade

 

Isso foi reconhecido pelo próprio metropolitano em duas mensagens, neste último sábado, 26 de março, em sua conta no Twitter. Na primeira, ele apostou no chamado: “Neste momento difícil, nossa oração é também pela unidade da Igreja Ortodoxa. Reitero o apelo do Santo Sínodo aos irmãos e irmãs que ainda estão subordinados ao Patriarcado de Moscou: vamos nos unir em torno de Kiev, vamos nos unir na Igreja Ortodoxa Ucraniana local!”.

 

 

Na segunda, saudou diretamente aqueles que já deram o passo durante as últimas semanas de guerra: “Dúzias de comunidades e vários mosteiros em diferentes regiões da Ucrânia já cumpriram voluntária e conscientemente seu dever canônico e seguiram Thomas na autocefalia, optando pela Igreja e a Ucrânia. As portas da Igreja Ortodoxa Ucraniana e nossos corações estão abertos a todos!”

 

Mudança de autoridade

 

De acordo com o jornal ucraniano 'The Kyiv Independent', até 28 comunidades em nove regiões se juntaram oficialmente à Igreja independente, abandonando a autoridade de Onúfrio e, indiretamente, a de Kirill.

Em sua última mensagem no Twitter, Epifânio está convencido de que “alcançaremos a vitória espiritual e a vitória sobre o mal que o agressor russo trouxe para nossa casa. Vitória cuja prova é que o Cristo crucificado ressuscitou. Acreditamos que pelo poder da misericórdia de Deus, pelo poder da fé de nosso povo, a Ucrânia, ainda ferida, torturada e crucificada por seus inimigos, será ressuscitada”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em um mês de guerra, 28 comunidades ortodoxas ucranianas rejeitam Kirill e se unem à Igreja autocéfala do Metropolita Epifânio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU