O avanço eclesial e o obstáculo das teologias da corte: 10 ideias sobre o Instituto João Paulo II

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Agosto 2019

O Instituto João Paulo II formou muitas centenas de pastores e de professores, com base em uma leitura fundamentalista e integralista da tradição matrimonial e familiar. Salvo raríssimas exceções, ele sempre permaneceu dentro de uma leitura “antimoderna” da tradição, alimentada pelos fantasmas da luta frontal contra a cultura liberal e a “dissolução da família” que esta gostaria de realizar, por causa do seu individualismo.

A opinião é do teólogo italiano Andrea Grillo, professor do Pontifício Ateneu Santo Anselmo, em Roma, do Instituto Teológico Marchigiano, em Ancona, e do Instituto de Liturgia Pastoral da Abadia de Santa Justina, em Pádua. O artigo foi publicado por Come Se Non, 02-08-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Segundo o teólogo, "a Igreja não precisa de teologias da corte. Nem da corte de João Paulo II, nem da de Bento XVI, nem da de Francisco. A lógica da corte nunca condiz com o teólogo. Ao contrário, não há teologia alguma enquanto a forma de vida for a da corte".

Eis o texto.

Eu não gostaria de entrar nos aspectos individuais que caracterizam as polêmicas que surgiram em torno do instituto acadêmico que, nos últimos 40 anos, ocupou-se como nenhum outro dos temas do matrimônio e da família. Luciano Moia, no jornal Avvenire de 2 de agosto, ofereceu uma ótima leitura deles, respondendo a uma carta assinada por alguns professores do instituto.

Parece-me interessante observar uma série de paradoxos, que às vezes marcam a vida da Igreja e a levam a uma evolução inesperada, mas providencial. Tais paradoxos dizem respeito à vida da Igreja em relação ao ministério dos teólogos. Eu os apresento sucessivamente, quase como aforismas em sequência.

1. O desenvolvimento de uma “teologia do matrimônio e da família” sofreu, ao longo dos últimos 40 anos, muitas formas de pressão: em primeiro lugar, foi a ideia, não nova, de “defender a família do novo mundo que modernidade estava construindo”. Um pensamento “antimodernista” sobre a família e sobre o matrimônio retomava o fôlego, após de ter sido um cavalo de batalha de 1880 a 1931, depois até o Concílio Vaticano II, e depois, de novo, a partir da Familiaris consortio, em 1981, com a fundação no mesmo ano do Instituto “João Paulo II”.

2. Esse instituto formou muitas centenas de pastores e de professores, com base em uma leitura fundamentalista e integralista da tradição matrimonial e familiar. Salvo raríssimas exceções, ele sempre permaneceu dentro de uma leitura “antimoderna” da tradição, alimentada pelos fantasmas da luta frontal contra a cultura liberal e a “dissolução da família” que esta gostaria de realizar, por causa do seu individualismo.

3. Assim, desenvolveu-se uma cultura acadêmica católica sobre a família e sobre o matrimônio, que assumiu progressivamente a figura de uma “ideologia”, incapaz de ler o desenvolvimento social, cultural e civil, senão com os paradigmas do século XIX da “ilegitimidade”, da “incompetência” e da “ameaça” à tradição.

4. Essa cultura acadêmica regenerou a si mesma por duas gerações, chegando até o duplo Sínodo sobre a família, de 2014 e 2015, em cujo interior não pôde mais exercer o seu “poder de veto” com o qual, de fato, havia paralisado a reflexão teológica dentro da oficialidade católica por quase 40 anos. Recorrendo frequentemente aos métodos mais para silenciar todos aqueles que queriam continuar pensando e não aceitavam repetir slogans ideológicos.

5. Era inevitável que, após os dois Sínodos e a publicação da Amoris laetitia, os detratores dessa nova fase, que viam todo desenvolvimento como “corrupção”, “perversão” ou “erro”, fossem forçados a se retirar. Não tendo argumentos, usaram o poder financeiro ou a intimidação para tentar ainda fazer valer as suas ideologias.

6. Uma “teologia da corte” inteira havia se criado em torno do matrimônio e da família. Uma teologia que não servia à Igreja, mas apenas a si mesma. Uma teologia imóvel, bloqueada, atemorizada pelas novas formas de vida, preocupada apenas em excomungar toda expressão de inteligência da fé que não procedesse de modo rígido, apriorístico e definidor. E que não criasse sobre a “matéria familiar” (da sexualidade à coabitação) uma série de barreiras, de proibições, de bloqueios, de obstáculos.

7. Mas a experiência eclesial do matrimônio e da família caminhou assim mesmo, apesar dessas tentativas, muitas vezes desajeitadas e pouco inteligentes, de bloquear, de excomungar, de excluir. A rica experiência natural e civil de relação, de coabitação, de geração soube convencer melhor a tradição eclesial de que chegara o momento de sair dos estilos e das modalidades com os quais o século XIX havia enfrentado e resolvido as novas questões sobre a união e sobre a geração.

8. A reconstrução da virada sinodal e papal, apresentada imprudentemente como um “golpe”, trai a natureza “cortesã” da teologia elaborada pelo instituto ao longo da sua história. Ela não consegue reconhecer que, ao contrário, se trata da “legítima defesa” com que a sã tradição reage ao golpe imposto a partir dos anos 1980 e que tornou o pensamento oficial da Igreja sobre matrimônio e família largamente autorreferencial e altamente infecundo.

9. A Igreja não precisa de teologias da corte. Nem da corte de João Paulo II, nem da de Bento XVI, nem da de Francisco. A lógica da corte nunca condiz com o teólogo. Ao contrário, não há teologia alguma enquanto a forma de vida for a da corte. A teologia deve ser muito mais respeitosa e muito mais crítica do que uma corte. Não deve nem murmurar às escondidas nem elogiar ostensivamente. Por isso, a teologia do instituto declinou irremediavelmente. Ela não honrou a realidade, mas idealizou as coisas e as pessoas, as obras e os dias. Por isso, tornou-se não um recurso, mas sim um problema.

10. Quando uma teologia da corte é deixada livre para dominar durante 40 anos, não é fácil encontrar credibilidade novamente. É preciso dizer que o instituto não agia em regime de monopólio: outras instituições puderam elaborar um saber confiável e argumentado sobre os temas da família. Mas a relevância do instituto, contudo, era grande e forte, também como influência sobre o mistério eclesial, central e local. Agora, é preciso correr para consertar. Criando uma nova geração de teólogos realmente com autoridade, que não caiam naquelas formas de idealização não equilibrada que sempre gera monstros.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O avanço eclesial e o obstáculo das teologias da corte: 10 ideias sobre o Instituto João Paulo II - Instituto Humanitas Unisinos - IHU