Os pedidos de Kirill ao parlamento russo. Artigo de Lorenzo Prezzi

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Janeiro 2024

"O patriarca Kirill, em um longo discurso, reiterou seu apoio à guerra com uma narrativa "metafísica", recorrendo à imagem de um confronto épico de civilizações entre o bem e o mal.", escreve Lorenzo Prezzi, teólogo italiano e padre dehoniano, em artigo publicado por Settimana News, 25-01-2024.

Eis o artigo.

Em um discurso perante a assembleia federal da Federação Russa, diante dos senadores da Duma (parlamento), em 23 de janeiro, o patriarca Kirill, em um longo discurso, reiterou seu apoio à guerra com uma narrativa "metafísica", recorrendo à imagem de um confronto épico de civilizações entre o bem e o mal.

Interpretando o colapso da União Soviética como um momento de desorientação em benefício da atenção à cultura ocidental, denunciou a mudança radical no Ocidente europeu. Abandonando as raízes cristãs de K. Adenauer e R. Schumann, a União Europeia está "lutando contra a instituição da família tradicional, obviamente sob o pretexto do respeito aos direitos humanos, da livre escolha e assim por diante. A ideologia de gênero em suas muitas variantes, que vão desde tecnologias juvenis até a legalização da convivência entre pessoas do mesmo sexo, até a propaganda maciça para a "reatribuição de gênero" e outras perversões morais que são "indecentes de mencionar" (Ef 5,3), destroem a cultura europeia tradicional, incluindo os valores morais gerados pelo cristianismo e assumidos pelo humanismo europeu".

"Hoje, podemos afirmar tristemente que as elites dos países ocidentais estão efetivamente descontruindo a herança cristã, abandonando suas raízes espirituais."

O edifício europeu ainda é bonito, mas apenas superficialmente, porque os fundamentos estão desmoronando. Sentimos vergonha de nosso passado cristão, removemos cruzes das escolas, falamos em "festas de inverno" em vez de Natal. E, acima de tudo, "estão tentando adaptar os textos bíblicos para justificar a ideologia de gênero".

A Europa está desmoronando

Mas na Europa, como em outros lugares, a religião não desaparece, e existem países como a Polônia e a Hungria que reivindicam a fé como componente essencial da identidade nacional. Nenhuma riqueza material pode compensar a remoção do amor por Deus, pátria e próximo.

"Não é por acaso que a ortodoxia foi escolhida como alvo pelas ímpias elites políticas ocidentais, que não escondem suas intenções de destruir nosso país, encorajando a 'russofobia' e semeando inimizade, ódio e divisões entre povos irmãos."

O regime de Kiev está buscando uma "verdadeira destruição da Igreja Ortodoxa Ucraniana". Enquanto o patriotismo russo criou "uma grande cultura e um estado poderoso do Mar Báltico a oeste até o Oceano Pacífico a leste".

Após o pleno apoio à política de Putin, vêm as demandas por leis.

Kirill elogia a aprovação da lei que consolida os valores tradicionais no sistema educacional e aprecia as novas regulamentações que impedem a "reatribuição de gênero" e a propaganda LGBT. Também positivas são as leis regionais que desencorajam as clínicas privadas de realizar abortos. Todos são sinais positivos que atraem a atenção de muitos povos do terceiro mundo, cansados da intrusiva propaganda ocidental.

A Rússia, com seu código de valores morais, é capaz de "liderar a resistência - direi uma palavra incrível - contra o Anticristo".

Lembrete para a Duma

A primeira lei solicitada é relacionada às famílias numerosas. É necessário um apoio financeiro adequado, o reconhecimento de benefícios específicos, possível pré-aposentadoria para os pais.

Uma segunda lei deve tratar de uma disciplina rigorosa do aborto. É necessário retirá-lo do seguro saúde obrigatório. Quem o fizer, que o pague.

Em terceiro lugar, é apropriado tornar difícil a remoção de crianças de suas famílias de origem, porque a família é um lugar sagrado.

Além disso, é necessário "proibir legalmente a mobilização (militar) em tempos de paz de pais com muitos filhos, que têm três ou mais filhos".

Outra urgência legislativa é o fechamento à imigração para evitar que a chegada de outros povos transforme o país em algo diferente.

Além disso, é justo que os padres envolvidos na guerra (cerca de cem) tenham os mesmos benefícios sociais dos soldados na linha de frente.

E, finalmente, aguarda-se o pleno reconhecimento dos diplomas emitidos pela Igreja nas instituições de ensino superior da Igreja Russa".

A disputa interna

À margem do discurso, vale mencionar o que poderia ser uma disputa interna entre os hierarcas ortodoxos.

A decisão do sínodo (11 de outubro) de afastar do conselho o bispo Tikhon para a sede episcopal na Crimeia, do bispo Dionísio para a sede periférica de Omsk e a demissão do bispo Leônidas da direção do exarcado patriarcal da África, indica uma redefinição dos poderes internos.

Kirill fortalece o papel do bispo Antônio, atual responsável pelo departamento de assuntos externos do patriarcado - os mal-intencionados destacam sua extraordinária semelhança com o jovem Kirill -, marginaliza o bispo Dionísio e penaliza o bispo Leônidas. Este último não apenas perde a responsabilidade pelo exarcado africano, mas também pela reitoria da igreja de Todos os Santos (em Moscou) e, desde 27 de dezembro de 2023, não é mais bispo nem mesmo da diocese de Erevan. Sua proximidade com o grupo militar "Wagner" e suas pretensões de substituir o bispo Antônio no departamento de assuntos externos o tornaram detestável para Kirill, temeroso do início de uma operação para substituí-lo em tempos talvez não distantes.

Apenas o bispo Tikhon, considerado o confessor de Putin, parece manter intacto seu prestígio.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os pedidos de Kirill ao parlamento russo. Artigo de Lorenzo Prezzi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU