COP26: Metas nacionais atualizadas ainda levam a aumento de 13% das emissões até 2030

Mais Lidos

  • “Tudo mudou no dia 7 de outubro, para o Papa governar sozinho a Igreja é um limite”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Porque o Cardeal Burke não é o Cardeal Ottaviani. O próprio Papa confirma e esclarece

    LER MAIS
  • No último encontro II Ciclo de Estudos sobre Inteligência Artificial, promovido pelo IHU, Laura Forlano proferirá a palestra “Futuros pós-humanos. Dos Eus digitais aos Demônios dos dados”

    Os desafios dos usos da IA diante de futuros pós-humanos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

11 Novembro 2021

 

As promessas nacionais de redução das emissões divulgadas até o começo da COP26 ainda não são capazes de cumprir a meta de manter o aumento médio da temperatura do planeta em 1,5°C, de acordo com a atualização do Relatório Síntese da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCC).

A reportagem é publicada por ONU Brasil, 09-11-2021.

A nova versão do documento inclui as atualizações de 14 países de suas Contribuições Nacionalmente Determinadas, ou NDCs, para o Acordo de Paris apresentadas nos dias que precederam a COP26 e revela que planos atuais ainda levariam a um aumento de 13,7% nas emissões até 2030, quando comparado a 2010.

Antes da COP, esse aumento foi calculado em 16%, mas para que o mundo consiga controlar o aquecimento global e evitar consequências desastrosas, as emissões precisam ser cortadas em 50% até o final da década.

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCC) publicou na sexta-feira (5) as últimas atualizações dos compromissos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Mesmo com conselhos dados ao longo do encontro na primeira semana da COP26, as medidas continuam insuficientes.

Com os novos planos nacionais de redução das emissões (Contribuições Nacionalmente Determinadas, ou NDCs) anunciados até o dia 2 de novembro, o relatório prevê um aumento de cerca de 13,7% na emissão de gases efeito estufa em 2030 quando comparado a 2010. Antes da COP, esse aumento foi calculado em 16%, mas para o mundo conseguir controlar o aquecimento global e evitar consequências desastrosas, as emissões precisam ser cortadas em 50% até o final da década.

O documento destaca que, para as 74 Partes que forneceram informações sobre visões, estratégias e metas de mitigação de longo prazo até e além de 2050, as emissões totais de gases de efeito estufa são estimadas em 70% a 79% mais baixas em 2050 do que em 2019.

No entanto, muitos dos planos de países em desenvolvimento contêm compromissos condicionais mais ambiciosos para reduzir as emissões, que só podem ser implementados com acesso a recursos financeiros aprimorados e outros apoios de países em desenvolvimento que ainda não foram liberados. O relatório sugere que a implementação total desses componentes poderia permitir que as emissões globais atingissem o pico antes de 2030.

O novo relatório leva em consideração a implementação das 166 últimas NDCs disponíveis de todas as 193 Partes do Acordo de Paris, incluindo os 124 planos novos ou atualizados comunicados por 151 Partes, registrados no registro provisório do NDC em 2 de novembro de 2021 e as últimas 14 apresentações ou atualizações recebidas desde a publicação da atualização das principais conclusões em 25 de outubro.

Os países podem rever suas metas a qualquer momento, inclusive durante a COP. A atualização do Relatório de Síntese é fornecida para garantir que as Partes tenham as informações mais recentes a serem consideradas durante as negociações na COP26.

 

Relatório prévio

Segundo a análise anterior, publicada em outubro, os planos feitas voluntariamente por cada país para cumprir sua parte no Acordo de Paris ainda não eram capazes de cumprir de manter a meta recomendada pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) de aumento médio da temperatura do planeta em somente 1,5°C.

O IPCC estima que limitar o aumento da temperatura média global a 1,5°C exige uma redução das emissões de CO2 de 45% em 2030 ou uma redução de 25% até 2030 para limitar o aquecimento a 2°C. Se as emissões não forem reduzidas até 2030, elas precisarão ser substancialmente reduzidas depois disso para compensar o início lento no caminho para as emissões líquidas zero, mas provavelmente a um custo mais alto.

 

Sobre a COP26 

O objetivo principal da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, ou COP26, é induzir líderes mundiais a firmaram compromissos verdadeiros e efetivos para reduzir as emissões que causam o aquecimento do planeta o suficiente para evitar que as temperaturas subam mais de 1,5ºC em comparação com os níveis pré-industriais.

Também conhecida como Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, o evento dura duas semanas, entre 31 de outubro e 12 de novembro.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COP26: Metas nacionais atualizadas ainda levam a aumento de 13% das emissões até 2030 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU