Colômbia. E ele ganhou “A mudança para a vida”!

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Junho 2022

 

  • "Espontaneamente muitas pessoas saíram às ruas para comemorar esta vitória. A chuva não importa (em Bogotá) porque a alegria da vitória é maior. Mas o mais interessante é a presença massiva de tantos jovens".

 

  • "Os jornalistas da mídia casados com o atual governo não sabem muito bem como transmitir essa vitória. Depois de tantos meses contribuindo para o descrédito da campanha do Pacto Histórico, agora não sabem o que dizer".

 

  • "Obrigado, Francia Márquez por tornar realidade que uma mulher como você - de quem tantos desconfiam por ser negra, ser líder, ser corajosa - ocupe esta segunda posição na nação, quebrando o teto para mulheres negras pobres do povo".

 

O artigo é de Consuelo Velez, teóloga colombiana, publicado por Religión Digital, 20-06-2022.

 

Foram três semanas muito difíceis desde a primeira rodada e, finalmente, "o pacto pela vida venceu". Neste dia, não ganhou uma pessoa – Petro -, mas as periferias, as vítimas, os ninguéns, a população afro, e tantos pobres com necessidades e exclusões diferentes.

 

Ele também ganhou uma história que está mais perto da verdade (toda história é limitada como a própria vida humana) porque não é verdade que os guerrilheiros inseridos não possam se valer da legalidade e continuar construindo uma pátria, porque não é verdade que o único sistema confiável seja o neoliberalismo, porque não é verdade que ele é preciso esperar indefinidamente para começar a cuidar da nossa casa comum, porque não é verdade que governos progressistas são comunismo, porque não é verdade que não podemos ter um Estado de Bem-Estar - como tantos países do chamado primeiro mundo - para garantir educação, saúde, pensão, casa e muitas outras necessidades básicas a que todo colombiano tem direito.

 

Os pobres, os ninguéns não são preguiçosos, não são cuidados! , -como muitas pessoas os descrevem de seu conforto-. São vítimas da injustiça social de que esta parte da Colômbia, hoje vencedora, se cansou e fez de tudo para começar a revertê-la. Que a injustiça seja feita justiça, que a vida triunfe sobre a morte, que a paz acabe com a guerra. 

 

Espontaneamente muitas pessoas saíram às ruas para comemorar esta vitória. A chuva não importa (em Bogotá) porque a alegria da vitória é maior. Mas o mais interessante é a presença massiva de tantos jovens. Também lhes devemos esta vitória porque foram eles que protestaram nas ruas há um ano porque a situação que vivemos já não pode ser tolerada. A sua perseverança, audácia e força mostram a consciência política dos jovens e o seu empenho na construção do nosso país. Não é verdade que os jovens sejam vândalos - como também são descritos por tantas pessoas que vivem apenas em seu mundinho, com medo de qualquer mudança.

 

A alegria deste momento reflete um sentimento do “povo”. Aquele povo que consegue se unir e lutar por causas comuns. O Papa Francisco nos fala sobre esta cidade no Fratelli Tutti, mas infelizmente há uma parte da Igreja que não pode sair para celebrar com esta cidade, porque parece que nunca está com eles, embora em teoria diga a seguir o Jesus do reino, onde os pobres vêm em primeiro lugar. Essas são as inconsistências da nossa fé!

 

Os jornalistas da mídia casados com o atual governo não sabem muito bem como transmitir essa vitória. É que depois de tantos meses contribuindo para o descrédito da campanha do Pacto Histórico, agora não sabem nem o que dizer. Porque, embora seja verdade que em todas as campanhas houve iniciativas para atacar pessoalmente o adversário, é absolutamente verdade que contra o Petro tudo era ataque, tudo era distorção, não houve um único debate em que os adversários não partissem de um mentir para atacá-lo e que os jornalistas não lhe fizeram perguntas com a intenção de reforçar preconceitos infundados.

 

Claro que as coisas não vão mudar magicamente. Acredito também que erros não vão faltar. Estaremos comentando no futuro os nossos desacordos sobre as decisões que tomadas pelos eleitos. Mas não esqueçamos que qualquer decisão precisa da aprovação do Congresso e será uma "obra de arte" unir forças pelo bem da Colômbia. Não faltará forte oposição dos adversários.

 

No entanto, a Colômbia não será a mesma após este triunfo. Pela primeira vez nosso país se olha da periferia, pela primeira vez quem nos fala são representantes dos indígenas, dos afros, dos camponeses, das vítimas, dos pobres, dos ninguéns e ninguém, o povo colombiano que trabalha com tanta dignidade e que há séculos é vítima de tanta injustiça social.

 

Obrigado Francia Márquez por tornar realidade que uma mulher como você - que tantos desconfiam de ser negra, ser líder, ser corajosa - ocupe esta segunda posição na nação, quebrando o teto para pessoas pobres, negras, mulheres. Desde o seu maravilhoso voto nas consultas, você nos mostrou que existe essa parcela do povo que levanta a voz e é capaz de se encarregar de conduzir o país pelo caminho da vida, uma vida que você defendeu com o compromisso de sua própria vida.

 

Obrigado Gustavo Petro por não se cansar apesar de tanta oposição. Sua vida vale a pena e sem dúvida! Como disse um jornalista ou comentarista, você soube interpretar os sentimentos das pessoas e mereceu ser nosso presidente. Suas primeiras palavras, depois desta vitória, são o que precisamos: uma política de diálogo, amor, reconciliação, paz e, acima de tudo, que abra as portas da mudança. Não estamos bem e temos o direito de estar. Confiamos que nestes quatro anos continuaremos trabalhando pela unidade e pela paz, pela justiça social e pela inclusão de todos, para superar tanta violência com a qual não temos que conviver. Temos o direito de viver em paz! Temos o direito de ser feliz! Temos o direito de viver gostosamente!

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia. E ele ganhou “A mudança para a vida”! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU