Prevendo o futuro da vida religiosa. Artigo de Judith Schaeffer

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

"As religiosas, como muitos outros membros de instituições, estão agora a ser chamadas a evoluir para uma fase de desenvolvimento pós-institucional", escreve Judith Schaeffer, em artigo publicado por Global Sisters Report, 05-02-2024.

Irmã Judith Ann Schaeffer é membro das Irmãs de São Francisco da Adoração Perpétua, Província de São José. Ela obteve seu doutorado em psicologia clínica/aconselhamento pela Loyola University Chicago. Sua prática de 40 anos incluiu psicoterapia, avaliação e supervisão de estagiários e residentes. Seu último ministério foi na Franciscan Community Counseling Inc. em Colorado Springs, Colorado, Estados Unidos.

Eis o artigo.

Qual poderá ser o futuro da vida religiosa, especialmente das religiosas, à medida que se torna mais claro que muitas das suas comunidades deixarão de existir, pelo menos na sua forma atual? Embora ninguém saiba realmente, pode-se esperar que a evolução destas mulheres e das suas comunidades evolua do que Robert Kegan chama em The Evolving Self, uma fase institucional do desenvolvimento humano, para uma fase interindividual. A nova etapa será baseada nas relações interpessoais e na concepção de si mesmo como um indivíduo único.

Durante séculos, as religiosas conceberam-se principalmente como membros de comunidades baseadas em instituições. Havia aquelas em que viviam, como os seus grandes conventos e casas-mãe; e aqueles que estabeleceram, geriram e patrocinaram, como os seus hospitais, escolas e orfanatos. Além destas instituições físicas, documentos e tradições orientaram-nos e às suas comunidades em questões eclesiais e relações culturais.

Os detalhes das suas vidas foram definidos pelo Direito Canônico, pelas regras das fundadoras e fundadores, pelas constituições que caracterizavam a sua adesão a ordens religiosas maiores e pelas diretivas daqueles que detinham autoridade, juntamente com as decisões que tomavam comunitariamente. Até recentemente, por exemplo, diziam-lhes como se vestir, onde poderiam viver, como deveriam restringir o acesso aos seus alojamentos e como tomavam decisões comunitárias.

Como consequência, elas tendiam a se considerar membros de um grupo específico, como uma Irmã de São Francisco da Adoração Perpétua de Colorado Springs. Como tal, eles poderiam descansar sobre os louros dos seus impressionantes ministérios comunitários. A maioria dos católicos e não-católicos os considerava muito bem. Gozavam de respeito devido aos seus valores saudáveis, aspirações comunitárias e notável eficácia na maior parte do que faziam através das suas fundações.

As coisas mudaram, no entanto, à medida que as sociedades evoluíram e muitas instituições governamentais e sociais tornaram-se menos viáveis, ou mesmo caíram em descrédito. Assim, as religiosas, como muitos outros membros de instituições, estão agora a ser chamadas a evoluir para uma fase de desenvolvimento pós-institucional.

Para que esta evolução ocorra, as religiosas têm de renunciar conscientemente ao que já não “funciona”. Embora possam reter aspectos vivificantes seleccionados dos seus estilos de vida distintos, como os seus votos e carismas, têm de substituir as expressões tradicionais dos mesmos. Eles têm que abraçar o que é diferente e desconhecido e, como consequência, ameaçador para a sua auto-identidade. Eles têm que passar do seu antigo “lar” psicológico para um novo baseado principalmente na interdependência e na interindividualidade.

Esse empreendimento afetará sua maneira de construir sentido. Exigirá um pensamento diferente, concebido para fornecer explicações plausíveis - e, portanto, estabilizadoras - sobre o que está acontecendo dentro e ao redor deles. As religiosas devem adotar novas atitudes que as afetem em níveis emocionais profundos. É provável que experimentem medo e depressão dolorosos, juntamente com desafios relacionados com a forma como expressam a sua frustração e raiva. Este último não será “guardado para si” e processado internamente, como no passado. Terá que ser processado tanto individual quanto comunitariamente. Terá de encontrar expressões exteriores saudáveis ​​e cuidadosamente concebidas.

Assim, a mudança de um nível de desenvolvimento institucional para um nível interindividual afetará o comportamento das religiosas. Eles não poderão mais desempenhar alguns dos papéis que usaram para se definirem. Eles terão que aprender e agir de acordo com os novos. Terão que desempenhar novas funções que atendam às necessidades dos tempos: dos outros e das suas próprias. Terão de diminuir a sua dependência de regras e leis que definam quem são e o que fazem ou não fazem. Em vez disso, basearão essas definições e decisões em situações e circunstâncias pessoais e interpessoais: o que parece ser viável, realista e saudável num determinado momento e lugar. Eles podem abrir as suas residências aos leigos, por exemplo, se isso for melhor para eles e para outros.

De outra perspectiva, as decisões das religiosas serão baseadas no instinto, bem como no julgamento relacionado com a forma de amor que é necessária numa circunstância particular por pessoas únicas nessa circunstância. Eles serão baseados no discernimento feito por todos os envolvidos.

Em The Achiev SocietyDavid McClelland explica que o movimento para o estágio interindividual de desenvolvimento consiste em abandonar uma orientação para a realização e abraçar uma orientação para a intimidade: confiar menos no que é feito e mais em quem se é – ou poderia ser. É uma questão de assumir autoridade interna em vez de confiar na autoridade externa. Torna-se uma questão de ser fiel a si mesmo, em vez de fiel a um modo de vida regulamentado. É uma questão de assumir responsabilidade pessoal pela forma como pensamos e, portanto, agimos. Não há como escapar para “Minhas decisões e comportamento foram determinados por tradições respeitáveis ​​e leis objetivas. Devo fazer o que estou fazendo independentemente das necessidades de outras pessoas, na verdade de toda a criação”.

Este movimento implica uma grande mudança de paradigma. Se as religiosas fizerem esta mudança, alcançarão a integração da autonomia e da intimidade, uma característica definidora da fase interindividual do desenvolvimento humano. Alcançarão um nível de maturidade raro na história da humanidade. Eles passarão de um sistema fechado de auto-suficiência e de grupo para um “processo mais aberto e dialético envolvendo contextualização”, como escreveram Carol Gilligan e JM Murphy. Os seus estilos de vida serão caracterizados pelo pensamento e pelo diálogo do tipo "ambos-e" versus as polaridades do pensamento "ou-ou" e pela imposição de regulamentações objetivas.

Na verdade, esta mudança de paradigma consiste em estar psicologicamente próximo dos outros, bem como em colocar os outros e a si mesmo acima da lei e da ordem, sem ser imune a elas. Continuarão a informar as religiosas, mas não serão a determinação final do que fazem e de como se definem. Consequentemente, isto fará uma profunda diferença na forma como eles e outros vivenciam a vida religiosa. Todos os envolvidos serão amados de forma tão autêntica em um determinado contexto que se sentirão amados. O amor deixará de ser principalmente uma boa intenção ou abstração. Essa é a boa notícia!

A notícia não tão boa é que as religiosas não terão necessariamente a certeza de que estão fazendo “o que é certo” – como poderiam estar no passado. Mas é justo dizer que eles conhecerão o Jesus histórico de Nazaré e a sua presença entre nós como o Cristo cósmico de formas novas e muito vivificantes. Além disso, experimentarão novas formas de integridade baseadas em serem fiéis a si mesmos, àqueles com quem colaboram e a toda a criação.

Na verdade, todo o povo de Deus poderá dar testemunho de que o Filho de Deus ainda está entre eles. Eles serão capazes de dizer: "Sabemos disso por termos sido considerados dignos de amor e preocupação genuínos nas circunstâncias exigentes e perigosas de hoje. Não há dúvida sobre isso!"

Isto será então acompanhado por mulheres religiosas que cuidarão melhor de si mesmas como pessoas reais, em vez de membros ideais de instituições eclesiásticas e sociais que as gastaram – mesmo quando se permitiram ser gastas – ao serviço de “todos”.

Será que as religiosas escolherão passar conscientemente de um nível de desenvolvimento institucional para um nível de desenvolvimento interindividual? A julgar pela sua seriedade, sinceridade e integridade ao longo dos séculos, provavelmente o farão. Até agora, o seu histórico de adaptação ao que Deus lhes pede naquele momento é impressionante.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Prevendo o futuro da vida religiosa. Artigo de Judith Schaeffer - Instituto Humanitas Unisinos - IHU