Na capital do Cazaquistão, a reunião Francisco-Kirill em meados de setembro? Talvez. Agora depende do Patriarca de Moscou

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Agosto 2022

 

  • Enquanto isso, a visita do Papa à Ucrânia está ficando ainda mais complicada.

 

  • Vaticano - Patriarcado de Moscou: uma relação em crise em meio a acusações e desconfianças.

 

  • O Pontífice e Patriarca Kirill, a quem a Ucrânia chama de "advogado do diabo", deve participar do VII Congresso de Nur-Sultan.

 

  • Conhecer e abraçar para quê? Ou há um plano para trazer um cessar-fogo em breve e talvez uma trégua mais tarde?

 

  • Kirill é um líder religioso livre ou um "coroinha de Putin"?

 

O comentário é publicado por Il Sismografo, 02-08-2022.

 

Ontem a Sala de Imprensa do Vaticano oficializou a visita do Papa Francisco ao Cazaquistão de terça-feira 13 a quinta-feira 15 de setembro para participar do VII Congresso de líderes do mundo e das religiões tradicionais. [1]

 

No passado, muito se falou sobre essa possível viagem e diferentes fórmulas verbais foram usadas sem confirmar nada, mas nem mesmo fechar as portas, especialmente depois de 24 de fevereiro, dia do início da agressão armada russa. contra a Ucrânia. As passagens críticas das quais depende agora um possível segundo encontro entre o Papa de Roma e o Patriarca de Moscou na capital Nur-Sultan são numerosas e muito delicadas.

 

Cazaquistão (Foto: Turkish Flame e Joint Research Centre, ECHO, European Commission | Wikimedia Commons)

 

1)  O convite para Kirill - 26 de novembro de 2021

 

Em 26 de novembro de 2021, a agência russa Interfax divulgou a notícia de que o Patriarca de Moscou Kirill havia sido oficialmente convidado a participar do VII Congresso de líderes religiosos agendado na capital cazaque Nur-Sultan. Maulen Ashimbayev, presidente do Senado cazaque, enviou o convite a Kirill em nome do presidente do Cazaquistão Kassym-Jomart Tokayev durante uma reunião em Moscou na residência sinodal do mosteiro de São Daniel. (Interfax) O chefe da Ortodoxia Russa apenas agradeceu a gentileza sem confirmar a aceitação do convite.

 

2)  Os votos do Papa - 11 de abril de 2022

 

Na segunda-feira, 11 de abril, o Papa Francisco falou por videoconferência com o presidente cazaque, Kassym-Jomart Tokayev, e declarou que aceitou o convite para visitar o país por ocasião do VII Congresso, mas depois a Sala de Imprensa do Vaticano reduziu a questão dizendo que as palavras do Pontífice eram apenas a manifestação de um "desejo".

 

3)  A resposta do Patriarca - 1 de maio de 2022

 

Essa confirmação veio em 1º de maio, quando o jornal Astana Times informou que o embaixador do Cazaquistão em Moscou, Yermek Kosherbayev, havia recebido a resposta positiva de Kirill ao convite.

 

4)  O Papa anuncia a viagem - 1 de agosto de 2022

 

Como já assinalado ontem, 1º de agosto, o diretor da Sala de Imprensa do Vaticano com uma breve nota oficializou a visita do Papa entre 13 e 15 de setembro sem dar outros detalhes que, obviamente, serão públicos nas próximas semanas.

 

5)  A crise entre Roma e Moscou e os perigos da guerra

 

Neste ponto, pode-se concluir, com base no que foi declarado pelas partes, que tanto o Bispo de Roma como o Patriarca de Moscou deveriam participar do VII Congresso em Nur-Sultan. A situação, no entanto, é menos simples e linear do que esses fatos, pois a agressão russa de Putin contra a Ucrânia (em andamento há mais de 5 meses), apoiada em várias ocasiões pelo Patriarca Ortodoxo de Moscou, Kirill, causou uma crise muito séria e profunda na o caminho ecumênico entre as duas Igrejas depois do histórico encontro de Havana em 12 de fevereiro de 2016.

 

6)  Tenta consertar o rasgo

 

Há mais de cinco meses, antes do ataque russo à Ucrânia (que começou em 24 de fevereiro), entre Moscou e o Vaticano trabalhavam arduamente na preparação do segundo encontro entre Kirill e Francisco a ser realizado até o final de 2022.

 

Obviamente, a guerra russa fez explodir tudo, sobretudo porque Kirill, desde o primeiro momento, declarou total apoio, apelando mesmo à religião, ao chefe do Kremlin e à agressão armada, o que continua a fazer até hoje.

 

O Papa Francisco, apesar do que Kirill havia feito, por algum tempo, acreditava que um segundo encontro com Kirill era possível e, nesse contexto, Jerusalém foi discutida no mês de junho. Mas em 22 de abril, o pontífice em entrevista ao La Nación em Buenos Aires disse: "Lamento que o Vaticano tenha que cancelar um segundo encontro com o patriarca Kirill, que tínhamos planejado para junho em Jerusalém. Mas nossa diplomacia entendeu. que nosso encontro neste momento poderia criar muita confusão".

 

7)  A dura crítica mútua

 

O Papa Francisco e o Patriarca Kirill, com seus colaboradores para o diálogo ecumênico (o então Metropolita de Volokolamsk, Hilarion e o Cardeal Kurt Koch) falaram em videoconferência em 16 de março de 2022. As partes publicaram sua própria Nota sobre o que tinha sido dito. Havia diferenças entre os dois documentos - a declaração do Vaticano e a declaração do Patriarcado - também houve diferenças significativas no uso das palavras.

 

8)  Papa Bergoglio ao "Corriere della Sera"

 

Em 3 de abril, o Papa Francisco em entrevista ao "Corriere della Sera", que teve muito eco internacional, analisa a questão da guerra de Putin contra a Ucrânia tocando em aspectos que ele nunca abordou publicamente.

 

O jornal disse que perguntou ao Papa: "Poderia o Patriarca Kirill, chefe da Igreja Ortodoxa Russa, ser o homem que pode persuadir o líder do Kremlin a abrir uma porta?"

 

O Papa respondeu: "Falei com Kirill 40 minutos via zoom. Os primeiros vinte com um papel na mão ele me leu todas as justificativas para a guerra. Eu escutei e disse: não entendo nada disso. Irmão, não somos clérigos de Estado, não podemos usar a linguagem da política, mas a de Jesus. Somos pastores do mesmo povo santo de Deus. Para isso devemos buscar caminhos de paz, para acabar com os disparos de armas. O Patriarca não pode se transformar em coroinha de Putin. Eu tinha um encontro marcado com ele em Jerusalém no dia 14 de junho. Teria sido nosso segundo cara a cara, nada a ver com a guerra. Mas agora ele também concorda: vamos esperar, pode ser um sinal". (Corriere della Sera)

 

Líderes das Igrejas Católica e Ortodoxa da Ucrânia conversaram por videoconferência (Foto: Vatican News)

 

9)  A dura reação de Kirill

 

O Patriarcado de Moscou reagiu muito rapidamente e no dia seguinte, 4 de abril, o então Chefe do Departamento de Relações Exteriores, Metropolita Hilarion, publicou uma resposta muito dura em vários idiomas. O comunicado de imprensa começou com estas considerações: "É lamentável que um mês e meio após a entrevista com o Patriarca Kirill, o Papa Francisco tenha escolhido o tom errado para transmitir o conteúdo desta entrevista. É improvável que tais declarações contribuam para o estabelecimento de um diálogo construtivo entre o Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa Russa, que é especialmente necessária neste momento".

 

O Patriarcado em seu documento oferece uma versão mais aprofundada e oportuna de sua versão num vídeo de 16 de março e atualiza seus julgamentos sobre as razões da guerra de Putin que ainda justifica sem qualquer dúvida.

 

10)  Ucrânia "atacada e atormentada" e um segundo abraço Francisco-Kirill

 

Apesar de tudo, há um diálogo contínuo entre o Vaticano e o Patriarcado, ainda que limitado e por enquanto sem grandes perspectivas. Daqui até meados de setembro o caminho é longo e cheio de armadilhas. Em particular, há pouca confiança mútua. Obviamente, o cerne da questão é a Ucrânia, um povo "atacado e torturado", repetiu o Pontífice no domingo passado. Esta agressão armada por Putin foi realizada, e continua, com a bênção solene de Kirill. O diálogo ecumênico entre Moscou e o Vaticano está em crise e nos dois lados, dentro deles, há críticas, dissensões, oposições e relutâncias que não devem ser subestimadas.

 

11)  O Papa e seu desejo de ir a Kyiv e Kirill "advogado do diabo"

 

Para o Papa Francisco, um possível novo encontro e abraço com o Patriarca Kirill é um assunto muito delicado também porque não pode ser separado de seu desejo de visitar Kyiv.

 

As autoridades ucranianas, incluindo as igrejas cristãs, não simpatizam com este possível encontro no Cazaquistão entre Francisco e Kirill. Na verdade, eles são abertamente hostis. O embaixador da Ucrânia junto à Santa Sé, Andriy Yurash, em 13 de julho, disse ao sítio de informação religiosa ucraniana RISU: todo o possível deve ser feito para impedir o encontro entre o Papa e Kirill.

 

Há algumas semanas, o sítio Risu informou: "O embaixador ucraniano no Vaticano Andriy Yurash assegurou que está fazendo todo o possível para garantir que o encontro entre o Patriarca de Moscou Kirill (Gundyaev) e o Papa Francisco não ocorra. "O chefe da Santa Sé fala sobre um possível encontro com Kirill em setembro no Cazaquistão (...) mas nós, diplomatas, estamos fazendo todo o possível para evitar que o encontro aconteça. Não beneficiará nem mesmo o diálogo ecumênico nem acrescentará autoridade à capital apostólica porque é um encontro com o advogado do diabo”. (RISU - Serviço de Informação Religiosa da Ucrânia - Universidade Católica da Ucrânia)

 

Nota:

 

[1] Em 31 de maio, no encontro no Vaticano entre o Papa e Mukhtar Tileuberdi, vice-primeiro-ministro do Cazaquistão e ministro das Relações Exteriores, segundo a imprensa cazaque, Francisco teria dito que o Cazaquistão era um parceiro confiável do Vaticano na Ásia Central e também discutiria com o político a agenda do próximo VII Congresso dos líderes das religiões mundiais e tradicionais (14-15 de setembro).

 

No comunicado conjunto da Santa Sé com o Cazaquistão para celebrar os 30 anos de relações diplomáticas entre os dois estados, publicado apenas em inglês, já foi dito há dois meses: "O Cazaquistão saúda a decisão do Papa Francisco de participar do VII Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais a ser realizada em Nur-Sultan em setembro de 2022".

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Na capital do Cazaquistão, a reunião Francisco-Kirill em meados de setembro? Talvez. Agora depende do Patriarca de Moscou - Instituto Humanitas Unisinos - IHU