Papa Francisco rumo ao Cazaquistão: Os telegramas mais difíceis do seu pontificado?

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Agosto 2022

 

  • Segundo especialistas em tráfego aéreo, o voo direto de Roma levaria cinco horas e meia para percorrer 4.500 quilômetros. Nele, Francisco sobrevoaria o espaço aéreo da Croácia, Sérvia, Romênia, Moldávia, Ucrânia e Rússia, esses dois últimos países em guerra. No momento, o espaço aéreo não foi fechado;

  • O Airbus A330 da ITA escolherá aquela rota na qual a viagem poderá ser feita? Ou você escolheria uma rota mais longa, mas menos diplomática, que sobrevoe a Grécia, a Turquia e a Geórgia, entrando no Cazaquistão pelo sul?

  • Um voo muito mais longo, e isso privaria Bergoglio da possibilidade de dar uma palavra tanto a Zelensky quanto a Putin.

 

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 01-08-2022.

 

"Eu disse que gostaria de ir para a Ucrânia, agora vamos ver o que encontro quando chegar em casa. Para o Cazaquistão, no momento, gostaria de ir, é uma viagem tranquila, sem movimento, haverá um congresso de religiões lá". O Papa Francisco 'oficializou' neste sábado sua presença no VII Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais, que será realizado no Cazaquistão em setembro, e que a Santa Sé poderá confirmar esta semana.

 

Cazaquistão (Foto: Turkish Flame e Joint Research Centre, ECHO, European Commission | Wikimedia Commons)

 

Uma visita que, se acontecer, pode significar um desafio diplomático de alto nível para o Vaticano. Por quê? Porque a rota mais direta, e a que costuma ser usada, entre Roma e Nur-Sultan (capital do país), sobrevoa solo ucraniano e russo, e é um costume histórico que os pontífices enviem telegramas aos chefes de estado de todos os países da rota papal.

 

Um problema, ou uma ocasião para gritar, direta e oficialmente, "pare e negocie", como o próprio Bergoglio apontou no Angelus deste domingo?

 

Segundo especialistas em tráfego aéreo, o voo direto de Roma levaria cinco horas e meia para percorrer 4.500 quilômetros. Nele, Francisco sobrevoaria o espaço aéreo da Croácia, Sérvia, Romênia, Moldávia, Ucrânia e Rússia, esses dois últimos países em guerra. No momento, o espaço aéreo não foi fechado.

 

O Airbus A330 da ITA escolherá aquela rota na qual a viagem poderá ser feita? Ou você escolheria uma rota mais longa, mas menos diplomática, que sobrevoe a Grécia, a Turquia e a Geórgia, entrando no Cazaquistão pelo sul?

 

Um vôo muito mais longo e que privaria Bergoglio de dar uma palavra tanto a Zelensky quanto a Putin. A última palavra, como sempre (a menos que a Ucrânia ou a Rússia impeçam o avião de entrar em seu território), é de Francisco.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco rumo ao Cazaquistão: Os telegramas mais difíceis do seu pontificado? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU